Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13332
Título: Conhecimentos, atitudes e práticas sobre contracepção para adolescentes
Autor(es): Costa, Gilka Paiva Oliveira
Palavras-chave: Comportamento sexual. Adolescente. Atitudes. Contracepção. Gravidez na adolescência. Reprodutibilidade dos testes
Data do documento: 27-Set-2013
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: COSTA, Gilka Paiva Oliveira. Conhecimentos, atitudes e práticas sobre contracepção para adolescentes. 2013. 104 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.
metadata.dc.description.resumo: Conhecer o fenômeno da gravidez no contexto da adolescência, considerando a importância da contracepção como valioso recurso deprevenção, é uma abordagem que carece de atenção e norteia esta pesquisa, cujoobjetivo é avaliar a vivência sexual dos adolescentes e uso de métodos contraceptivos a partir do que eles conhecem sobre esses métodos e de suas atitudes frente à contracepção. Trata-se de um estudo exploratório, conduzido com estudantesdo 7º ao 9º ano de escolaridade. Os instrumentos de coleta de dados foram construídos e validados com análise das melhores condições para obtenção derespostas coerentes. As variáveis consideradas para análise foram: comunicação, atitudes, conhecimentos sobre contracepção, sexo, idade e comportamento sexual. As análises foram realizadas através dos cálculos de frequência, testes de qui-quadrado, t de student e regressão logística (considerou-se p<0,05). Os instrumentos foram validados com alfa de Cronbach de 0,70. Houve dificuldades para aobtenção de dados confiáveis nos auto-relatos dos sujeitos, verificando-se a necessidade de investigar a coerência das repostas mesmo utilizando instrumentos já validados. Dos 570 participantes, 68,8% tinha até 14 anos. Apresentaram pouco conhecimento e atitudes desfavoráveis ou ambivalentes à contracepção. Apenas 65% conversaram sobre o tema e 21,4% declararam iniciação sexual. Entre esses, a maioria (60,8%) tinha até 15 anos e 49,3% nunca usaram qualquer método contraceptivo. Não houve diferença significativa no uso da prevenção entre os que conversaram ou não sobre contracepção (p= 0,201). Os resultados apontam adolescentes expostos não só à gravidez, como à DST e alerta para a necessidade deintervenções que viabilizem uma orientação sexual capaz de promover competências para práticas sexuais mais seguras. Além disso, este estudo alerta para a dificuldade em obter dados confiáveis em pesquisas com adolescentes e evidencia a importância em se verificar a coerência das respostas mesmo utilizando instrumentos validados
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13332
Aparece nas coleções:PPGCSA - Doutorado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
GilkaPOC_TESE.pdf7,54 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.