Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/12163
Título: Autoeficácia, características sociodemográficas e capacitação profissional: um estudo com servidores de uma Universidade Federal
Autor(es): Barros, Marizeth Antunes
Palavras-chave: Autoeficácia, variáveis sociodemográficas, servidores públicos e instituição de ensino superior;Self-efficacy;Sociodemographic variables;Civil servants and higher education institution
Data do documento: 10-Set-2010
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: BARROS, Marizeth Antunes. Autoeficácia, características sociodemográficas e capacitação profissional: um estudo com servidores de uma Universidade Federal. 2010. 85 f. Dissertação (Mestrado em Políticas e Gestão Públicas; Gestão Organizacional) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.
Resumo: Self-efficacy, the construct developed by Albert Bandura in 1977 and widely studied around the world, means the individual's belief in his own capacity to successfully perform a certain activity. This study aims to determine the degree of association between sociodemographic characteristics and professional training to the levels of Self-Efficacy at Work (SEW) of the Administrative Assistants in a federal university. This is a descriptive research submitted to and approved by the Ethics Committee of UFRN. The method of data analysis, in quantitative nature, was accomplished with the aid of the statistical programs R and Minitab. The instrument used in research was a sociodemographic data questionnaire, variables of professional training and the General Perception of Self-efficacy Scale (GPSES), applied to the sample by 289 Assistants in Administration. Statistical techniques for data analysis were descriptive statistics, cluster analysis, reliability test (Cronbach's alpha), and test of significance (Pearson). Results show a sociodemographic profile of Assistants in Administration of UFRN with well-distributed characteristics, with 48.4% men and 51.6% female; 59.9% of them were aged over 40 years, married (49.3%), color or race white (58%) and Catholics (67.8%); families are composed of up to four people (75.8%) with children (59.4%) of all age groups; the occupation of the mothers of these professionals is mostly housewives (51.6%) with high school education up to parents (72%) and mothers (75.8%). Assistants in Administration have high levels of professional training, most of them composed two groups of servers: the former, recently hired public servants (30.7%) and another with long service (59%), the majority enter young in career and it stays until retirement, 72.4% of these professionals have training above the minimum requirement for the job. The analysis of SEW levels shows medium to high levels for 72% of assistants in administration; low SEWclassified people have shown a high average of 2.7, considered close to the overall mean presented in other studies, which is 2.9. The cluster analysis has allowed us to say that the characteristics of the three groups (Low, Medium and High SEW) are similar and can be found in the three levels of SEW representatives with all the characteristics investigated. The results indicate no association between the sociodemographic variables and professional training to the levels of self-efficacy at work of Assistants in Administration of UFRN, except for the variable color or race. However, due to the small number of people who declared themselves in color or black race (4% of the sample), this result can be interpreted as mere coincidence or the black people addressed in this study have provided a sense of efficacy higher than white and brown ones. The study has corroborated other studies and highlighted the subjectivity of the self-efficacy construct. They are needed more researches, especially with public servants for the continuity and expansion of studies on the subject, making it possible to compare and confirm the results
metadata.dc.description.resumo: A autoeficácia, construto desenvolvido por Albert Bandura desde 1977 e amplamente estudado no mundo todo, significa a crença do indivíduo nas próprias capacidades de realizar com êxito determinada atividade. O presente estudo tem por objetivo verificar o grau de associação entre as características sociodemográficas e de capacitação profissional com os níveis de Autoeficácia no Trabalho (AET) dos Assistentes em Administração de uma universidade federal. Trata-se de uma pesquisa descritiva, submetida e aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFRN. O método de análise de dados, de natureza quantitativa, foi efetivado com o auxílio dos programas estatísticos R e Minitab. O instrumento utilizado na investigação foi o questionário de dados sociodemográficos, variáveis de capacitação profissional e a Escala de Autoeficácia Geral Percebida (EAEGP) aplicado à amostra constituída por 289 Assistentes em Administração. As técnicas estatísticas para a análise dos dados foram estatística descritiva, análise de agrupamentos, teste de confiabilidade (Alfa de Cronbach), teste de significância (Pearson). Os resultados mostram um perfil sociodemográfico dos Assistentes em Administração da UFRN com características bem distribuídas, sendo 48,4% homens e 51,6% mulheres; 59,9% deles têm idade acima de 40 anos, casados (49,3%), de cor ou raça branca (58%) e religião católica (67,8%); as famílias são compostas por até quatro pessoas (75,8%), com filhos (59,4%) de todas as faixas etárias; a ocupação das mães destes profissionais é na maioria do lar (51,6%), com escolaridade até ensino médio completo para pais (72%) e mães (75,8%). Os Assistentes em Administração apresentam níveis de capacitação profissional elevados; a maior parte deles compõe dois grupos de servidores: o primeiro, com servidores contratados recentemente (30,7%) e outro com longo tempo de serviço (59%); a maioria entra jovem na carreira e nela permanece até a aposentadoria; 72,4% destes profissionais têm formação acima do requisito mínimo para o cargo. A análise dos níveis de AET mostra níveis Médios e Altos para 72% dos Assistentes em Administração; as pessoas, classificadas com Baixa AET, apresentam uma AET média de 2,7, considerada próxima à média geral, apresentada em outros estudos, que é de 2,9. A análise de agrupamentos permite dizer que as características dos três grupos (Baixa, Média e Alta AET) são semelhantes, podendo ser encontrados nos três níveis de AET representantes com todas as características investigadas. Os resultados indicam que não há associação entre as variáveis sociodemográficas e de capacitação profissional com os níveis de autoeficácia no trabalho dos Assistentes em Administração da UFRN, exceto em relação à variável cor ou raça. Contudo, em função do número reduzido de pessoas que se autodeclararam de cor ou raça preta (4% da amostra), esse resultado pode ser interpretado como mera casualidade ou as pessoas pretas abordadas no presente estudo apresentam um senso de eficácia mais elevado do que brancos e pardos. O estudo corrobora outros estudos e evidencia a subjetividade do construto autoeficácia. Mais pesquisas são necessárias, principalmente com servidores, para a continuidade e ampliação dos estudos sobre o tema, o que possibilitará comparar e confirmar os resultados
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/12163
Aparece nas coleções:PPGA - Mestrado em Administração

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MarizethAB_DISSERT.pdf3,04 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.