Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/32106
Título: "Mandingas dos pretos": diáspora africana e religiosidades na Bahia (Século XVIII)
Autor(es): Ferreira, Jhon Lenon de Jesus
Palavras-chave: Bolsa de mandinga;Escravidão atlântica;Diáspora;Religiões afro-brasileiras;Inquisição
Data do documento: 25-Fev-2021
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Referência: FERREIRA, Jhon Lenon de Jesus. "Mandingas dos pretos": diáspora africana e religiosidades na Bahia (Século XVIII). 2021. 149f. Dissertação (Mestrado em História) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2021.
Resumo: Entre os casos documentados pelo Santo Ofício no momento de seu exercício no Mundo Atlântico português, as bolsas de mandinga aparecem como a religiosidade mais recorrente entre as praticadas pelos africanos e seus descendentes. Encaradas como dotadas de poder, elas foram utilizadas por vários grupos étnicos, negros e não-negros, que buscavam solucionar os inumeráveis problemas decorrentes do colonialismo. Entre as fontes arroladas para esta pesquisa, no âmbito inquisitorial, notamos que a maior parte dos envolvidos com esses materiais foram, em grande medida, os africanos e seus descendentes. Partindo desse pressuposto, objetivamos entender as cosmovisões trazidas por esses sujeitos para a capitania da Bahia do século XVIII e como eles se utilizaram dos diálogos socioculturais estabelecidos pela diáspora africana para realizar a manutenção de suas etnicidades em um espaço desfavorável para isso por causa da perseguição religiosa. Por meio dessa análise, percebemos que as interações atlânticas possibilitaram a homens e mulheres negras o acesso a protagonismos, a partir de uma visão de mundo aberta ao novo, mas sem ignorar o antigo.
Abstract: Among the cases documented by the Holy Office at the time of its exercise in the Portuguese Atlantic World, the “bolsa de mandinga” appear as the most recurrent religiosity among those practiced by Africans and their descendants. Seen as empowered, they were used by various ethnic groups, blacks and non-blacks, who sought to solve innumerable problems that were victimized in the colonial period. Among the sources listed for this research at the inquisitorial scope, we note that most of those involved with these materials were those who, to a large extent, were trafficked as slaves to Brazil. Based on this assumption, we aim to understand the worldviews brought by these subjects to the capitaincy of Bahia of the eighteenth cetury and how they used the socio-cultural dialogues established by the African diaspora to carry out the maintenance their ethnicities in an unfavorable space for this because of religious persecution. Through this analysis, we realized that the Atlantic interactions made it possible for black men and women to access protagonism, through a worldview open to the new, but without ignoring the old.
URI: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/32106
Aparece nas coleções:PPGH - Mestrado em História

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Mandingaspretosdiaspora_Ferreira_2021.pdf2,31 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.