Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/22347
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorOliveira, Edmilson Jovino de-
dc.date.accessioned2017-03-20T18:02:12Z-
dc.date.available2017-03-20T18:02:12Z-
dc.date.issued2014-11-14-
dc.identifier.citationOLIVEIRA, Edmilson Jovino de. O financiamento da educação (1996 - 2012) e o regime de colaboração: a rede pública estadual de ensino do Rio Grande do Norte. 2014. 187f. Tese (Doutorado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22347-
dc.description.abstractEste estudo objetiva analisar o financiamento da educação na rede estadual pública de ensino do Rio Grande do Norte, incluindo os Fundos contábeis ─ Fundef e Fundeb, período de 1996-2012 −, tendo como referência o federalismo e o regime de colaboração. Procura refletir acerca dos elementos limitadores à obtenção da equidade na repartição dos recursos, e, impeditivo a uma qualidade de ensino desejável na rede pública. Utiliza-se procedimento quantitativo e qualitativo permitindo observar a receita e a partilha dos recursos. Para o desenvolvimento da pesquisa, foram utilizadas legislação, documentos e autores que discutem o tema. Parte-se do pressuposto de que a política de financiamento da educação através de vinculações e Fundos contábeis não é instrumento de equalização conforme preconizado na Constituição Federal de 1988, pois, apesar de a federação brasileira adotar a separação de fontes tributárias, discriminando a competência dos municípios, estados, Distrito Federal e da União, a evolução histórica demonstra uma concentração da arrecadação no governo federal, implicando na centralização dos recursos. Os resultados apontam que a política de financiamento da educação por meio de vinculações e Fundos contábeis não constitui instrumento de equalização dos gastos por nível de ensino, pois, apesar desses mecanismos serem uma tentativa de compatibilizar e equilibrar as demandas da população nas diversas localidades, precisa ser aprimorada com transferência financeira da União aos entes subnacionais com menor capacidade de arrecadação própria. Conclui-se que, para superar os desafios da oferta de educação básica com qualidade, é necessário ajustar a concepção do sistema tributário nacional que dá suporte financeiro à manutenção dos sistemas de ensino públicos, sendo preeminente a repactuação federativa, superando o financiamento atual por um financiamento que dê efetiva condição material e humana, adotando procedimentos que assegurem educação com o mesmo padrão de qualidade a toda a população.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectFinanciamento da educação no RNpt_BR
dc.subjectRegime de colaboraçãopt_BR
dc.titleO financiamento da educação (1996 - 2012) e o regime de colaboração: a rede pública estadual de ensino do Rio Grande do Nortept_BR
dc.typedoctoralThesispt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsUFRNpt_BR
dc.publisher.programPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃOpt_BR
dc.contributor.referees1Tavares, Adilson de Lima-
dc.contributor.referees2Cabral Neto, Antonio-
dc.contributor.referees3Azevedo, Marcio Adriano de-
dc.contributor.referees4Bassi, Marcos Edgard-
dc.contributor.referees5Queiroz, Maria Aparecida de-
dc.description.resumoEste estudo objetiva analisar o financiamento da educação na rede estadual pública de ensino do Rio Grande do Norte, incluindo os Fundos contábeis ─ Fundef e Fundeb, período de 1996-2012 −, tendo como referência o federalismo e o regime de colaboração. Procura refletir acerca dos elementos limitadores à obtenção da equidade na repartição dos recursos, e, impeditivo a uma qualidade de ensino desejável na rede pública. Utiliza-se procedimento quantitativo e qualitativo permitindo observar a receita e a partilha dos recursos. Para o desenvolvimento da pesquisa, foram utilizadas legislação, documentos e autores que discutem o tema. Parte-se do pressuposto de que a política de financiamento da educação através de vinculações e Fundos contábeis não é instrumento de equalização conforme preconizado na Constituição Federal de 1988, pois, apesar de a federação brasileira adotar a separação de fontes tributárias, discriminando a competência dos municípios, estados, Distrito Federal e da União, a evolução histórica demonstra uma concentração da arrecadação no governo federal, implicando na centralização dos recursos. Os resultados apontam que a política de financiamento da educação por meio de vinculações e Fundos contábeis não constitui instrumento de equalização dos gastos por nível de ensino, pois, apesar desses mecanismos serem uma tentativa de compatibilizar e equilibrar as demandas da população nas diversas localidades, precisa ser aprimorada com transferência financeira da União aos entes subnacionais com menor capacidade de arrecadação própria. Conclui-se que, para superar os desafios da oferta de educação básica com qualidade, é necessário ajustar a concepção do sistema tributário nacional que dá suporte financeiro à manutenção dos sistemas de ensino públicos, sendo preeminente a repactuação federativa, superando o financiamento atual por um financiamento que dê efetiva condição material e humana, adotando procedimentos que assegurem educação com o mesmo padrão de qualidade a toda a população.pt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAOpt_BR
dc.contributor.referees6Camargo, Rubens Barbosa de-
Appears in Collections:PPGED - Doutorado em Educação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
FinanciamentoEducação(1996 - 2012)Regime_Oliveira_2014.pdf3.47 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.