Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22222
Título: Análise do padrão e qualidade do sono com a qualidade de vida dos enfermeiros nos turnos hospitalares
Título(s) alternativo(s): Analysis of the pattern and quality of sleep with the quality of life of nurses in hospital shifts
Autor(es): Viana, Maria Cléia de Oliveira
Palavras-chave: Sono;Turnos de trabalho;Enfermeiros;Ritmos circadianos;Qualidade de vida
Data do documento: 29-Set-2016
Referência: VIANA, Maria Cléia de Oliveira. Análise do padrão e qualidade do sono com a qualidade de vida dos enfermeiros nos turnos hospitalares. 2016. 100f. Tese (Doutorado em Enfermagem na Atenção à Saúde) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Abstract: Objetivou-se analisar a qualidade de vida e o padrão e qualidade do sono dos enfermeiros nos turnos hospitalares. Trata-se de um estudo com abordagem quantitativa, de corte transversal, descritivo. O estudo foi desenvolvido no Hospital Universitário do Rio Grande do Norte. Os dados foram coletados no período de janeiro a setembro de 2015, com utilização dos instrumentos: Questionário de Informações Pessoais e Profissionais, Índice de qualidade de sono de Pittsburgh, Formulário para avaliação do ciclo vigília-sono - Modificado por De Martino (1996), Questionário de Identificação de Indivíduos Matutinos e Vespertinos elaborado por Horne & Östberg (1976) e Questionário de Qualidade de Vida (WHOQOL-BREF). Foram pesquisados 104 enfermeiros nos seus turnos de trabalho. Após serem codificados e tabulados, os dados foram analisados por meio do programa SPSS versão 20.0. Para a descrição das variáveis nominais utilizou-se a distribuição em números relativos e absolutos em tabelas de contingências, e as variáveis contínuas foram utilizadas medidas de tendência central (média e mediana), dispersão (desvio padrão), teste de Mann-Whitney e Correlação de Spearmann, e adotado nível de significância p ≤ 0,05 e apresentados em tabelas, quadros e figuras. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, sob o Parecer nº 751.567. Os resultados apontam um perfil sociodemográfico de 65,1% enfermeiros que atuavam no turno diurno e 38,5% no noturno; 90,4% sexo feminino, 73% na faixa etária entre 24 a 45 anos, 65,4% atuavam no âmbito hospitalar e 55,8% tinham um vínculo empregatício. Quanto ao cronotipo destacaram-se o Indiferente (44,2%) e Moderadamente Matutino (34,6%) entre os pesquisados, não tendo diferença significativa entre os turnos de trabalho (p=0,985). Quanto às características do padrão do sono dos enfermeiros em sete dias consecutivos, verificou-se melhores escores médios nos enfermeiros que atuavam no diurno em todos os parâmetros (Tempo de cochilo, Latência, Horas dormidas, Sensação ao acordar e Qualidade do sono) quando comparados com os trabalhadores noturnos, demonstrando diferenças significativas (p ≤ 0,05). Em todos os índices de qualidade do sono de Pittsburgh (Qualidade subjetiva, Latência, Duração, Eficiência, Distúrbios, Uso de medicação para dormir, Sonolência e distúrbios diurno e Pontuação global PSQI) foram melhores nos enfermeiros do diurno, e significativamente, na duração (p=0,031) e pontuação global (p=0,013), quando comparados aos trabalhadores do noturno. A qualidade de vida em todos os domínios (Funcional, Psicológico, Social e Ambiente) e no geral dos enfermeiros do diurno foi melhor do que o que trabalhavam no noturno, e significativamente, no domínio social (p=0,014) e pontuação geral (p=0,024). Concluiu-se que os enfermeiros que trabalham no diurno apresentaram padrão e qualidade sono e qualidade de vida melhores que os profissionais que atuavam no noturno, refurta-se a hipótese nula (H0) e aceita a alternativa (H1) ao afirmar que o padrão e qualidade do sono altera a qualidade de vida dos enfermeiros nos turnos hospitalares.
Resumo: Objetivou-se analisar a qualidade de vida e o padrão e qualidade do sono dos enfermeiros nos turnos hospitalares. Trata-se de um estudo com abordagem quantitativa, de corte transversal, descritivo. O estudo foi desenvolvido no Hospital Universitário do Rio Grande do Norte. Os dados foram coletados no período de janeiro a setembro de 2015, com utilização dos instrumentos: Questionário de Informações Pessoais e Profissionais, Índice de qualidade de sono de Pittsburgh, Formulário para avaliação do ciclo vigília-sono - Modificado por De Martino (1996), Questionário de Identificação de Indivíduos Matutinos e Vespertinos elaborado por Horne & Östberg (1976) e Questionário de Qualidade de Vida (WHOQOL-BREF). Foram pesquisados 104 enfermeiros nos seus turnos de trabalho. Após serem codificados e tabulados, os dados foram analisados por meio do programa SPSS versão 20.0. Para a descrição das variáveis nominais utilizou-se a distribuição em números relativos e absolutos em tabelas de contingências, e as variáveis contínuas foram utilizadas medidas de tendência central (média e mediana), dispersão (desvio padrão), teste de Mann-Whitney e Correlação de Spearmann, e adotado nível de significância p ≤ 0,05 e apresentados em tabelas, quadros e figuras. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, sob o Parecer nº 751.567. Os resultados apontam um perfil sociodemográfico de 65,1% enfermeiros que atuavam no turno diurno e 38,5% no noturno; 90,4% sexo feminino, 73% na faixa etária entre 24 a 45 anos, 65,4% atuavam no âmbito hospitalar e 55,8% tinham um vínculo empregatício. Quanto ao cronotipo destacaram-se o Indiferente (44,2%) e Moderadamente Matutino (34,6%) entre os pesquisados, não tendo diferença significativa entre os turnos de trabalho (p=0,985). Quanto às características do padrão do sono dos enfermeiros em sete dias consecutivos, verificou-se melhores escores médios nos enfermeiros que atuavam no diurno em todos os parâmetros (Tempo de cochilo, Latência, Horas dormidas, Sensação ao acordar e Qualidade do sono) quando comparados com os trabalhadores noturnos, demonstrando diferenças significativas (p ≤ 0,05). Em todos os índices de qualidade do sono de Pittsburgh (Qualidade subjetiva, Latência, Duração, Eficiência, Distúrbios, Uso de medicação para dormir, Sonolência e distúrbios diurno e Pontuação global PSQI) foram melhores nos enfermeiros do diurno, e significativamente, na duração (p=0,031) e pontuação global (p=0,013), quando comparados aos trabalhadores do noturno. A qualidade de vida em todos os domínios (Funcional, Psicológico, Social e Ambiente) e no geral dos enfermeiros do diurno foi melhor do que o que trabalhavam no noturno, e significativamente, no domínio social (p=0,014) e pontuação geral (p=0,024). Concluiu-se que os enfermeiros que trabalham no diurno apresentaram padrão e qualidade sono e qualidade de vida melhores que os profissionais que atuavam no noturno, refurta-se a hipótese nula (H0) e aceita a alternativa (H1) ao afirmar que o padrão e qualidade do sono altera a qualidade de vida dos enfermeiros nos turnos hospitalares.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22222
Aparece nas coleções:PPGE - Doutorado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MariaCleiaDeOliveiraViana_TESE.pdf774,29 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.