Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/17499
Title: Estratégias de aprendizagem utilizadas por estudantes cegos
Authors: Lins, Manuela Ramos Caldas
Keywords: Estratégias de aprendizagem;Deficiência visual;Ensino fundamental.;Learning strategies;Visual impairment;School.
Issue Date: 12-Dec-2011
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: LINS, Manuela Ramos Caldas. Estratégias de aprendizagem utilizadas por estudantes cegos. 2011. 173 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia, Sociedade e Qualidade de Vida) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.
Portuguese Abstract: Estratégias de aprendizagem podem ser entendidas como sequências planejadas de procedimentos ou atividades, selecionadas com o objetivo de facilitar a aquisição, o armazenamento e a utilização da informação. Apesar de importantes para o processo de aprendizagem, ainda é insuficiente o conhecimento que se tem acerca dessas estratégias, principalmente no que concerne a alunos com deficiência visual. Assim sendo, o presente trabalho objetivou caracterizar as estratégias de aprendizagem utilizadas por estudantes cegos e videntes, matriculados no Ensino Fundamental, em escolas regulares e em instituições especializadas. Participaram 23 professores, dos sexos masculino e feminino, com idades entre 26 e 51 anos, bem como 102 estudantes, dos quais 25 eram cegos e 77 videntes, de ambos os sexos, matriculados do 3º ao 9º ano do Ensino Fundamental, com idades entre 7 e 16 anos. Os instrumentos utilizados foram: diário de campo (estudantes e professores); questionário estruturado (professores); questionário sociodemográfico, entrevista e Escala de Avaliação das Estratégias de Aprendizagem para o Ensino Fundamental (estudantes). Inicialmente foram realizadas observações em sala de aula e entregues aos professores questionários, com as instruções de preenchimento. Em seguida foram iniciadas as entrevistas com os estudantes cegos e administrada a escala com esses e com os videntes. Todos os instrumentos foram aplicados individualmente. Realizou-se análise de conteúdo junto aos questionários dos professores e as entrevistas com os estudantes cegos. Já o questionário sociodemográfico e a escala de estratégias foram analisados com o auxilio da estatística descritiva e inferencial. Percebeu-se que os estudantes cegos utilizam poucas estratégias de aprendizagem em sala de aula, independentemente da cidade, série, sexo ou idade. Verificou-se que os professores não receberam nenhum treinamento para lidar com os estudantes cegos, nem durante a formação, nem após tê-la concluído, de modo tal que poucos souberam informar quais estratégias de aprendizagem eles utilizam, bem como demonstraram pouca habilidade para lidar com a ineficácia dessas. Constatou-se também que tanto os cegos como os videntes utilizam estratégias cognitivas e metacognitivas durante a aprendizagem, contudo as utilizadas pelos cegos parecem ser mais elementares, de baixa complexidade, tendo em vista que os videntes alcançaram escores mais elevados em todas as subescalas. Conclui-se que o repertório de estratégias de aprendizagem dos estudantes cegos mostra-se pouco flexível, necessitando de incrementos para que assim possam alcançar resultados significativos. É importante que os professores recebam capacitação para entender as estratégias de aprendizagem e como estas influenciam positivamente a aprendizagem.
Abstract: Learning strategies can be understood as a planned sequence of procedures or activities, selected in order to facilitate the acquisition, storage and use of information. Although important to the learning process, the knowledge on these strategies is still insufficient, especially with regard to students with visual impairments. Therefore, this study aimed to characterize learning strategies used by blind and sighted students, registered in elementary education in schools and special institutions. Were participants 23 teachers, male and female, aged between 26 and 51 years, and 102 students, of whom 25 were blind and 77 seers, of both genders, registered on the 3rd to the 9th grade of elementary school, aged 7 to 16 years old. The instruments used were: field diary (students and teachers); structured questionnaire (teachers); sociodemographic questionnaire, interview and Assessment Scale of Learning Strategies for Elementary School (students). Initially were made observations in the classroom and the teachers received the questionnaires, with instructions for completion. Then were made the interviews with blind students and the scale was administered with these and with the seers. All instruments were administered individually. We conducted content analysis of the questionnaires with teachers and the interviews with blind students. The scale of strategies and sociodemographic questionnaire were analyzed with the help of descriptive and inferential statistics. It was noticed that the blind students use few learning strategies in the classroom, regardless of city, series, sex or age. It was found that teachers didn t receive training to deal with blind students, either during graduation or after have completed it, in such a way that few of them were able to inform about the learning strategies the students use, and demonstrated low ability to deal with these inefficiencies. It was also found that the blind and the sighted use cognitive and metacognitive strategies during learning, but those used by the blind seem to be more basic, low complexity, given that the seers have achieved higher scores on all subscales. We conclude that the repertoire of learning strategies for blind students is inflexible, requiring increments so that they can achieve significant results. It is important that teachers receive training to understand the learning strategies and how they positively influence learning
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/17499
Appears in Collections:PPGPSI - Mestrado em Psicologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ManuelaRCL_DISSERT.pdf1,39 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.