Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/49787
Title: Reabilitação motora para crianças e jovens com distrofia muscular: revisão de escopo
Authors: Cândido, Amanda de Melo
Advisor: Lindquist, Ana Raquel Rodrigues
Keywords: Distrofia muscular;Intervenção motora;Fisioterapia;Pediatria;Revisão de escopo
Issue Date: 17-Jun-2022
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: CÂNDIDO, Amanda de Melo. Reabilitação motora para crianças e jovens com distrofia muscular: revisão de escopo. Orientadora: Ana Raquel Rodrigues Lindquist. 2022. 101f. Dissertação (Mestrado em Fisioterapia) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2022.
Portuguese Abstract: Introdução: O tratamento das doenças neuromusculares mudou nos últimos anos, do manejo paliativo dos sintomas aos métodos preventivos de capacitação com foco na funcionalidade, participação e atividade. A importância da realização de exercícios físicos na qualidade de vida de crianças e jovens com distrofias musculares é bem conhecida, porém ainda há lacunas sobre os tipos de exercícios, intensidade, frequência, duração e efeitos que possam nortear as intervenções. Apesar das evoluções terapêuticas na área da reabilitação, verifica-se uma escassez de ensaios clínicos e ausência de revisões sistemáticas com foco nas intervenções motoras na população com distrofia muscular dificultando a elaboração de evidências de pesquisa e diretrizes que possam auxiliar na tomada de decisão e aplicação na prática clínica. Objetivo: Identificar os estudos em intervenção motora e caracterizar as abordagens realizadas nas distrofias musculares em crianças e jovens. Metodologia: A elaboração da revisão de escopo seguiu as orientações do The Joanna Briggs Institute, de acordo com a seguinte estrutura: (1) identificação da questão de pesquisa, (2) critérios de inclusão, (3) identificação de estudos relevantes, (4) seleção de estudos, (5) mapeamento dos dados e (6) comparação, resumo e relato dos resultados. Para garantir a confiabilidade entre avaliadores, 20% da amostra foi revisada de forma independente e comparada pelos dois membros da equipe. Resultados: foram encontrados 11.009 resumos nas bases de dados, 416 eram duplicados e 22 elegíveis para revisão do texto completo. Doze estudos foram incluídos na revisão. Ao total, 308 crianças e jovens participaram de todos os estudos incluídos, a idade dos participantes variou entre 4 e 14 anos. Foram encontrados diferentes protocolos com focos de intervenção distintos, entre as modalidades. Os desfechos mais abordados foram força muscular, função muscular, resistência, marcha e habilidades funcionais. 40,37% dos instrumentos utilizados focaram em testes funcionais. Conclusão: Foi observado uma variabilidade considerável nos desfechos analisados e intervenções motoras aplicadas às crianças e adolescentes com DM. As evidências clínicas sobre os tipos de exercícios nas distrofias musculares ainda são limitadas e heterogêneas e não permitem um consenso sobre os efeitos do exercício físico nesta condição clínica. No entanto, há escassez de estudos que foquem na qualidade de vida, participação e independência desta população.
Abstract: Introduction: The treatment of neuromuscular diseases has changed in recent years, from palliative management of symptoms to preventive methods of training focusing on functionality, participation, and activity. The importance of physical exercise in the quality of life of children and young people with muscular dystrophy (MD) is well known, but there are still gaps in knowledge about the types of exercise, intensity, frequency, duration, and effects that can guide interventions. Despite the therapeutic developments in rehabilitation, there is a lack of clinical trials and systematic reviews focusing on motor interventions in the population with muscular dystrophy, hindering the development of research and guidelines that can assist in decision-making and clinical practice. Objective: To identify studies on motor intervention and to characterize the approaches carried out in children and young people with muscular dystrophies. Methodology: The elaboration of the scoping review followed the guidelines of The Joanna Briggs Institute according to the following structure: (1) identification of the research question; (2) inclusion criteria; (3) identification of relevant studies; (4) study selection; (5) data mapping; and (6) comparison, summary, and reporting of results. To ensure inter-rater reliability, 20% of the sample was independently reviewed and compared by the two researchers. Results: 11,009 abstracts were found in the databases; 416 were duplicates; and 22 were eligible for full-text review. Twelve studies were included in the review. In total, 308 children and young people participated in all the included studies. The age of the participants ranged between 4 and 14 years. Different protocols with different intervention focuses were found among the modalities. The most discussed outcomes were muscle strength, muscle function, endurance, gait, and functional skills. 40.37% of the instruments used focused on functional tests. Conclusion: Considerable variability was observed in the analyzed outcomes and motor interventions applied to children and adolescents with MD. Clinical evidence on the types of exercise in muscular dystrophies is still limited and heterogeneous and does not allow a consensus on the effects of physical exercise in this clinical condition. However, there is a lack of studies that focus on the quality of life, participation, and independence of this population.
URI: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/49787
Appears in Collections:PPGFS - Mestrado em Fisioterapia

Files in This Item:
File SizeFormat 
Reabilitacaomotoracriancas_Candido_2022.pdf2,01 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.