Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/11867
Título: Análise do processo de aprendizagem e alfabetização científica sobre a evolução dos veterbrados em um museu de ciências
Autor(es): Pereira, Josélia Domingos
Santos, Adriana de Souza
Costa, Ivaneide Alves Soares da
Palavras-chave: Alfabetização científica;Museus de ciências;Ensino de ciências;Evolução dos vertebrados;PIBID
Data do documento: 2012
Editor: II Seminário Nacional do Ensino Médio - SENACEM
Citação: PEREIRA, Josélia Domingos; SANTOS, Adriana de Souza; COSTA, Ivaneide Alves Soares de. Análise do processo de aprendizagem e alfabetização científica sobre a evolução dos veterbrados em um museu de ciências. In: SEMINÁRIO NACIONAL DO ENSINO MÉDIO – SENACEM, 2. 2012, Mossoró. Anais... Mossoró: UERN, 2012. p.1408 - 1420
Resumo: Os museus como centros de ciências, enquanto espaços de educação não formal podem, por meio da participação ativa do público, promover a compreensão da ciência ao aguçar a curiosidade do indivíduo e estimular o prazer pela descoberta. Ação desenvolvida como intervenção acadêmica, social e cultural associada ao PIBID/UFRN/Biologia, tem como objetivo avaliar o uso de espaço de ensino não formal, na aprendizagem de conceitos, promovendo a alfabetização científica através de uma exposição em um museu de ciências e morfológicas. A visitação foi realizada no Museu de Ciências Morfológicas da UFRN, com alunos do 1º ano do ensino médio da escola Estadual Lourdes Guilherme, sendo aplicados questionários de pré e pós-visita sobre a Evolução dos Vertebrados, com intuito de analisar a contribuição do museu na aprendizagem destes conteúdos. A porcentagem de acertos no questionário pré-visita variou entre 8 e 68% em relação ao conhecimento geral dos alunos quanto à evolução dos vertebrados, enquanto no pós-visita essa variação foi de 16 a 90%. Com base nesses primeiros resultados verificamos o quanto os museus interativos de ciência se apresentam como um espaço educativo complementar à educação formal, possibilitando a ampliação e a melhoria do conhecimento científico de estudantes. Isso demonstra que o uso de espaços não formais contribui para a aprendizagem significativa, além de promover a alfabetização científica destes alunos ao gerar a compreensão da ciência e aguçar a curiosidade dos mesmos para o prazer da descoberta.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/11867
Aparece nas coleções:CB - DMP - Trabalhos apresentados em eventos



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.