Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/23483
Título: Efeito de ligantes do receptor da nociceptina/orfanina FQ no comportamento agressivo de camundongos machos
Autor(es): Silva, Epifanio Fernandes da
Palavras-chave: Agressividade;Camundongo;Nociceptina/orfanina FQ;Receptor NOP;Teste residente-intruso;Ro 65-6570;AT-090;SB-612111
Data do documento: 23-Fev-2017
Citação: SILVA, Epifanio Fernandes da. Efeito de ligantes do receptor da nociceptina/orfanina FQ no comportamento agressivo de camundongos machos. 2017. 62f. Dissertação (Mestrado em Biologia Estrutural e Funcional) - Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Resumo: INTRODUCTION: Several species including humans display aggressive behavior. However, violence and impulsivity related to aggressiveness represent a social problem. Indeed, aggressive behavior can be considered symptoms of many psychiatric disorders. Some of the brain areas involved in aggression include amygdala, hypothalamus, and prefrontal cortex. Aggressiveness is modulated by different neurotransmitters, such as serotonin, dopamine, noradrenaline and GABA. These systems represent the therapeutic targets available to treat aggressiveness. The nociceptin/orphanin FQ (N/OFQ) is a heptadecapeptide acting as endogenous ligand of NOP receptor. Clinical and preclinical findings suggest the involvement of N/OFQ – NOP receptor system with psychiatric disorders, including those related to aggressiveness. AIM: This study investigated the effects of standard drugs as well as NOP receptor ligands on aggressiveness in mice submitted to the resident-intruder test. METHODS: Male Swiss mice were used to develop this study. Valproate 300 mg/kg, Lithium 50 mg/kg, Carbamazepine 20 mg/kg, and Diazepam 1 mg/kg were used as standard drugs. The NOP ligands Ro 65-6570 (0.01 – 1 mg/kg), full agonist, AT-090 (0,01 – 0,1 mg/kg), partial agonist, and SB-612111 (1 – 10 mg/kg), antagonist, were used. In the resident-intruder test, male mice were housed individually for 7 days (residents) before the experiment. The aggressiveness of each resident mouse was tested twice, at 8th and 11th days, by inserting an intruder mouse in the resident cage for 10 min. Day 8 of experiment, the basal aggressiveness of resident mice was recorded without pharmacological treatment; Day 11 of experiment, the same mouse was re-tested after being treated. The open field was used to evaluated the spontaneous locomotor activity . RESULTS: Valproate, Lithium, and Carbamazepine reduced the aggressive behavior of resident mice, while Diazepam did not affect the agressiveness. Ro 65-6570 (at all doses) and AT-090 (at the highest dose), increased aggressiveness. The partial agonist, AT-090, at lowest doses, slightly reduced aggressive behavior. The treatment with SB-61211 did not modified the aggressive behavior of mice. None of the treatments affected the locomotor activity. CONCLUSION: Standard drugs used in therapy for psychiatric disorders were effective on aggressiveness control in the resident mice. In contrast, the activation of NOP receptor tends to increase the aggressive behavior, while the blockade of this signal did not modify this behavior. Ultimately, these data suggest that NOP agonists could increase aggressive behavior as an adverse event.
metadata.dc.description.resumo: INTRODUÇÃO: A agressividade é um comportamento comum a diversas espécies animais, incluindo humanos. Entretanto, a violência e a impulsividade, associadas à agressividade, são um problema social e podem ser consideradas patológicas, pois estão presentes em vários transtornos psiquiátricos. Diversas áreas encefálicas estão associadas à expressão do comportamento agressivo, como a amígdala, hipotálamo e córtex pré-frontal. Vários sistemas de neurotransmissão estão mediando o comportamento agressivo, dentre eles: serotonina, dopamina, noradrenalina e GABA. De maneira geral, os alvos terapêuticos disponíveis para controle da agressividade modulam a função dos sistemas de neurotransmissores acima. A nociceptina/orfanina FQ (N/OFQ) é um heptadecapeptídeo que atua como ligante do receptor NOP. Evidências clínicas e pré-clínicas mostram o envolvimento do sistema N/OFQ – receptor NOP com transtornos psiquiátricos, incluindo aqueles nos quais a agressividade está associada. OBJETIVO: Este trabalho investigou o efeito de fármacos clássicos e ligantes do receptor NOP no comportamento agressivo de camundongos machos, por meio do teste do residente-intruso. MÉTODOS: Foram utilizados camundongos Swiss machos. Valproato 300 mg/kg, Lítio 50 mg/kg, Carbamazepina 20 mg/kg e Diazepam 1 mg/kg foram os fármacos clássicos utilizados nesse estudo. Dentre os ligantes NOP utilizados destacam-se: Ro 65-6570 (0,01 – 1 mg/kg), agonista pleno, AT-090 (0,01-0,1 mg/kg), agonista parcial, SB-612111 (1- 10 mg/kg), antagonista NOP. Para o teste do residente-intruso, camundongos machos foram isolados por 7 dias (residentes). Nos 8° e 11° dia, foram realizadas sessões de avaliação da agressividade, por meio da inserção de um camundongo intruso na caixa do residente por 10 min. No dia 8, a agressividade basal foi avaliada sem qualquer tratamento prévio; no dia 11, o mesmo camundongo residente foi novamente avaliado, após ter recebido o tratamento relativo ao seu grupo experimental. O campo aberto foi utilizado para avaliar o efeito dos fármacos na atividade locomotora. RESULTADOS: Valproato, Lítio, Carbamazepina reduziram o comportamento agressivo no teste do residente-intruso, enquanto que o tratamento com Diazepam não afetou a agressividade dos residentes. A administração de Ro 65-6570 (em todas as doses testadas) e AT-090 (na dose mais alta), aumentou o comportamento agressivo. Já o agonista parcial, AT-090, nas menores doses, reduziu discretamente a agressividade dos residentes. O tratamento com SB-612111 não modificou o comportamento agressivo dos animais. Nenhum dos tratamentos alterou a atividade locomotora dos animais. CONCLUSÃO: Os fármacos clássicos utilizados na clínica para tratamento de transtornos psiquiátricos, os quais incluem sintomas de agressividade, foram eficazes em controlar a agressividade nos camunodngos residentes. Por outro lado, a ativação do receptor NOP tende a aumentar o comportamento agressivo, enquanto que o bloqueio deste sinal não foi modifica este comportamento. Em última análise, com estes dados sugere-se que os agonistas NOP poderiam promover como efeito adverso aumento da agressividade.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/23483
Aparece nas coleções:PGBIOEF - Mestrado em Biologia Estrutural e Funcional

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
EpifanioFernandesDaSilva_DISSERT.pdf1,77 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.