Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/27054
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSousa, Klayton Galante-
dc.contributor.authorFarias, Pedro Henrique Silva de-
dc.date.accessioned2019-05-09T22:34:26Z-
dc.date.available2019-05-09T22:34:26Z-
dc.date.issued2019-02-27-
dc.identifier.citationFARIAS, Pedro Henrique Silva de. Participação e fatores ambientais de crianças com microcefalia associada a síndrome congênita do zika vírus: percepção da família. 2019. 52f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva - FACISA) - Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/27054-
dc.description.abstractIntroduction: The ZIKV course in Brazil was a benign disease until the period when there was an increase in cases of newborns with the Zika Congenital Syndrome in the Northeast in 2015. In November of that year, with the change in the epidemiological pattern, the Ministry of Health (MS) declared a public health emergency of national importance. Three months later, MS inserted the diseases resulting from ZIKV into the compulsory notification list. And in February 2016 the World Health Organization (WHO) declared an emergency of public health and international interest. Knowing that children with SCZ may present physical, mental, intellectual and / or sensory disabilities from childhood and throughout life and that they will face various barriers, they may have their full and effective participation in the impaired society and, thus, professional practice should be guided by the International Classification of Functioning, Disability and Health (CIF) model that emerges as a relevant tool in disability management and based on human functionality, helping to classify living conditions and promote policies of social inclusion. Objective: To understand the perceptions of parents of children with SCZ regarding the barriers and facilitators of the physical, social and attitudes environment and how these influence participation in activities. Method: This is an exploratory-descriptive research, developed from the qualitative approach, influenced by the studies of the field of Social Sciences in health. For data collection, the technique of the focal group and semi-structured interview were used. Results and Discussion: From the thematic analysis of the narratives collected, there were three categories: Functions and structures of the body: "He has a lot of desire to walk, he has a lot of desire to talk"; Activities and participation of children with SCZ: "I am a mother and I understand everything he wants just to look"; Barriers to the social environment: "The health services in my city are a bit precarious. The narratives of this study reinforce that government policies should be based on the biopsychosocial model of the CIF, a tool based on human functionality, becoming extremely relevant in the management of disability and family-centered care, with improvements in access to specialized health care, besides guaranteeing the reduction of social barriers for the insertion and social interaction of children with SCZ. Final considerations: It is legitimate to treat this set of problems as a public health emergency in connections between economic, social and cultural patterns and to get sick, since the Zika Virus Congenital Syndrome is related to the multiple vulnerabilities and complexity of this deficiency.pt_BR
dc.languagept_BRpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectZika víruspt_BR
dc.subjectMicrocefaliapt_BR
dc.subjectFamíliapt_BR
dc.subjectCIFpt_BR
dc.subjectCriançapt_BR
dc.titleParticipação e fatores ambientais de crianças com microcefalia associada a síndrome congênita do zika vírus: percepção da famíliapt_BR
dc.typemasterThesispt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUFRNpt_BR
dc.publisher.programPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA - FACISApt_BR
dc.contributor.authorID07354956457pt_BR
dc.contributor.advisorID97016306615pt_BR
dc.contributor.advisor-co1Hull, Egmar Longo-
dc.contributor.advisor-co1ID91743028415pt_BR
dc.contributor.referees1Severo, Ana Kalliny de Sousa-
dc.contributor.referees1ID01207998478pt_BR
dc.contributor.referees2Cunha, Andrea Baraldi-
dc.contributor.referees2ID22420324889pt_BR
dc.contributor.referees3Silva, Mercês de Fátima dos Santos-
dc.contributor.referees3ID04335531460pt_BR
dc.description.resumoIntrodução: O percurso do ZIKV no Brasil foi de uma doença benigna até o período em que houve o aumento dos casos de recém-nascidos com a Síndrome Congênita do Zika no Nordeste em 2015. Em novembro daquele ano, o Ministério da saúde (MS) declarou emergência em saúde pública de importância nacional. Três meses após, o MS inseriu as doenças decorrentes do ZIKV na lista de notificação compulsória. E em fevereiro de 2016 a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou emergência de saúde pública e de interesse internacional. Sabendo que as crianças com a SCZ apresentarão, possivelmente, deficiências físicas, mentais, intelectuais e/ou sensoriais desde a infância e ao longo da vida e que terão de enfrentar várias barreiras, elas poderão ter sua participação plena e efetiva na sociedade prejudicada e, assim, a prática profissional deve ser orientada no modelo da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) que surge como uma ferramenta relevante na gestão da deficiência e fundamentada na funcionalidade humana, auxiliando na classificação das condições de vida e na promoção de políticas de inclusão social. Objetivo: Compreender as percepções dos pais de crianças com a SCZ em relação às barreiras e facilitadores do ambiente físico, social e das atitudes e como estas influenciam na participação em atividades. Método: Trata-se de uma pesquisa de natureza exploratória-descritiva, desenvolvida a partir da abordagem qualitativa, influenciada pelos estudos do campo das Ciências Sociais em saúde. Para coleta de dados foram utilizadas a técnica do grupo focal e entrevista semiestruturada. Resultados e Discussão: Da análise temática das narrativas coletadas evidenciaram-se três categorias: Funções e estruturas do corpo: “Tem muita vontade de andar, tem muita vontade de falar”; Atividades e participação das crianças com SCZ: “Eu sou mãe e entendo tudo que ele quer só em olhar”; Barreiras do ambiente social: “Os serviços de saúde da minha cidade é meio precário. As narrativas desse estudo reforçam que as políticas governamentais devem ser pautadas no modelo biopsicossocial da CIF uma ferramenta fundamentada na funcionalidade humana, tornando-se extremamente relevante na gestão da deficiência e no cuidado centrado na família, com melhorias no acesso a atenção especializada em saúde, além de garantir a redução das barreiras sociais para inserção e interação social das crianças com SCZ. Considerações finais: É legítimo tratar esse conjunto de problemas como uma emergência de saúde pública em conexões entre padrões econômicos, sociais e culturais e o adoecer, uma vez que a Síndrome Congênita do Zika Vírus se mostra relacionadas às múltiplas vulnerabilidades e complexidade desta deficiência.pt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVApt_BR
Appears in Collections:PPGSCOL/FACISA - Mestrado em Saúde Coletiva

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Participaçãofatoresambientais_Farias_2019.pdf1.21 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.