Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/16728
Title: Influência da adição de carga na marcha em esteira de crianças com paralisia cerebral hemiparética espástica
Authors: Simão, Camila Rocha
Keywords: Paralisia Cerebral. Marcha. Suporte de Carga. Reabilitação;Cerebral Palsy. Gait. Weight-Bearing. Rehabilitation
Issue Date: 18-Dec-2012
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: SIMÃO, Camila Rocha. Influência da adição de carga na marcha em esteira de crianças com paralisia cerebral hemiparética espástica. 2012. 83 f. Dissertação (Mestrado em Movimento e Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.
Portuguese Abstract: A adição de carga aos membros inferiores durante a marcha é uma perturbação capaz de promover mudanças adaptativas no padrão locomotor de crianças e adultos saudáveis ou com patologias neurológicas. Os efeitos desta perturbação sobre a marcha de crianças com paralisia cerebral hemiparética espástica (PCHE) ainda não foram investigados. OBJETIVO: Avaliar os efeitos imediatos do treino na esteira com adição de carga aos membros inferiores, sobre os parâmetros cinemáticos da marcha de crianças com PCHE. MATERIAIS E MÉTODOS: Foi realizado um estudo quase-experimental. Participaram do estudo 20 crianças com PCHE, de ambos os sexos, com média de idade de 8,8±2,39 anos. Todos os sujeitos foram classificados quanto ao seu nível de funcionalidade (GMFCS - Sistema de Classificação da Função Motora Grossa) e quanto à função motora grossa (GMFM - Gross Motor Function Measure), nível socioeconômico (Critério Classificação Econômica Brasil), grau de espasticidade muscular (Escala Modificada de Ashworth), medidas antropométricas, além da avaliação dos parâmetros cinemáticos da marcha através do sistema Qualisys. As crianças realizaram treino na esteira com carga nos tornozelos, em uma única sessão. Foram avaliados os parâmetros cinemáticos em três fases: Antes do treinamento (FPRÉ); Imediatamente após o treino (FPÓS); e 5 minutos após o término do treino (FRET). Os resultados foram analisados pelo SPSS 17.0, atribuindo-se nível de significância de 0,05. Para comparação das três fases avaliadas, foi realizado o teste ANOVA one way para medidas repetidas. O teste de Bonferroni foi aplicado para identificar a diferença entre as variáveis. RESULTADOS: Foi observado aumento estatisticamente significativo na altura do deslocamento do pé, amplitude de movimento e flexão máxima do quadril e joelho na fase de balanço, quando se comparou as fases FPRÉ x FPÓS e FPÓS x FRET. As variáveis espaço temporais não apresentaram diferença estatística entre as condições. CONCLUSÃO: O treino de marcha na esteira com adição de carga aos membros inferiores se apresentou como uma perturbação capaz de modificar a estratégia locomotora de crianças com PCHE
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16728
Appears in Collections:PPGFS - Mestrado em Fisioterapia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
CamilaRS_DISSERT.pdf2.79 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.