Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/13766
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorNascimento, Rogério Humberto Zeferinopt_BR
dc.contributor.authorOliveira, Vantiê Clínio Carvalho dept_BR
dc.date.accessioned2014-12-17T14:20:21Z-
dc.date.available2012-01-30pt_BR
dc.date.available2014-12-17T14:20:21Z-
dc.date.issued2011-04-08pt_BR
dc.identifier.citationOLIVEIRA, Vantiê Clínio Carvalho de. Max Stirner, o único e o que lhe é próprio: uma interpretação e(m) algun(s) ensaio(s). 2011. 214 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional; Cultura e Representações) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.por
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13766-
dc.description.abstractThis work has a study object the main thinking work of Johan Kaspar Schmidt well known as Max Stirner (1806-1856) - originally titled (in German), Der Einzige und sein Eigentun, and translated into Portuguese by the Portuguese publisher Antígona in 2004, under the title The Unique and its Ownership. This book was known in 1844 although its publication dated 1845 seen that the censor of that time rejected the publication request in that year - saying that ( ) in concrete passages of that work, not only God, Christ, the church and the religion are usually object of proposal blasphemy, but also because all social order, the state and the government are defined as something that should not exist simultaneously as one justifies the lie, perjury, the murder and suicide and denies the ownership right. After this first attack and rejection by its bearing the unique come to be others target, due practically to all the philosophical political thinkers its time including thinkers like Ludwig Feuerbach and Karl Marx & Friedrich Engels in spite of, on the other hand, having inspired formulations and reformulations of many of those thinkers that were against then in their times, as well as those thinkers that came after then such as Nietzsche himself. Even though this work was be victim of powerful attempts of erasing it of history, it has shown a great repercussion power and that is the main reason that led us to ask the following questions what is its big originality? , how could his author arrive at a so impactant perspective? What is its most legitimate political place? We endeavored in elaborate answers to those questions trough the exegesis of its text, taking in account both the scholarship environment where the author produced his intellectual life set - and the detailed reading of texts linked to discussion in focus, where this reading is always based upon the meaning and senses traced by the texts and its contexts as a precaution against the limits and the traps of the readings which shed light markedly on strict letter of the phrases constructs. Ours conclusions point at to the idea that a work like this , that subverts the characteristic ways of thought of the modernity, completely, continues being a utter odds, without rank in the history of thought and the moderns political practices, finding parallel possibility only, in a very special way, with a certain autharchic perspective of Ancient Greeceeng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superiorpt_BR
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal do Rio Grande do Nortepor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectStirnerpor
dc.subjectFilosofia políticapor
dc.subjectFilosofia alemãpor
dc.subjectStirnereng
dc.subjectPolitical philosophyeng
dc.subjectGerman philosophyeng
dc.titleMax Stirner, o único e o que lhe é próprio: uma interpretação e(m) algun(s) ensaio(s)por
dc.typedoctoralThesispor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFRNpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Sociaispor
dc.contributor.authorIDpor
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/7281250463623113por
dc.contributor.advisorIDpor
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/5211310903653654por
dc.contributor.referees1Costa, Homero de Oliveirapt_BR
dc.contributor.referees1IDpor
dc.contributor.referees1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8871454632145848por
dc.contributor.referees2Silva, Dacier de Barros ept_BR
dc.contributor.referees2IDpor
dc.contributor.referees2Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4783746A2por
dc.contributor.referees3Passetti, Edsonpt_BR
dc.contributor.referees3IDpor
dc.contributor.referees3Latteshttp://lattes.cnpq.br/8472488233004481por
dc.contributor.referees4Kassick, Clóvis Nicanorpt_BR
dc.contributor.referees4IDpor
dc.contributor.referees4Latteshttp://lattes.cnpq.br/3775860513233146por
dc.description.resumoEste trabalho tem como objeto de estudo a principal obra do pensamento de Johan Caspar Schmidt - mais conhecido como Max Stirner (1806 1856) -, originalmente intitulada (em alemão), Der Einzige und sein Eingentum, e traduzido para a língua portuguesa - pela editora portuguesa Antígona - no ano de 2004, sob o título de O Único e a Sua Propriedade. Esta obra se tornou pública no ano de 1844, apesar de sua publicação ter sido datada de 1845, visto que o censor da época rejeitou o pedido de sua publicação - naquele ano sob o argumento de que: (...) em passagens concretas desse escrito, não apenas Deus, Cristo, a Igreja e a Religião em geral são objeto da blasfêmia mais despropositada, mas também porque toda a ordem social, o Estado e o governo são definidos como algo que não deveria existir ao mesmo tempo em que se justifica a mentira, o perjúrio, o assassinato e o suicídio, e nega o direito de propriedade . Após este primeiro ataque e rejeição sofridos já no seu nascedouro, O Único viria a ser alvo de outros, por parte de, praticamente, todo o espectro do pensamento filosófico-político de sua época incluindo aí pensadores como Ludwig Feuerbach e Karl Marx & Friedrich Engels -, apesar de, por outro lado, ter servido de inspiração para formulações e reformulações dos pensamentos de muitos daqueles que o atacaram em sua época, bem como de outros pensadores posteriores, tais como o próprio Nietzsche. Mesmo tendo sido vitimada por poderosas tentativas de lhe apagar da história, esta obra tem demonstrado grande poder de percutir e foi isto o que nos levou a formular as seguintes questões: Qual é a sua grande originalidade? , Como o seu autor pôde chegar a uma perspectiva tão impactante? e Qual é o seu lugar político mais legítimo? Empreendemos um esforço de elaborar respostas pertinentes a estas questões pela via da exegese de seu texto, atribuindo relevância tanto ao ambiente intelectual em que o seu autor a produziu seu contexto de vida intelectual quanto à leitura pormenorizada dos textos atinentes à discussão em foco, leitura essa sempre pautada pela atenção aos significados e sentidos delineados pelos textos em seus contextos, como forma de precaução contra os limites e as ciladas das leituras cujo foco incide marcadamente sobre a estrita letra das construções fraseológicas. Nossas conclusões apontam para a idéia de que uma obra como esta, que subverte completamente os modos de pensar característicos da modernidade, continua sendo completamente singular, inclassificável na história do pensamento e das práticas políticas modernas, só vindo a encontrar alguma possibilidade de paralelo, de modo muito especial, com certa perspectiva autárquica da Grécia aCpor
dc.publisher.departmentDesenvolvimento Regional; Cultura e Representaçõespor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADASpor
Appears in Collections:PPGCS - Doutorado em Ciências Sociais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MaxStirnerUnico_Oliveira_2011.pdf1,58 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.