Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/22786
Title: Caracterização molecular do Trypanosoma cruzi isolado de pacientes chagásicos, triatomíneos e reservatórios silvestres procedentes do semiárido do Estado do Rio Grande do Norte
Authors: Martins, Kiev
Keywords: Trypanosoma cruzi I e III;doença de Chagas crônica;formas clínicas;diversidade genética
Issue Date: 23-May-2014
Citation: MARTINS, Kiev. Caracterização molecular do Trypanosoma cruzi isolado de pacientes chagásicos, triatomíneos e reservatórios silvestres procedentes do semiárido do Estado do Rio Grande do Norte. 2014. 85f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.
Portuguese Abstract: Trypanosoma cruzi, o agente etiológico da doença de Chagas, é subdividido em seis unidades de tipagem distintas (DTUs) e a DTU II é a mais comum em indivíduos infectados no Brasil. Este trabalho teve como objetivo a caracterização genética de populações do T. cruzi que circulam em diferentes hospedeiros procedentes de vários municípios do semiárido do Estado do Rio Grande do Norte e verificar a sua associação aos ciclos de transmissão do parasito e as formas clínicas dos pacientes infectados. Os isolados do T. cruzi foram obtidos por hemocultura para seres humanos e xenocultura para mamíferos silvestres e triatomíneos. Estes isolados foram caracterizados molecularmente usando os marcadores genéticos: 24SαrRNA, a subunidade 2 do gene mitocondrial citocromo oxidase (COII), e a região do o espaçador intergênico (SL-IRac). Os pacientes sororreativos para T. cruzi foram examinados e as formas clínicas caracterizadas de acordo com exames especializados. A identidade genética do T. cruzi foi analisada em 16 de pacientes chagásicos com diferentes formas clínicas, dois do Panstrongylus lutzi, um Galea spixii e um Euphractus sexcinctus. As DTUs I e III do T. cruzi foram identificadas respectivamente, em 37,5% (6/16) e 18,7% (3/16) dos pacientes e a DTU II em 43,8% (7/16) deles. A DTU III também foi identificada em P. lutzi, G. spixii e E. sexcinctus. TcI e TcII foram isolados de pacientes com formas clínicas cardíaca, digestiva e indeterminada, enquanto o TcIII foi identificado apenas em pacientes com a forma clínica indeterminada. A ocorrência dessas DTUs revelou notável diversidade filogenética entre os isolados do T. cruzi e o TcIII foi identificado em humanos pela primeira vez no nordeste brasileiro. Esses achados podem representar uma sobreposição dos ciclos de transmissão peridomiciliar e silvestre do parasito e contribuir para a compreensão da dinâmica populacional do T. cruzi e a doença fornecendo suporte aos programas de controle nessa área endêmica.
Abstract: Trypanosoma cruzi, o agente etiológico da doença de Chagas, é subdividido em seis unidades de tipagem distintas (DTUs) e a DTU II é a mais comum em indivíduos infectados no Brasil. Este trabalho teve como objetivo a caracterização genética de populações do T. cruzi que circulam em diferentes hospedeiros procedentes de vários municípios do semiárido do Estado do Rio Grande do Norte e verificar a sua associação aos ciclos de transmissão do parasito e as formas clínicas dos pacientes infectados. Os isolados do T. cruzi foram obtidos por hemocultura para seres humanos e xenocultura para mamíferos silvestres e triatomíneos. Estes isolados foram caracterizados molecularmente usando os marcadores genéticos: 24SαrRNA, a subunidade 2 do gene mitocondrial citocromo oxidase (COII), e a região do o espaçador intergênico (SL-IRac). Os pacientes sororreativos para T. cruzi foram examinados e as formas clínicas caracterizadas de acordo com exames especializados. A identidade genética do T. cruzi foi analisada em 16 de pacientes chagásicos com diferentes formas clínicas, dois do Panstrongylus lutzi, um Galea spixii e um Euphractus sexcinctus. As DTUs I e III do T. cruzi foram identificadas respectivamente, em 37,5% (6/16) e 18,7% (3/16) dos pacientes e a DTU II em 43,8% (7/16) deles. A DTU III também foi identificada em P. lutzi, G. spixii e E. sexcinctus. TcI e TcII foram isolados de pacientes com formas clínicas cardíaca, digestiva e indeterminada, enquanto o TcIII foi identificado apenas em pacientes com a forma clínica indeterminada. A ocorrência dessas DTUs revelou notável diversidade filogenética entre os isolados do T. cruzi e o TcIII foi identificado em humanos pela primeira vez no nordeste brasileiro. Esses achados podem representar uma sobreposição dos ciclos de transmissão peridomiciliar e silvestre do parasito e contribuir para a compreensão da dinâmica populacional do T. cruzi e a doença fornecendo suporte aos programas de controle nessa área endêmica.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22786
Appears in Collections:PPGCF - Mestrado em Ciências Farmacêuticas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
CaracterizacaoMolecularTrypanosoma_Martins_2014.pdf2,28 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.