Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/16928
Title: Palavras da maldição: O Ceará de José Alcides Pinto entre símbolos e alegorias.
Authors: Firmino, Francisco Francijési
Keywords: Ceará;Alegoria e Símbolo;Ceará;Allegory and Symbol
Issue Date: 29-Aug-2008
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: FIRMINO, Francisco Francijési. Palavras da maldição: O Ceará de José Alcides Pinto entre símbolos e alegorias.. 2008. 166 f. Dissertação (Mestrado em História e Espaços) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.
Portuguese Abstract: Esta pesquisa analisa os discursos sobre a crise da identidade cearense, entre as décadas de 1950 e 1970, dando ênfase à produção do literato José Alcides Pinto. Para isto, rastreamos práticas discursivas que desde o final do século XIX construíram a identidade cearense e em meados do século XX produziram a crise dos modos de ver e dizer o espaço ante os enunciados da modernização nacional, especialmente com a emergência das políticas da SUDENE para o Nordeste, das ações progressistas da Igreja Católica para o sertão, da defesa da saudade e da tradição pela literatura regionalista da agremiação cearense Clã. As contradições entre a glorificação e o medo da modernização do Ceará produziram sobre o espaço os discursos de que sua identidade estaria fraturada, de que as antigas simbologias da seca, do cangaço, do misticismo e coronelismo declinavam. Nos romances da Trilogia da Maldição composta por O Dragão, de 1964; Os Verdes Abutres da Colina e João Pinto de Maria: a biografia de um louco da autoria do literato cearense José Alcides Pinto, a enunciação da crise das simbologias sobre o espaço dá vazão a busca de outra estética, a alegoria, que, misturada com a mística e a melancolia, buscava modos para restaurar pela linguagem as antigas temáticas do Ceará, fazendo recair sobre o sertão o mesmo estigma de espaço anti-moderno, onde as imagens do atraso se tornavam ícones de uma identidade fraturada perante aos fluxos modernos, em que a palavra se transformava na dimensão salvadora e precária da tradição, do antigo, do natural, da plenitude dos sentidos. Em José Alcides, o coronel retorna como a origem perdida do espaço; a seca seria a revolta de Deus contra o lugar diabólico; o apocalipse, o fim iminente que ameaça a aldeia; signos fantásticos que, contudo, estão em diálogo com as configurações do espaço e do tempo em que foram produzidos
Abstract: This work treats about the speeches that produced the crisis of symbols of Ceará, researching on matters and ways of expression of space between 1950s and 1970s. Therefore, we search discursive practices that since the end of nineteenth century built the identity of Ceará and in the middle of twentieth century produced the crisis of modes of seeing and telling the space in front of enunciations of the national modernization, especially with the emergence of politics by SUDENE to the Northeast, the progressive actions by Catholic Church, the defense of tradition by regional literature of union of Ceará Clã. The contradictions between the glorification and fear the modernization of Brazil produced on the space speeches that his identity would be fractured, that the old symbols of drought, cangaço, mysticism and colonels declined. Among analyzed speeches, we centered the analysis of Trilogia da Maldição formed of novels O Dragão, of 1964, Os Verdes Abutres da Colina and João Pinto de Maria: a biografia de um louco by José Alcides Pinto. In this novel, the enunciation of the crisis of symbologies about the space produced another aesthetic, the allegory, which, mixed with the mystical and melancholy, in search of ways to restore the language of the old themes Ceará, drop of Ceará the same stigma of anti-modern space, where the images of delay changed icons of a fractured identity in front of the modern streams, where the word was transformed in the dimension precarious and redeemer of the tradition, of old, of nature, of the plenitude of senses. In Jose Alcides, the colonel returns as the origin of the lost space, the drought is the revolt of God against the devil place, the apocalypse, the end imminent threat to the village, signs that fantastic, however, are in dialogue with the settings space and time in which they were produced
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16928
Appears in Collections:PPGH - Mestrado em História

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
FranciscoFF.pdf710.18 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.