Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13773
Título: Estrutura econômica, mercado de trabalho e evolução sócio-ocupacional no Rio Grande do Norte 2001 a 2008: reflexo de uma condição mercantil e estruturalmente periférica
Autor(es): Fernandes, Kaio César
Palavras-chave: Estrutura Econômica;Mercado de Trabalho;Divisão Sócio-Ocupacional;Capital Mercantil.;Economic status;Labour market;Social and Occupational Division;Commercial capital.
Data do documento: 30-Set-2011
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: FERNANDES, Kaio César. Estrutura econômica, mercado de trabalho e evolução sócio-ocupacional no Rio Grande do Norte 2001 a 2008: reflexo de uma condição mercantil e estruturalmente periférica. 2011. 246 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional; Cultura e Representações) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.
Resumo: The aim of this thesis was to investigate the evolution of the socio-occupational status in Rio Grande do Norte from 2001 to 2008, based on the characterization of the socio-economic status of this State from the analysis of labor market norte-rio-grandense . The study, specifically, drew a comparison between the dynamics of the labor market in Rio Grande do Norte and the capital city, Natal. From this perspective, the purpose was to make a relationship between the social division of labor and its effects on the socio-spatial division, represented in the "macro scale" by the federal unit and the "micro level" for the capital; locus of economic and population concentration. The collection of data on the labor market had as a major source PNAD/IBGE, characterizing the labor market in many ways: people of working age, economically active population and employed and unemployed people, classified by age, sex, color, education, income and social protection condition. However, as for the socio-occupational division, we follow the methodology used by the research group on national television, based in IPPUR /UFRJ, called Monitoring of the Metropolis," which rallied twenty-four groups that aggregate the occupations found in the PNAD/IBGE, in eight groups of socio-occupational categories, according to the similarity between them. It was used in the socio-spatial cutting two relevant discussions, which are inter-related and were characterized as crucial points in developing the research problem: the former was related to the influence of the hegemony of merchant capital in the labor market in Rio Grande North and, the latter, it referred the socio-economic relations between the territory and the variable occupation. Lastly, the results all indicated that in Rio Grande do Norte, as a peripheral state, has suffered the devastating influence of the hegemony of capital purely commercial basis, where "wealth" of capitalism is generated through the sphere of mere movement of goods and services rather than a productive process due to the social relations of production more advanced. We have a little advanced economic structure, with a tertiary sector that has propagated under-employment or disguised unemployment. Similarly, the agricultural sector has been presented as an example of greater social degradation of working conditions in the state. The secondary sector, in turn, also was not behind this uncertainty; on the contrary, confirmed that condition, with poor levels of income, low education of the workforce and a high degree of social helplessness, even in the state capital, space full urban area, which although always appear with a favorable condition compared to Province, in practically most of the variables studied, was also reflected at the same time the author of a structurally underdeveloped condition
metadata.dc.description.resumo: O objetivo da tese foi verificar a evolução da estrutura sócio-ocupacional no Rio Grande do Norte no período de 2001 a 2008, tendo por base a caracterização da estrutura sócio-econômica do estado a partir da análise do mercado de trabalho norte-rio-grandense. O estudo, mais especificamente, traçou um comparativo entre a dinâmica do mercado de trabalho no Rio Grande do Norte com a da capital, Natal. A finalidade a partir dessa perspectiva foi fazer uma relação entre a divisão social do trabalho e seus efeitos sobre a divisão sócio-espacial, representado na escala macro pela unidade federativa e na escala micro pela capital; lócus de concentração econômica e populacional. A coleta de dados sobre o mercado de trabalho teve como fonte principal de pesquisa a PNAD/IBGE, caracterizando o mercado de trabalho em diversos aspectos: pessoas em idade ativa, população economicamente ativa e pessoas ocupadas e desocupadas, classificadas por faixa de idade, sexo, cor, escolaridade, renda e condição de proteção social. Porém, quanto a divisão sócio-ocupacional, seguimos a metodologia utilizada pelo grupo de pesquisa em rede nacional, com sede no IPPUR/UFRJ, denominado de Observatório das Metrópoles , que reagrupou vinte quatro grupos que agregam as ocupações encontradas na PNAD/IBGE, em oito grupos de categorias sócio-ocupacionais, segundo a semelhança existentes entre elas. Utilizou-se no corte sócio-espacial duas discussões relevantes, que se inter-relacionaram e se caracterizaram como pontos cruciais na elaboração da problemática de pesquisa: a primeira, foi em relação à influência da hegemonia do capital mercantil no mercado de trabalho no Rio Grande do Norte e, a segunda, se referiu justamente à relação sócio-econômica entre o território e a variável ocupação. Finalmente, quanto aos resultados obtidos, tudo nos indicou que o Rio Grande do Norte, como um estado periférico, sofre a influência devastadora da hegemonia do capital de base meramente mercantil, onde a riqueza do capitalismo é gerada por meio da esfera da mera circulação de mercadorias e serviços e não de um processo produtivo decorrente de relações sociais de produção mais avançadas. Temos uma estrutura econômica pouca avançada, com um setor terciário que propaga sub-empregos ou desempregos disfarçados. Da mesma forma, o setor agrícola se apresentou como exemplo maior de degradação social das condições trabalhistas no estado. O setor secundário, por sua vez, também não ficou atrás dessa precarização, muito pelo contrário, ratificou aquela condição, com precários níveis de rendimentos, baixa escolarização da mão de obra e elevado grau de não proteção social; mesmo na capital do estado, espaço plenamente urbano, que apesar de aparecer sempre com uma condição favorável em comparação a unidade federativa, em praticamente boa parte das variáveis estudadas, foi também reflexo e ao mesmo tempo autora de uma condição estruturalmente subdesenvolvida.
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13773
Aparece nas coleções:PPGCS - Doutorado em Ciências Sociais

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
KaioCF_TESE.pdf2,01 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.