Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/45278
Title: Efeito de diferentes configurações de duração estímulo-recuperação no treinamento intervalo de alta intensidade com baixo volume sobre a dor muscular de início tardio e desempenho neuromuscular em sujeitos treinados
Other Titles: Effect of different configurations of interval-recovery time durations in the low-volume high-intensity interval training on delayed onset muscle soreness and performance neuromuscular in physical active individuos
Authors: Alves, José Wifison
Advisor: Costa, Eduardo Caldas
Keywords: Exercício físico;Treinamento intervalado;Treinamento de baixo volume
Issue Date: 1-Jun-2021
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: ALVES, José Wifison. Efeito de diferentes configurações de duração estímulo-recuperação no treinamento intervalo de alta intensidade com baixo volume sobre a dor muscular de início tardio e desempenho neuromuscular em sujeitos treinados. 2021. 41f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2021.
Portuguese Abstract: Introdução: o treinamento intervalado de alta intensidade de baixo volume (TIAI-BV) é considerado uma abordagem tempo-eficiente para melhor a aptidão física e saúde. Protocolos de TIAI-BV com diferentes durações de estímulo-recuperação geram respostas fisiológicas e percepção de esforço distintas. Entretanto, estudos investigando o efeito de sessões de TIAI- BV com diferentes durações de estímulo-recuperação sobre marcadores de dano muscular são escassos, principalmente, em treinados não-atletas. Objetivo: comparar o efeito de sessões de TIAI-BV com diferentes durações de estímulo-recuperação sobre a DMIT e desempenho neuromuscular em sujeitos treinados. Métodos: vinte e quatro homens treinados (22,3 ± 2,9 anos; 24,6 ± 2,7 kg/m2 ) realizaram duas sessões de TIAI-BV (10 x 60 s e 20 x 30 s com 100% da máxima velocidade (Vmáx) atingida no teste de esforço intercalados com mesmo tempo de recuperação passiva) em ordem randomizada, contrabalanceada e separadas por uma semana. A dor muscular de início tardio (DMIT) e o desempenho no salto vertical (SVC) com contramovimento foram avaliados antes, 24 e 48 horas após as sessões. O limiar de dor (LD), tolerância à dor (TD) e intensidade da dor percebida (ID) medidas por algometria de pressão foram avaliados nos músculos reto femoral, bíceps femoral e gastrocnêmio. A equação de estimativa generalizada foi usada para verificar o efeito de interação sessão e tempo sobre os desfechos. Foram testados os modelos de distribuição linear e gama com função de ligação de identidade, com a estrutura de matriz de correlação autorregressiva. A distribuição final foi definida de acordo com a qualidade de ajuste máxima verossimilhança sob o critério de modelo independente. A distribuição gama foi melhor para todos as análises. O post hoc de Bonferroni foi usado para comparação de pares. Resultados: não houve interação significativa da sessãoe tempo para LD, TD e ID em todos os músculos analisados (P-valores > 0,260). Adicionalmente, não houve interação significativa sessão e tempo para o desempenho noSVC (P = 0,836). Conclusão: sessões de TIAI-BV com diferentes durações de estímulo- recuperação não geraram mudanças significativas em marcadores de dano muscular induzido por exercício 24 e 48 horas em homens treinados.
Abstract: Background: high-intensity interval training (HIIT) is considered a time-efficient approachto improve health and physical fitness parameters. HIIT protocols with different intervalsrecovery duration elicit physiological and perceptual effort response distinct. However, studies investigating the effect of low-volume HIIT session with different interval-recovery durations on muscle damage markers are scarce, especially in no-athletes. Objective: to compare the effect of low-volume HIIT sessions with different interval-recovery durations on muscle damage markers in recreationally trained men. Methods: twenty-five participants (22.3 ± 2.9 years; 24.6 ± 2.7 kg/m2 ) performed two low-volume HIIT sessions (10 x 60 s e 20 x 30 s at 100% of maximal velocity of treadmill interspaced with same time of passive recovery) in randomized, counter balanced crossover order separated with one week. Delayed onset muscle soreness (DOMS) and counter movement jump (CMJ) were measured before,24 and 48 hours after the sessions. The pain threshold (PT), pain tolerance (PTol) and pain intensity (PI) measured by algometer of pressure were assessed rectus femoris, biceps femoris and gastrocnemius muscles. Generalized estimated equation was used to verify the session and time interaction on outcomes. The linear and gamma distribution models were tested, with identity function link and autorregresive correlation matrix. The final distribution was defined acording to the maximum likelihood estimation under the independent criteria model. The gamma distribution was better for all variables. The Bonferroin post hoc was used to pair comparions. Results: there were no significantly session and time interactionsfor PT, PTol and PI in all analyzed muscles (P-values > 0.260). Additionally, there was no significantly session and time interactions for CMJ (P = 0.836). Conclusion: low-volume HIIT sessions with different interval-recovery durations do not significantly elicit changes on muscle damage markers exercise-induced 24 and 48 hours after sessions in recreationally trained man.
URI: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/45278
Appears in Collections:PPGEF - Mestrado em Educação Física

Files in This Item:
File SizeFormat 
Efeitodiferentesconfiguracoes_Alves_2021.pdf877,86 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.