Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/24667
Title: Comunicação acústica em Neoponera villosa (Hymenoptera, Formicidae, Ponerinae)
Authors: Medeiros, Jeniffer da Câmara
Keywords: Bioacústica;Estridulação;Percussão;Insetos sociais;Formigas;Castas
Issue Date: 31-Aug-2017
Citation: MEDEIROS, Jeniffer da Câmara. Comunicação acústica em Neoponera villosa (Hymenoptera, Formicidae, Ponerinae). 2017. 82f. Tese (Doutorado em Psicobiologia) - Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Portuguese Abstract: Sinais acústicos e vibratórios são utilizados por várias espécies de formigas em interações intra e interespecíficas, apesar de serem pouco estudados. Entre as modalidades de produção de sinais vibroacústicos estão a estridulação e a percussão. Estes sinais podem transmitir mensagens de alarme, distresse, recrutamento, ataque, ativação da colônia, pistas para o provisionamento de larvas, avaliação de recursos alimentares e não receptividade das fêmeas. Tendo isso em vista, este estudo teve como objetivo investigar a utilização de sinais acústicos na espécie Neoponera villosa (Hymenoptera, Formicidae, Ponerinae), caracterizando a estridulação de operárias, gynes e machos, analisando a resposta de colônias de N. villosa diante da estridulação de coespecíficos e avaliando a resposta acústica das colônias à perturbação do ninho. Os resultados mostraram que os sinais estridulatórios de operárias de N. villosa são compostos majoritariamente por sequências monossibálicas de chilros, sendo um chilro composto por uma única sequência de pulsos. Entretanto, a maior parte dos chilros das castas reprodutivas apresentaram uma sequência de pulsos de baixa amplitude antecedendo a sequência de pulsos principal, sendo, dessa forma, constituídos por duas sub-unidades e caracterizando-se como chilros dissilábicos. Os sinais estridulatórios apresentaram ainda diferenças significativas entre as castas quanto ao intervalo entre chilros, número de pulsos por chilro, intervalo entre pulsos e taxa de emissão de pulsos. Diferenças entre colônias foram encontradas na estridulação de gynes e machos. As colônias de N. villosa não responderam aos sinais estridulatórios de operárias, com mudança do padrão comportamental em resposta apenas à presença de companheiras de ninho e de não companheiras, mas sem diferença de resposta entre os testes com presença e ausência de estridulação. No contexto de perturbação do ninho, as colônias de N. villosa não responderam com emissão de sinais estridulatórios, mas sim com emissão de sinais acústicos produzidos através de percussão.
Abstract: Acoustic and vibratory signals are used by several ant species in intraspecific and interspecific interactions, although studies concerning these signal modalities are scarce. Stridulation and drumming are among the main ways of producing vibroacoustic signals. These signals can transmit messages relative to alarm, distress, recruitment, attack, colony activation, clues for provisioning of larvae, evaluation of food resources and non-receptivity of females. The aim of this study was to investigate the use of acoustic signals in Neoponera villosa (Hymenoptera, Formicidae, Ponerinae). In order to achieve our aim, we characterized workers, gynes and males stridulation; we analyzed N. villosa colonies’ response to workers’ stridulation and evaluated the acoustic response of N. villosa colonies to nest disturbance. The results showed that stridulatory signals of N. villosa workers are composed mainly of monosyllabic chirp trains, with chirps composed of a single sequence of pulses. Nevertheless, the majority of the chirps produced by the reproductive castes presented a low amplitude pulse sequence preceding the main high amplitude sequence of pulses. These chirps were composed of two subunits and, thus, were identified as disyllabic chirps. The stridulatory signals presented significant differences among the N. villosa castes regarding the inter-chirp interval, the number of pulses per chirp, the inter-pulse interval and the pulse repetition rate. In addition, gynes’ and males’ stridulation presented significant differences according to their colonies. N. villosa colonies did not respond to the emission of workers’ stridulatory signals. Behavioral pattern changes occured only in response to nestmate or non nestmate presence, without any response difference between tests with stridulanting workers and mute workers. In nest disturbance context, N. villosa colonies did not respond with stridulatory signal emission, but with the emission of acoustic signals produced by drumming.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/24667
Appears in Collections:PPGPSICO - Doutorado em Psicobiologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JenifferDaCamaraMedeiros_TESE.pdf3,55 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.