Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/31704
Title: O currículo do corpo em forma educando às mulheres para um modelo de corpo "belo" nas páginas do Facebook
Authors: Pinto, Raquel Pipolo
Keywords: Currículo pós-crítico;Gênero;Facebook;Discurso;Corpo da mulher
Issue Date: 30-Nov-2020
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: PINTO, Raquel Pipolo. O currículo do corpo em forma educando às mulheres para um modelo de corpo "belo" nas páginas do Facebook. 2020. 125f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2020.
Portuguese Abstract: A presente pesquisa inscreve-se nos campos de estudos de gênero e de currículo, numa perspectiva pós-crítica, a qual se aproxima das teorizações pós-estruturalistas, sobretudo, das de Michel Foucault e dos Estudos Culturais em Educação. A partir desse referencial, tomei como objeto desta investigação o currículo de páginas disponibilizados no Facebook que normatizam um determinado tipo de corpo à mulher como sinônimo de saúde. Trata-se das páginas Corpo & Saúde, Corpo em Foco e Corpo Esbelto, acompanhadas diariamente com coleta de textos e imagens no período de setembro de 2018 a março de 2019. Como objetivo geral busquei analisar no currículo das páginas investigadas os discursos disponibilizados, os processos de subjetivação e a normatização do corpo da mulher. Como suporte teóricometodológico, utilizei a etnografia virtual (HINE, 2004) articulada com a análise de discurso de inspiração foucaultiana. Os conceitos utilizados como ferramentas analíticas são: discurso, modos de subjetivação, poder, norma, regimes de verdade, governo, cuidado de si, posições de sujeito, tecnologia, currículo pós-crítico, mídia, corpo, gênero, normatização, normalização, diferença e pedagogia cultural. Durante a pesquisa ocupei-me com a seguinte questão: como os discursos que dizem sobre o corpo da mulher, disponibilizados no currículo das páginas investigadas, colocam em funcionamento processos de subjetivação e normas que demandam determinados tipos de corpos considerados como belos e saudáveis? Para melhor responder a tal questionamento, busquei analisar, de modo mais específico, a produção de verdades sobre o corpo, a beleza, os exercícios, a alimentação e a saúde; as posições de sujeito demandadas às mulheres no currículo em análise; como também, os mecanismos de poder, as estratégias e táticas acionadas que buscam a normatização do corpo da mulher. Como principais resultados da pesquisa, foi possível empreender que os conteúdos analisados buscam normalizar um tipo específico de corpo - o magro - por meio de uma tecnologia nomeada por mim como tecnologia do corpo padronizado, a qual é operacionalizada por táticas e estratégias engendradas no currículo do corpo em forma nas páginas do Facebook. O conjunto de táticas e estratégias colocam em funcionamento uma disciplinarização do corpo enformado que diz respeito a um modelo de corpo que apresenta um padrão considerado desejável para glúteos, braços, abdômen, seios e coxas endereçados às mulheres e que deve ser alcançado por meio de uma disciplina rígida de exercícios físicos e alimentação, ao passo que aos homens os conteúdos educam que eles podem apresentar um corpo disforme. Também foi possível evidenciar que o currículo analisado disponibiliza posições de sujeito às mulheres identificadas como mulher mãe sarada e mulher mãe cuidadora que buscam regular mulheres, sobretudo, as pósgrávidas ou que possuem filhos e marido, para atingir um corpo ideal. A regulação de gênero também pode ser expressa por meio de lições que ensinam sobre o lar como um local que traz felicidade e por isso tarefas como cuidar do marido e dos filhos e ainda cuidar de si seriam mais adequadas às mulheres. Isto posto, é possível afirmar que o currículo investigado atua como um artefato midiático que corporifica e regula gêneros, pois as lições educativas destinadas às mulheres estão postas diferentemente das dirigidas aos homens.
Abstract: This research is a part of the study field of gender and curriculum, in a post-critical perspective, which is close to the post-structuralist theorizations, especially considering Michel Foulcault and the Cultural Studies in Educations. From this reference, I took as the aim of this investigation the curriculum of pages that were available on Facebook, which standardize a certain body type to women as a synonym of health. It’s about the pages Corpo & Saúde, Corpo em Foco e Corpo Esbelto, daily tracked with a gathering of texts and images data, during the period from September 2018 until March 2019. As a general purpose I sought to analyze the curriculum of the investigated pages, its speeches, its subjectifications processes and the woman’s body standardization. As a theoretical-methodological support, I used the virtual ethnography (HINE, 2004), articulated with the the discourse analysis, inspired by Foulcault. The used concepts as analytical tools are: discourse, ways of subjectification, power, rules, regimes of truth, government, self-care, subject positions, technology, post-critical curriculum, media, body, gender, normatization, normalization, differences and cultural pedagogy. During the research I occupied myself with the following question: how do the discourses that speak about the woman’s body, available in the investigated pages curriculums, make they work the subjectivation processes and rules that demand certain types of bodies, considered as beautiful and healthy? To answer better this question, I sought to analyze, in a more specific way, the production of truths about the body, beauty, exercises, food and health; the subject’s positions, demanded of women in the analyzed curriculum, as well as the mechanisms of power, strategies and tactics which seek to standardizer the woman’s body. As main research results, it was possible to undertake that the analyzed contents seeks to normalize a specific body type – the thin body – through a technology named by me as a technology of the standardized body, which is operationalized by tactics and strategies engendered in the curriculum of the shaped body on Facebook pages. The set of tactics and strategies places into practice a discipline of the shaped body, which concerns to a model of the body that presentes a standard considered desirable for glutes, arms, abdomen, breasts and thighs, addressed to women and which must be achieved through a rigid discipline of physical exercises and feeding, once the contents directed to men, teaches that they can presente a misshapen body. It was also possible to highlight that the analyzed curriculum makes available positions of subject to women, identified as a shaped woman mother and a caring woman mother, who seeks to regulate women, specifically post-pregnant women or the ones who have childrens and a husband, to achieve an ideal body. Gender regulation can also be expressed through lessons that teach about the home as a place which brings happiness, therefore, the tasks of taking care of the husband and children, and yet, taking care of herself would be more appropriate for women. With that said, it is possible to affirm that the investigated curriculum acts as a media artifact, that embodies and regulates genders, because the educational lessons directed to women are organized in a different way from those directed at men.
URI: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/31704
Appears in Collections:PPGED - Mestrado em Educação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Curriculocorpoforma_Pinto_2020.pdf1.98 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.