Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22913
Título: Saúde bucal de adolescentes escolares
Autor(es): Filgueira, Ana Cristina Gondim
Machado, Flávia Christiane de Azevedo
Amaral, Beatriz Aguiar do
Lima, Kenio Costa de
Assunção, Isauremi Vieira de
Palavras-chave: Qualidade de vida;Saúde bucal;Adolescente;Indicador de saúde;Instituições de ensino
Data do documento: 2016
Referência: FILGUEIRA, Ana Cristina Gondim et al. Saúde bucal de adolescentes escolares. Holos (Natal. Online), v. 1, n. 1, p. 161, 2016.
Resumo: Os problemas de saúde bucal podem impactar na qualidade de vida relacionada à saúde bucal. Assim, deve-se mensurar além da presença e severidade das doenças bucais, o quanto essas interferem no dia-a-dia das pessoas. Para tanto, utilizam-se indicadores de qualidade de vida relacionada à saúde bucal como Oral Impacts on Daily Performances. Na adolescência, aumenta o risco de cárie e doença periodontal e de seus possíveis impactos (dor de dente, dificuldades na mastigação e na higienização dentária), sendo indicado o uso consorciado desses indicadores aos clínicos para o melhor planejamento das ações. Assim, realizou-se estudo seccional com 215 adolescentes escolares (15-19 anos) de um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia para estimar sua condição de saúde bucal e verificar a existência de impacto na qualidade de vida relacionada à saúde bucal. Para tanto, foram realizados exames clínicos e aplicados questionário para calcular, respectivamente, indicadores de cárie (índice cariado, perdido e obturado- CPO-D), de periodontopatias (Índice Periodontal Comunitário-CPI), oclusopaticas (Índice de Estética Dental- DAI) e o Oral Impacts on Daily Performances. Como resultado, obteve-se um CPO-D de 3,31 (±4,15), o cálculo dentário como periodontopatia mais severa e 31,5% da amostra com necessidade de tratamento ortodôntico. Quanto à qualidade de vida relacionada à saúde bucal, 51,16% relatou impacto cuja principal causa foi a posição dos dentes e relativo, sobretudo, às atividades de comer, higienizar a boca e sorrir. Os adolescentes apresentaram em sua maioria dificuldades para realizar ao menos uma atividade diária relacionada à boca e a presença de cálculo dentário foi o agravo bucal mais prevalente. Este dado associado às atividades de execução mais dificultada (comer e realizar a higiene bucal) indica que há a necessidade de instituir, de fato, ações de promoção e prevenção à saúde. Portanto, ações simples e de baixo custo como orientação de higiene bucal podem reduzir sensivelmente o impacto ocasionado no grupo pesquisado.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/22913
Aparece nas coleções:CCS - DOD - Artigos publicados em periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
SAÚDE BUCAL DE ADOLESCENTES ESCOLARES_2016.pdfhttp://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/viewFile/3577/1389521,11 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.