Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14662
Título: Caracterização do acidente de trânsito e gravidade do trauma: um estudo em vítimas de um hospital de emergência de Natal
Título(s) alternativo(s): Characterization of traffic accident and trauma severity: a study on victims in a Natal/RN Emergency Hospital Natal/RN
Autor(es): Ramos, Cristiane da Silva
Palavras-chave: Causas externas;Acidentes de trânsito;Trauma;Enfermagem;External causes;Traffic accidents;Trauma;Nursing
Data do documento: 24-Abr-2008
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: RAMOS, Cristiane da Silva. Characterization of traffic accident and trauma severity: a study on victims in a Natal/RN Emergency Hospital Natal/RN. 2008. 133 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.
Resumo: Descriptive exploratory study, with quantitative approach and prospective data performed on the Monsenhor Walfredo Gurgel Hospital Complex (MWGH), in Natal/RN, aiming to classify the type of motor vehicle involved in the accident, the public roadway s user quality and the more frequent injuries; to evaluate the severity of trauma in traffic accident victims; characterized the severity of the injuries and the trauma, and the type of motor vehicle involved. The population comprises 605 traffic accident victims, with data collected between October and December 2007. We used as a support for the evaluation of severity of injuries and trauma the Glasgow Coma Scale (GCSl), the Condensed Abbreviated Injury Scale (CAIS) and the Injury Severity Score (ISS). The results show that 82.8% of the victims were male; 78.4% were aged 18 to 38; the victims originating from the State s Countryside prevailed (43.1%); 24.3% of the population had completed middle-level instruction; 23.1% worked on commerce and auxiliary activities; most (79.4%) was catholic; 48.8% were married/consensual union; 76.2% earned up to two monthly minimum wages; Sunday was the day with the most accidents (25.1%); 47.4% were attended to in under an hour after the event; the motorcycle on its own was responsible for 53.2% of the accidents; 42.3% were attended to by the SAMU; 61.8% were victims of crashes; over half (53.4%) used individual protection equipment (IPE); 49.4% were helmets and 4.0% the seatbelt; 61.3% were motorcycle drivers; 43.3% of the accidents took place in the afternoon shift; from 395 drivers, 55.2% were licensed, and 50.7% among those had been licensed for 1 to 5 years; 90.7% of the victims had GCS1 between 13 and 15 points at the time of evaluation; the body area most affected was the external surface (35.9%); 38.8% of the injuries were light or moderate (AIS=1 and AIS=2); 83.2% had light trauma (ISS between 1 and 15 points). In face of the results, we can conclude that there is a risk for the elevation of injury severity and trauma resulting from traffic accidents, when these events are related to certain variables such as gender, age, weekday, the interval between the accident and the first care, ingestion of drugs, type of accident, the public roadway s user quality, the use of IPE, day shift, body regions and the type of motor vehicle involved in the accident
metadata.dc.description.resumo: Estudo exploratório descritivo, com abordagem quantitativa e dados prospectivos realizado no Complexo Hospitalar Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG), Natal/RN, com vistas a classificar o tipo de veículo a motor envolvido no acidente, a qualidade do usuário da via pública e as lesões mais freqüentes; avaliar a gravidade do trauma em vítimas de acidente trânsito; caracterizar a gravidade do trauma e das lesões e o tipo de veículo a motor envolvido. A população constou de 605 vítimas de acidentes de trânsito, com dados coletados de outubro a dezembro de 2007. Utilizamos com suporte na avaliação da gravidade das lesões e do trauma a Escala de Coma Glasgow (ECGl) e o Condensed Abbreviated Injury Scale (CAIS) e o Injure Severity Score. Os resultados mostram que 82,8% das vítimas eram do sexo masculino; 78,4% tinham entre 18 e 38 anos; prevaleceram as vítimas advindas do Interior do Estado (43,1%); 24,3% da população possuíam o nível de médio completo; 23,1% trabalhavam no comércio e em atividades auxiliares; a maioria (74,9%) era católica; 48,8% eram casada/união consensual; 76,2% ganhavam no máximo dois salários mínimos mensais; o domingo foi o dia com maior número de acidentes (25,1%); 47,4% foram atendidas com menos de 1h após o evento; a motocicleta isoladamente, foi responsável por 53,2% dos acidentes; 42,3% foram atendidas pelo SAMU; 61,8% eram vítimas de colisão; mais da metade (53,4%) utilizaram equipamento de proteção individual; 49,4% usavam o capacete e 4,0%, o cinto de segurança; 61,3% eram condutores de moto; 43,3% dos acidentes aconteceram no turno da tarde; dos 395 condutores, 55,2% possuíam habilitação, e destes 50,7% tinham entre 1 e 5 anos de habilitação; 90,7% das vítimas tinham ECGl entre 13 e 15 pontos na hora da avaliação; a região corpórea mais atingida foi a superfície externa (35,9%); 38,8% das lesões foram do tipo leve e moderada (AIS 1 e AIS 2); 83,2% apresentaram trauma leve (ISS entre 1 e 15 pontos). Diante dos resultados podemos concluir que a presença de alguns fatores de risco, quando associados à direção de veículos, contribuem para o agravamento das lesões e do trauma decorrentes dos AT s, como: sexo, idade, dia da semana, intervalo de tempo entre o acidente e o atendimento à vítima, a ingestão de drogas, tipo de acidente, qualidade do usuário da via pública, uso de EPI, turno do dia, região corpórea atingida e o tipo de veículo a motor envolvido
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14662
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CristianeSR.pdf958,79 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.