Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/22547
Title: Os sentidos de habitar para pessoas em situação de rua: um olhar fenomenológico
Authors: Gomes, Francisco Emanuel Soares
Keywords: Morador de rua;Pessoas em situação de rua;Habitar;Pesquisa fenomenológico-existencial
Issue Date: 9-Dec-2016
Citation: GOMES, Francisco Emanuel Soares. Os sentidos de habitar para pessoas em situação de rua: um olhar fenomenológico. 2016. 112f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Portuguese Abstract: Pensar no habitar é algo que remete à ideia de moradia. No entanto, para a fenomenologia-existencial heideggeriana, o habitar diz respeito ao modo de ser que constitui o homem e que se desvela mediante a familiaridade e o estranhamento com o mundo. Dessa forma, habitar é a expressão do próprio ser-e-estar-no-mundo. As pessoas em situação de rua compõem um grupo populacional heterogêneo que possui em comum a pobreza extrema, os vínculos familiares fragilizados ou rompidos e a inexistência de moradia convencional regular. Pesquisas de orientação fenomenológica e existencial se encaminham na direção da experiência, considerando que tal perspectiva dá ênfase à dimensão existencial do viver humano e aos significados vivenciados pelo sujeito no seu estar-no-mundo. O objetivo geral desse estudo foi compreender quais sentidos pessoas em situação de rua atribuem à sua experiência de viver nas ruas. Esta é uma pesquisa de inspiração fenomenológico-existencial em que foram entrevistadas duas pessoas em situação de rua: um homem de 42 anos e uma mulher de 25 anos. As entrevistas aconteceram nas ruas e foram interpretadas à luz da hermenêutica heideggeriana. A análise das narrativas revelou que, ao mesmo tempo em que a rua se configura como um local de insegurança, inospitalidade e vulnerabilidade, ela acolhe quem nela decidir viver, seja por opção, por falta dela, para evitar uma situação de sofrimento e violência ou por qualquer outra razão. As relações das pessoas com os outros e com o espaço em que vivem exercem influência na hora da decisão por tornar a rua um local de existência. As narrativas dos participantes denunciam casos de violência física, psicológica, sexual e policial. Também de discriminação e violação de direitos humanos. Sobre as estratégias de sobrevivência nas ruas, essas são diversificadas e utilizadas de acordo com a disponibilidade de recursos e a oferta de alguns serviços.
Abstract: Thinking about living is something that refers to the idea of housing. However, for Heidegger's existential phenomenology, dwelling refers to the mode of being that constitutes man and that is revealed through familiarity and estrangement with the world. In this way, dwelling is the expression of being-and-being-in-the-world. Street people make up a heterogeneous population group that has in common extreme poverty, fragile or broken family ties and the lack of regular conventional housing. Surveys of phenomenological and existential orientation are directed towards the experience, considering that this perspective emphasizes the existential dimension of human living and the meanings experienced by the subject in his being-in-the-world. The general objective of this study was to understand what senses street people attribute to their experience of living on the streets. This is a phenomenological-existential research in which two people were interviewed in a street situation: a 42-year-old man and a 25-year-old woman. The interviews took place on the streets and were interpreted in the light of Heideggerian hermeneutics. The analysis of the narratives revealed that, at the same time that the street is a place of insecurity, inhospitality and vulnerability, it welcomes those who decide to live there, either by choice, lack of it, to avoid a situation of suffering and violence or For any other reason. The relationships of people with others and with the space in which they live exert influence at the time of the decision to make the street a place of existence. The narratives of the participants report cases of physical, psychological, sexual and police violence. Also of discrimination and violation of human rights. On street survival strategies, these are diversified and used according to the availability of resources and the provision of some services.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22547
Appears in Collections:PPGPSI - Mestrado em Psicologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
FranciscoEmanuelSoaresGomes_DISSERT.pdf746,04 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.