Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13297
Título: Imunoglobulina e e eosinófilos em crianças de área tropical, infectadas por ascaris lumbricoides
Autor(es): Silva, Edna Marques de Araújo
Palavras-chave: Ascaris lumbricoides. Imunoglobulina E. Imunidade adaptativa. Resposta Th2. Eosinófilos
Data do documento: 20-Ago-2013
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: SILVA, Edna Marques de Araújo. Imunoglobulina e e eosinófilos em crianças de área tropical, infectadas por ascaris lumbricoides. 2013. 71 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.
metadata.dc.description.resumo: Este trabalho objetivou estudar a imunoglobulina E total e específica para A. lumbricoides e eosinófilos em crianças de área endêmica, a fim de avaliar a resposta imune do tipo Th2 e relacionar os dados obtidos com a idade, sexo e intensidade da infecção numa população formada por 205 crianças com faixa etária de 1 a 10 anos, de ambos os sexos e baixo nível socioeconômico. Foram analisadas amostras fecais das crianças, pelos métodos de Blagg e Cols. e Kato-katz, determinadas as dosagens séricas de IgE total, IgE específica para A. lumbricoides, pelo método ImmunoCAP e realizada a contagem relativa de eosinófilos no sangue periférico. Os resultados revelaram uma ocorrência de 182 (88,8 %) para enteroparasitas, 168 (81,9%) para helmintos intestinais e 140 (68,3%) para A. lumbricoides. A mediana dos níveis séricos de IgE total e específica e o número de eosinófilos se apresentaram acima dos valores de referência padrão (mediana 480 kU/L, 0,74 kU/L e 8 %). Ocorreu uma diferença significante nos níveis de IgE total, IgE específica e no número de eosinófilos entre as crianças parasitadas por A. lumbricoides e as não parasitadas (p = 0,02; <0,01; < 0,03), no entanto, estes, não apresentaram diferença significativa com a idade e sexos das crianças e intensidade da infecção.Houve uma correlação positiva entre os níveis de IgE total e IgE específica (r = 0,55). Concluímos, portanto, que a infecção por enteroparasitas, em especial para o A. lumbricoides, induziu uma resposta imune do tipo Th2 com produção de IgE total e específica e eosinófilos nas crianças infectadas
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13297
Aparece nas coleções:PPGCSA - Doutorado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
EdnaMAS_TESE.pdf794,2 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.