Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/22875
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorAraujo, Maria Arlete Duarte de-
dc.contributor.authorMelo, Carolina de Sousa Martins-
dc.date.accessioned2017-05-11T16:35:26Z-
dc.date.available2017-05-11T16:35:26Z-
dc.date.issued2016-06-01-
dc.identifier.citationMELO, Carolina de Sousa Martins. Gestão de unidades de conservação da mata atlântica do Rio Grande do Norte à luz da gestão participativa. 2016. 160f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22875-
dc.description.abstractO objetivo geral de pesquisa é compreender se as práticas de gestão de Unidades de Conservação na Mata Atlântica do Rio Grande do Norte podem ser configuradas como práticas participativas de gestão. Será utilizado o referencial teórico sobre participação, com o foco na operacionalização da participação, retrantando os aspectos sobre como colocar em prática a participação. O lócus de pesquisa foram as unidades APA Piquiri-Uma e Parque das Dunas do Natal. O presente estudo assume o interacionismo simbólico como postura teórica. É uma pesquisa com abordagem qualitativa do tipo exploratória e descritiva. A pesquisa utilizou as seguintes técnicas de coleta de dados: entrevista semiestruturada, observação não participante estruturada e questionário. Os sujeitos foram os gestores das unidades e os membros do Conselho Gestor. A partir da análise do modelo gestão de UC proposto, concluiu-se que em ambas as unidades estudadas há práticas de gestão que podem ser configuradas como práticas participativas de gestão. No entanto, a APA Piquiri-Una possui mais práticas participativas ao definir regras de conservação, na educação da população e no monitoramento e feedback e uma estratégia inovadora para alcançar recursos financeiros em comparação ao Parque das Dunas, que por criar recentemente o conselho gestor e mecanismos participativos, se encontra em um processo inicial de inserção da participação em suas atividades. Conclui-se que a participação pode ser em ambas as unidades melhor trabalhada e desenvolvida, inserindo-a em novas práticas.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectGestão participativapt_BR
dc.subjectUnidades de Conservaçãopt_BR
dc.subjectSNUCpt_BR
dc.titleGestão de unidades de conservação da mata atlântica do Rio Grande do Norte à luz da gestão participativapt_BR
dc.typemasterThesispt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUFRNpt_BR
dc.publisher.programPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃOpt_BR
dc.contributor.authorIDpt_BR
dc.contributor.advisorIDpt_BR
dc.contributor.referees1Sano, Hironobu-
dc.contributor.referees1IDpt_BR
dc.contributor.referees2Araújo, Richard Medeiros de-
dc.contributor.referees2IDpt_BR
dc.description.resumoO objetivo geral de pesquisa é compreender se as práticas de gestão de Unidades de Conservação na Mata Atlântica do Rio Grande do Norte podem ser configuradas como práticas participativas de gestão. Será utilizado o referencial teórico sobre participação, com o foco na operacionalização da participação, retrantando os aspectos sobre como colocar em prática a participação. O lócus de pesquisa foram as unidades APA Piquiri-Uma e Parque das Dunas do Natal. O presente estudo assume o interacionismo simbólico como postura teórica. É uma pesquisa com abordagem qualitativa do tipo exploratória e descritiva. A pesquisa utilizou as seguintes técnicas de coleta de dados: entrevista semiestruturada, observação não participante estruturada e questionário. Os sujeitos foram os gestores das unidades e os membros do Conselho Gestor. A partir da análise do modelo gestão de UC proposto, concluiu-se que em ambas as unidades estudadas há práticas de gestão que podem ser configuradas como práticas participativas de gestão. No entanto, a APA Piquiri-Una possui mais práticas participativas ao definir regras de conservação, na educação da população e no monitoramento e feedback e uma estratégia inovadora para alcançar recursos financeiros em comparação ao Parque das Dunas, que por criar recentemente o conselho gestor e mecanismos participativos, se encontra em um processo inicial de inserção da participação em suas atividades. Conclui-se que a participação pode ser em ambas as unidades melhor trabalhada e desenvolvida, inserindo-a em novas práticas.pt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAOpt_BR
Appears in Collections:PPGA - Mestrado em Administração

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
GestãoUnidadesConservação_Melo_2016.pdf3,2 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.