Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/26378
Título: Fatores sociais e ambientais associados com a Leishmaniose Visceral e com a coinfecção LV/HIV-AIDS no Rio Grande do Norte, 1990 a 2014
Autor(es): Lima, Iraci Duarte de
Palavras-chave: Leishmaniose visceral;Coinfecção LV/HIV-AIDS;Mudanças sociais
Data do documento: 15-Dez-2017
Referência: LIMA, Iraci Duarte de. Fatores sociais e ambientais associados com a Leishmaniose Visceral e com a coinfecção LV/HIV-AIDS no Rio Grande do Norte, 1990 a 2014. 2017. 87f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Abstract: Introduction: Visceral leishmaniasis (VL) is a serious disease and the risks of its development are associated with factors related to comorbidity, environmental transformations and socioeconomic aspects of the geographical area of occurrence. The understanding of these factors is crucial for designing intervention measures to control this endemic disease. Objective: to analyze the social and environmental factors associated with Visceral Leishmaniasis and VL/HIV-AIDS coinfection in Rio Grande do Norte (RN), from 1990 to 2014. Methodology: An ecological study was carried out, analyzing the "time", the existence of spatial dependence of social, and environmental factors influencing the incidence of VL. Results: VL started to be reported in the microregions of Natal, Macaíba and Litoral Norte from 1990 to 1994. From 2000 to 2004, it spreaded to other microregions of the State, between 2010 and 2014 to the micro-regions of Mossoró and Açu. At the same time, HIV-AIDS spreaded in the RN and slowly occurred in areas overlapping with VL, favoring the occurrence of VL/HIVAIDS coinfection, from 1990 to 1994 (p=0.0006) and 2010 to 2014 (p=0.0094), respectively. During the study period, a continuous increase in the incidence of VL in males (p=0.05, β=0.003 and R2 =0.398) was observed. There was also a reduction in the annual mean incidence of the disease in the age groups of 0 to 4 years (p <0.000); β = -0.0117; R2 =0.6564) and 5 to 9 years (p<0.0001; β=-0.0042; R2= 0.4740). At the same time, mean annual growth was observed in the age groups from 20 to 39 (p <0.0071, β=0.0071, R2=0.5636) and 40 years and more (p<0.0001; β=0.0105, R 2 =0.8309). It was observed in most of the microregions of the State a tendency to the association between the improvement of the Nutritional State in children under 5 years with the reduction of the incidence of VL in children. It was also observed that improved coverage of BCG (p <0.0001), Polio (p=0.0036) and Measles (p=0.0276) vaccines were associated with a reduction in the incidence of VL in children under 5 years. On the other hand, the increase in the rainfall index influenced the increase in the density of the vector rate, Lu. longipalpis (p<0.000), linear R2 =0.58); which, in turn, promoted an effect on the increase in LV incidence (p=0.002 and R2 =0.438). The incidence of VL was higher in the majority of microregions that presented higher rainfall rates in the study period. The analysis of the social indicators showed that in microregions with low trash collection the incidence of VL is higher. At the same time, it was observed that the incidence of HIV-AIDS is positively associated with better levels of income, education and population density. Conclusion: The study showed a change in the epidemiological profile of LV in the RN where it was observed that better indices of vaccination coverage and improvement of the nutritional state guarantee protection in the clinical form of VL in children. On the other hand, the prevalence of the disease in adult males showed that L. infantum/chagasi as an opportunistic parasite of immunocompromised and contributes to the growth of LV / HIV-AIDS coinfection. At the same time, the association of LV with rainfall indices in areas with low garbage collection coverage shows that the causes in the spatial and temporal variation of the incidence of VL are multifactorial.
Resumo: Introdução: A leishmaniose visceral (LV) é uma doença grave e os riscos de seu desenvolvimento estão associados a fatores relacionados às comorbidades, transformações ambientais e aspectos socioeconômicos da área geográfica de ocorrência. O entendimento desses fatores é determinante para que se possa redesenhar medidas de intervenção para o controle dessa endemia. Objetivo geral: analisar os fatores sociais e ambientais associados com a Leishmaniose Visceral e a coinfecção LV-HIV/AIDS no Rio Grande do Norte (RN), 1990 a 2014. Metodologia: Foi realizado um estudo ecológico, analisando-se no espaço-tempo, a existência de dependência espacial de fatores sociais e ambientais influenciadores na incidência da LV. Resultados: A LV se instalou de forma definida nas microrregiões de Natal, Macaíba e Litoral Norte, no período de 1990 a 1994. Entre 2000 a 2004, se dispersou para outras microrregiões do Estado, se estendendo entre 2010 a 2014 para as microrregiões de Mossoró e Açu. Ao mesmo tempo, o HIV-AIDS se dispersou no RN de forma desordenada, porém estabeleceu áreas de sobreposição com a LV, favorecendo a ocorrência da coinfecção LV/HIV-AIDS, nos períodos de 1990 a 1994 (p=0,0006) e 2010 a 2014 (p=0,0094), respectivamente. Observou-se no período estudado um aumento contínuo na incidência de LV em indivíduos do sexo masculino (p=0,05; β=0,003 e R2 =0,398). Também se observou redução na média anual da incidência da doença nas faixas etárias de 0 a 4 anos (p<0,000); β=-0,0117; R2 =0,6564) e 5 a 9 anos (p<0,0001; β=-0,0042; R2 =0,4740). Ao mesmo tempo, observou-se crescimento médio anual nas faixas etárias de 20 a 39 (p<0,0071; β= 0,0071;R2 =0,5636) e 40 anos e mais (p<0,0001; β= 0,0105; R2 =0.8309). Observou-se na maioria das microrregiões do Estado uma tendência à associação entre a melhoria do Estado Nutricional em menores de 5 anos com a redução da incidência da LV em crianças. Observou-se também que melhoria da cobertura das vacinas de BCG (p<0,0001), Pólio (p=0,0036) e Sarampo (p=0,0276) estão associadas à redução da incidência de LV em menores de 5 anos. Já o aumento do índice pluviométrico influenciou no aumento da taxa do vetor, Lu. longipalpis (p<0,000), R2 linear=0,58); que, por sua vez, promoveu efeito no aumento da incidência de LV, (p=0,002 e R2 =0,438). A incidência de LV mostrou-se maior na maioria das microrregiões que apresentaram maiores índices pluviométricos no período do estudo. A análise dos indicadores sociais mostrou que em microrregiões com baixo percentual de coleta de lixo a incidência de LV é maior. Ao mesmo tempo, observou-se que a incidência de HIV-AIDS está associada positivamente com melhores níveis de renda, instrução e densidade demográfica. Conclusão: O estudo mostrou uma mudança no perfil epidemiológico da LV no RN, onde se observou que melhores índices de cobertura vacinal e melhora do estado nutriconal garantem proteção no desenvolvimento da forma clinica da LV em crianças. Já a prevalência da doença em adultos do sexo masculino coloca a L. infantum/chagasi como um parasita oportunista de imunudeprimidos e contribui para o crescimento da coinfecção LV/HIV-AIDS. Ao mesmo tempo, a associação da LV com índices pluviométricos em áreas com baixa cobertura de coleta de lixo mostra que as causas na variação espacial e temporal da incidência da LV são multifatoriais.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/26378
Aparece nas coleções:PPGCSA - Doutorado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Fatoresociaisambientais_Lima_2018.pdf2,03 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.