Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/25364
Title: Prevalência e caracterização dos casos de mielomeningocele no Rio Grande do Norte
Other Titles: Prevalence of myelomeningocele and patient characteristics in Rio Grande do Norte State, Brazil
Authors: Araújo, Aurigena Antunes de
Souza, Graziene Lopes de
Brandão, Gustavo Henrique Azevedo
Oliveira, Yonara Monique da Costa
Nascimento, Heveline Gomes do
Alves, Maria do Socorro Costa Feitosa
Keywords: Fatores de risco;Meningomielocele;Prevalência
Issue Date: 2012
Publisher: Pontifícia Universidade Católica de Campinas/ PUC-Campinas
Citation: ARAUJO, Aurigena Antunes de; et al. Prevalência e caracterização dos casos de mielomeningocele no Rio Grande Do Norte/Brasil. Revista de Ciências Médicas (PUCCAMP), v. 12, p. xx-xx, 2012. Disponível em: < https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/view/1872> Acesso em: 13 mar. 2018.
Portuguese Abstract: Objetivo Identificar o coeficiente de prevalência e caracterizar os casos de crianças com mielomeningocele. Métodos Foi realizado um levantamento dos casos ocorridos de mielomeningocele no Hospital Infantil Varela Santiago, Rio Grande do Norte, nos anos 2004 e 2005. Foi aplicado um questionário com as variáveis: sexo da criança, má-formação congênita associada, escolaridade da mãe, renda familiar, tipo de água, tipo de farinha, assistência social, diagnóstico pré-natal de mielomeningocele e história familiar da doença. Resultados O coeficiente de prevalência em 2004 foi de 6:10.000 nascidos-vivos, enquanto, em 2005, foi de 2:10.000 nascidos-vivos. Um percentual de 59,1% dos pacientes foi do sexo masculino, sendo a má-formação associada à mielomeningocele a hidrocefalia, em 82,6% dos casos. Em 56,5% das famílias entrevistadas, a renda mensal era menor ou igual a um salário-mínimo. A água consumida em 91,0% das famílias era encanada. A farinha de mandioca caseira foi consumida em 50,0%. Apenas 4,3% das crianças apresentavam assistência social. Quanto à escolaridade, 47,8% das mães tinham ensino fundamental incompleto (menos de quatro anos de estudo). Todas as mães realizaram pré-natal, sendo que 40,9% iniciaram apenas no segundo trimestre de gestação. Em somente 22,7% das crianças foi dado o diagnóstico pré-natal de mielomeningocele por meio do exame ultrassonográfico. Em relação ao histórico familiar, 13,6% dos pais relataram mielomeningocele na família. Finalmente, quanto à utilização de suplementos, 13,6% não fizeram suplementação de vitaminas, e apenas 21,1% fizeram uso do ácido fólico. Conclusão O estudo chama a atenção para o fato de que parte das mães iniciou o pré-natal no segundo trimestre de gestação, com o agravante de que a doença, na maior parte das vezes, não foi diagnosticada no exame ultrassonográfico. O estudo aponta a necessidade de ações educativas na área de saúde da mulher, com melhoria na qualidade dos serviços de diagnóstico.
Abstract: Objective This study aimed to identify the prevalence of children with myelomeningocele and describe their characteristics. Methods A questionnaire was used for collecting the following data from children with myelomeningocele who visited the Hospital Infantil Varela Santiago in Rio Grande do Norte between 2004 and 2005: sex, associated congenital malformation, mother’s education level, household income, home’s water source, Social Assistance, prenatal diagnosis of myelomeningocele and family history of the disease. Results Myelomeningocele prevalences in 2004 and 2005 were 6:10,000 and 2:10,000 live births, respectively. Most (82.6%) patients also had hydrocephalus, 59.1% were male, 22.7% had been diagnosed before birth by ultrasound, 13.6% had a family history of myelomeningocele, 4.3% had Social Assistance, 56.5% had a household income equal to or below one minimum wage, 91.0% of the households had piped water, 50.0% of the households consumed homemade cassava flour, 47.8% of the children’s mothers had less than 4 years of formal education, all mothers had attended prenatal care, 40.9% of the mothers started prenatal care on the second trimester of pregnancy, and 13.6% of the mothers did not take vitamin supplements during pregnancy. Conclusion The study draws attention to the fact that some mothers only began prenatal care on the second trimester of pregnancy, and worse, the disease was often not detected by ultrasound. The study shows that education actions on woman’s health and better quality diagnostic services are necessary.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/25364
ISSN: 2318-0897
Appears in Collections:CB - DBF - Artigos publicados em periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Prevalência e caracterização dos casos de mielomeningocele_2012.pdf137,28 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.