Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13591
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorPaiva, Irene Alves dept_BR
dc.contributor.authorMara, Eduardopt_BR
dc.date.accessioned2014-12-17T14:19:55Z-
dc.date.available2010-08-30pt_BR
dc.date.available2014-12-17T14:19:55Z-
dc.date.issued2009-09-28pt_BR
dc.identifier.citationMARA, Eduardo. Em busca do tempo partido: a consciência histórica e o MST. 2009. 114 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional; Cultura e Representações) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13591-
dc.description.abstractThe work that follows is dedicated to the study of the historic time experience by the political militancy from our time. The political militant from the left-wing is the one that denies the state of current things, recovering a historic experience located far before its time and projecting a future beyond the incessant reproduction of the present relations. We chosen the Landless Workers Movement, not as study object, but as specific place where this consciousness is made and can be comprehended. The historic consciousness study of the landless militancy is, for us, the best starting point to understand the magnification of the historical time operated on the change of social relations lived inside an organization. The time division between before and after, as well as the history being understood as a progress isn t a natural given data, but a construction that obeys the contradictions of the present. It, therefore, must understand how the present lived by the militancy operates changes on the consciousness of time. From documents, reference books, formation notebooks and several materials produced by MST, we try to understand the way that the movement tells his history and lists with this wider experience of the struggle for the change of the current social order. Similarly, when we hear reports of history of several militants, we try to comprehend how this wider narrative re-orients the sight over history himself, over the experience of contradictions on before and after making the landless militanteng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superiorpt_BR
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal do Rio Grande do Nortepor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectMilitânciapor
dc.subjectTemporalidadepor
dc.subjectConsciênciapor
dc.subjectHistóriapor
dc.subjectMSTpor
dc.subjectMilitancyeng
dc.subjectConsciousnesseng
dc.subjectHistoryeng
dc.subjectMSTeng
dc.subjectTemporalityeng
dc.titleEm busca do tempo partido: a consciência histórica e o MSTpor
dc.typemasterThesispor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsUFRNpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Sociaispor
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/2141719233532645por
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/7842254018559167por
dc.contributor.referees1Vitullo, Gabriel Eduardopt_BR
dc.contributor.referees1Latteshttp://lattes.cnpq.br/0274943582470997por
dc.contributor.referees2Rojas, Gonzalo Adrianpt_BR
dc.contributor.referees2Latteshttp://lattes.cnpq.br/7244600311946748por
dc.description.resumoO trabalho que segue dedica-se ao estudo da vivência do tempo histórico pela militância política de nosso tempo. O militante político de esquerda é aquele que nega o estado de coisas vigente recuperando uma experiência histórica situada muito antes de seu tempo e projetando um futuro para além da reprodução incessante das relações do presente. Escolhemos o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, não como objeto de estudo, mas como local específico onde essa consciência é formada e pode ser compreendida. O estudo da consciência histórica da militância sem terra é, para nós, o melhor ponto de partida para entendermos a ampliação do tempo histórico operada na mudança das relações sociais vividas dentro de uma organização. A divisão do tempo entre um antes e um depois, bem como a história entendida como progresso não é um dado natural, mas uma construção que obedece às contradições do presente. Trata-se, portanto, de entender como o presente vivido pela militância opera mudanças na consciência do tempo. A partir de documentos, livros de referência, cadernos de formação e diversos materiais produzidos pelo MST, buscamos entender a forma como o movimento conta a sua história e a relaciona com essa experiência mais ampla da luta pela terra e da luta pela mudança da ordem social vigente. Da mesma forma, ao ouvirmos os relatos da história de diversos militantes, buscamos compreender como essa narrativa mais ampla re-orienta o olhar sobre a própria história, sobre a vivência das contradições no antes e depois do fazer-se militante sem terrapor
dc.publisher.departmentDesenvolvimento Regional; Cultura e Representaçõespor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADASpor
Aparece nas coleções:PPGCS - Mestrado em Ciências Sociais

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
EDuardoM_DISSERT.pdf745,15 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.