Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/17201
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorAraújo, John Fontenelept_BR
dc.contributor.authorAlmondes, Katie Moraes dept_BR
dc.date.accessioned2014-12-17T15:36:34Z-
dc.date.available2008-10-06pt_BR
dc.date.available2014-12-17T15:36:34Z-
dc.date.issued2007-10-11pt_BR
dc.identifier.citationALMONDES, Katie Moraes de. Qualidade de sono e qualidade de vida em trabalhadores submetidos a diferentes esquemas de trabalho de uma empresa petroquímica. 2007. 259 f. Tese (Doutorado em Estudos de Comportamento; Psicologia Fisiológica) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2007.por
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/17201-
dc.description.abstractOne of the largest problems of the present time resulting from the economic globalization and the modern technology, of the point of view of the biological rhytms of our organism, it is offering services and production of goods available in 24 o'clock, that it demands organized workers in several work schedules besides the hours of the day. Those schedules cause a series of biopsychosocial consequences in the worker's health, in function of circadian, homeostatic and psychosocial alterations. Accordingly, the aim of this study was to accomplish an evaluation of the effects of several works schedules in the pattern of the sleep wake cycle, anxiety, stress and in the health. We counted with a sample of 274 workers subdivided in 49 daytime worker groups and 225 workers in different shift work schedules with different speeds (rotating shift group, slower day shift group, faster day shift group). From the results analysis it is verified irregularities of the daily activities, stress and alterations in the workers' health in all schedules. It was also verified thata the workers thata presented irregularities in the daily activities were the mroe stressed. On the other hand, the shift works were considered more ansious and associated with bad sleep quality. It was verified that the workers with bad sleep quality were those presented larger levels of dispocional anxiety. There was no statistically significant correlation between bad sleep quality and irregular daily lifestyle. However, it can be affirmed thata shift work schendules doesn't are the main determinant for the circadian alterations, but the answers of the individuals to the shifts work; and that the inadequate behavioural strategies to work with the effects of the shift schedules. In conclusion, individual strategies related to the coping of the work in shift (adaptation and tolerance) should be extolled as indispensable tool in the ergonomic evaluation of the workeng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superiorpt_BR
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal do Rio Grande do Nortepor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectTrabalho em turnospor
dc.subjectAnsiedadepor
dc.subjectEstressepor
dc.subjectSonopor
dc.subjectTrabalhadorespor
dc.subjectShift workeng
dc.subjectAnxietyeng
dc.subjectStresseng
dc.subjectSleepeng
dc.subjectWorkers.eng
dc.titleQualidade de sono e qualidade de vida em trabalhadores submetidos a diferentes esquemas de trabalho de uma empresa petroquímicapor
dc.typedoctoralThesispor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFRNpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Psicobiologiapor
dc.contributor.authorIDpor
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/6914402826291062por
dc.contributor.advisorIDpor
dc.contributor.advisorLatteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4792718J4por
dc.contributor.referees1Azevedo, Carolina Virgínia Macedo dept_BR
dc.contributor.referees1IDpor
dc.contributor.referees1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2667344626234863por
dc.contributor.referees2Rotemberg, Lúciapt_BR
dc.contributor.referees2IDpor
dc.contributor.referees2Latteshttp://lattes.cnpq.br/0606137746805144por
dc.contributor.referees3Pires, Maria Laura Nogueirapt_BR
dc.contributor.referees3IDpor
dc.contributor.referees3Latteshttp://lattes.cnpq.br/1562901974105550por
dc.contributor.referees4Alchieri, João Carlospt_BR
dc.contributor.referees4IDpor
dc.contributor.referees4Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4790051D1&dataRevisao=nullpor
dc.description.resumoUm dos maiores problemas hodiernos resultante da globalização econômica e da tecnologia moderna, do ponto de vista da ritmicidade biológica do nosso organismo, é a oferta de serviços e produção de bens disponívels 24 horas, ininterruptamente, que exige trabalhadores organizados em vários equemas de trabalho. Esses horários causam conseqüências biopsicossociais na saúde do trabalhador, em função de alterações circadianas, homeostáticas e psicossociais. A presente pesquisa realizou uma avaliação dos efeitos de diversos esquemas de trabalhos no padrão do ciclo sono vigília, na ansiedade, no estresse e na saúde. A amostra foi constituída por 274 trabalhadores subdivididos em 49 trabalhadores em esquemas diurnos fixos e 225 em diferentes esquemas em turnos com velocidades diferentes (turnos alternante, diurno alternante com rotação lenta e diurno alternante com rotação rápida). Com a análise dos resutados, verificou-se a ocorrência de irregularidades nas atividades diárias, estresse e alterações na saúde dos trabalhadores em todos os esquemas. Verificou-se também que os trabalhadores que apresentavam irregularidades nas atividades diárias eram os mais estressados. Por outro lado, os esquemas de turnos foram considerados mais ansiogênicos e associados à qualidade do sono ruim. Constatou-se que os trabalhadores com qualidade de sono ruim eram os que apresentavam maiores níveis de ansiedade disposicional. Não foi encontrada associação entre irregularidade e qualidade de sono ruim. Dessa forma, sugere-se que os esquemas de turno não são determinantes para as alterações circadianas, mas as respostas dos indivíduos aos esquemas de turnos; e que as alterações homeostáticas seriam moduladas pelas características de personalidade que levam a estratégias comportamentais inadequadas para lidar com os efeitos dos esquemas de turnos. Conclui-se que estratégias individuais relacionadas ao enfretamento dotrabalho em turno (adaptação e tolerância) devem ser preconizadas como ferramenta indispensável na avaliação ergonômica do trabalhopor
dc.publisher.departmentEstudos de Comportamento; Psicologia Fisiológicapor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::FISIOLOGIApor
Appears in Collections:PPGPSICO - Doutorado em Psicobiologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
KatieMA.pdf1,48 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.