Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/25821
Title: Boi de prata: política e cultura na estreia do sertão do seridó no cinema terceiro-mundista brasileiro (1970-1980)
Authors: Assaf, Flávia Celeste Martini
Keywords: Cinema brasileiro;Paisagem;Cultura;Política;Sertão;Seridó;Nordeste;Terceiro Mundo
Issue Date: 10-Oct-2017
Citation: ASSAF, Flávia Celeste Martini. Boi de prata: política e cultura na estreia do sertão do seridó no cinema terceiro-mundista brasileiro (1970-1980). 2017. 150f. Dissertação (Mestrado em História) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.
Portuguese Abstract: Este estudo analisa as muitas faces da primeira representação cinematográfica do Seridó e sua relação com a cultura política do cinema brasileiro. Na virada do ano de 1978 para 1979, era filmado na cidade de Caicó – RN o longa metragem intitulado Boi de Prata, que fez parte da primeira leva de filmes realizados através da política de regionalização da produção da recémcriada estatal de cinema Embrafilme. Ao realizar a película sobre e no sertão do Seridó, seu lugar de origem, o diretor e roteirista Carlos Augusto Ribeiro Jr. elaborou a construção discursiva imagética sobre o sertão seridoense e o Brasil como territórios do Terceiro Mundo, colocando-a como a alternativa na disputa entre a produção espacial de matriz conservadora-regionalista e a de matriz progressista-marxista. Vamos mostrar que o diretor atuou dentro da tradição do cinema brasileiro, que é a de contribuir para a formação da identidade regional e nacional, ao fazer uso de tópicos da cultura popular como a religião, as lendas, a música, a dança e a literatura oral.
Abstract: This study analyzes the many aspects of the first cinematographic representation of the Seridó and its relation to the political culture of brazilian cinema. From the end of 1978 to the beginning of 1979, the feature film Boi de Prata was filmed in Caicó - Rio Grande do Norte, and was one of the first movies produced through the decentralization policy of the newly created state movie company Embrafilme. By producing the film both about and in the Seridó, where he was born, the director Carlos Augusto Ribeiro Jr. created an imagetic narrative about the Seridó’s Sertão and Brazil as Third World territories, providing an alternative to the dispute between the conservative and the progressive-marxist notions of the decentralised spatial production. We’ll show that the director acted according to the Brazilian cinema tradition, which is to contribute to the regional and national identity, by using topics of the popular culture such as religion, legends, music, dance and oral literature.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/25821
Appears in Collections:PPGH - Mestrado em História

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
FlaviaCelesteMartiniAssaf_DISSERT.pdf4.82 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.