Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/21217
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorBarbosa, Gustavo Augusto Seabra-
dc.contributor.authorSousa, Luisa Maria Bezerra de-
dc.date.accessioned2016-08-22T23:53:58Z-
dc.date.available2016-08-22T23:53:58Z-
dc.date.issued2015-07-21-
dc.identifier.citationSOUSA, Luisa Maria Bezerra de. Associação da depressão e distúrbio do sono em pacientes com e sem disfunção temporomandibular. 2015. 46f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21217-
dc.description.abstractObjective: To evaluate the inter-relationship between TMD (temporomandibular disorder), depression and sleep disorder. Methods: This is a case-control study with questionnaires in 111 patients, allocated from the Dentistry Department of UFRN, Natal, Brazil, from September 2014 to June 2015, for evaluation of depressive symptoms through the BDI (Beck Depression Inventory); sleep disorder, the PSQI (Pittsburgh Sleep Quality Index) and DTM through the RDC / TMD (diagnostic criteria to search for DTM). All indexes were applied by a single examiner previously trained and calibrated. The collected data were analyzed with chi-square tests of Pearson (χ2) and the unconditional logistic regression. Results: women had a risk of 2.85 times more likely to develop TMD (p = 0.046). The OR (odds ratio) shows that sleep disturbance increases by 2.19 the chances of having TMD (p = 0.062) and depressive symptoms increase the risk by 3.16 times in developing dysfunction (p = 0.053). Conclusion: The data of this research allows us to conclude that patients with TMD, in this population, were more likely to develop changes in sleep and depressive symptoms.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio Grande do Nortept_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectSíndrome da disfunção da articulação temporomandibularpt_BR
dc.subjectDepressãopt_BR
dc.subjectTranstornos do sonopt_BR
dc.titleAssociação da depressão e distúrbio do sono em pacientes com e sem disfunção temporomandibularpt_BR
dc.typemasterThesispt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUFRNpt_BR
dc.publisher.programPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVApt_BR
dc.contributor.authorIDpt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/9767371778356172-
dc.contributor.advisorIDpt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/0788938137723541-
dc.contributor.referees1Seabra, Eduardo José Guerra-
dc.contributor.referees1IDpt_BR
dc.contributor.referees1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2882454174218035-
dc.contributor.referees2Almeida, Erika Oliveira de-
dc.contributor.referees2IDpt_BR
dc.contributor.referees2Latteshttp://lattes.cnpq.br/5205806400415158-
dc.description.resumoObjetivo: avaliar a inter-relação entre a DTM, a depressão e o distúrbio do sono. Métodos: trata-se de um estudo do tipo caso-controle com aplicação de questionários em 50 pacientes com e 50 sem DTM, alocados ambos do departamento de Odontologia da UFRN, Natal-RN, no período de setembro de 2014 a junho de 2015, para avaliação de sintomas depressivos e distúrbio do sono. Os pacientes foram diagnosticados como portadores de DTM através do RDC/TMD; para a análise na qualidade do sono, pelo PSQI e para análise da depressão, pelo IDB. Todos os índices foram aplicados por um único examinador previamente treinado e calibrado. Os dados coletados foram analisados, através do SPSS, com os testes de Qui-quadrado de Pearson (χ2) e a regressão logística não condicional. Resultados: as mulheres apresentaram um risco de 2,85 vezes maior de desenvolverem DTM (p=0,046). A Odds Ratio (OR) mostra que o paciente casado tem 2,56 vezes mais chances de apresentar DTM (p=0,087); o distúrbio do sono aumenta em 2,19 as chances de ter DTM (p=0,062) e os sintomas depressivos aumentam o risco em 3,16 vezes em desenvolver a disfunção (p=0,053). Conclusão: pacientes do gênero feminino, casadas, com sintomas depressivos e alterações do sono são mais propensas a desenvolverem a disfunção temporomandibular.pt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVApt_BR
Appears in Collections:PPGSCOL - Mestrado em Saúde Coletiva

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LuisaMariaBezerraDeSousa_DISSERT.pdf989,1 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.