Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/12395
Título: Condomínios fechados: a produção habitacional contemporânea e a auto-exclusão dos ricos no espaço urbano de Natal RN (1995 2003)
Autor(es): Silva, Maria Floresia Pessoa de Souza e
Palavras-chave: Urbanismo;Condimínios residenciais horizontais;Espaço urbano;Natal (RN);Mercado imobiliário;Crescimento;Urbanism;Gated communities;Urban space;Real state market;Growth
Data do documento: 28-Set-2004
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: SILVA, Maria Floresia Pessoa de Souza e. Condomínios fechados: a produção habitacional contemporânea e a auto-exclusão dos ricos no espaço urbano de Natal RN (1995 2003). 2004. 366 f. Dissertação (Mestrado em Conforto no Ambiente Construído; Forma Urbana e Habitação) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2004.
Resumo: The present work analyzes the fast evolution of gated communities in Natal-RN´s urban space. Characterized by the occupation of large areas, providing private security and utilities, this kind of real estate use arises a long list of questions and issues from society and scholars, due to privatization of urban space, bending of law constraints and the lack of an integrated planning of the cities where they are built. The reasons for its fast growth in Brazil s urban areas are analyzed, considering the impact on formal urban planning and municipal services and on the identification of urbanistic, architectural pattern and constraints, as well as legal, social and economic issues. This study is based on the detailed analysis of the first three units of gated communities built in the urban space in Natal, between 1995 and 2003, including their evolution throughout time and the specific social and economic reasons for its present widespread adoption in Brazilian real estate market and, particulary, in our city. The main objective of this piece of work is to answer the why s and how s these phenomena evolved, setting a basis for the definition of adequate public policies and regulation of this kind of urban land use
metadata.dc.description.resumo: Este trabalho analisa a rápida evolução dos condomínios residenciais horizontais na cidade do Natal, RN. Identificados como grandes transformadores do espaço, os condomínios horizontais normalmente utilizam glebas muito extensas e se constituem em conjuntos residenciais de baixíssima densidade. Introduzem novos ideais de bem viver que incorporam elementos sofisticados de segurança e infra-estrutura privada. Este tipo de produção imobiliária tem se proliferado e diversificado independentemente da longa lista de questionamentos e críticas levantadas pela sociedade e estudiosos da matéria urbana quanto à privatização do espaço, indiferença às leis existentes e fragmentação, ou não integração, ao planejamento e construção das cidades onde se implantam. As razões deste crescimento nas cidades brasileiras são analisadas considerando o impacto formal no espaço urbano, na arquitetura e na infra-estrutura e serviços públicos, buscando identificar padrões e problemas, assim como, as questões legais, sociais e mercadológicas envolvidas. Este trabalho baseia-se em um estudo de caso dos três primeiros grandes condomínios construídos em Natal, entre 1995 e 2003, observando sua consolidação através do tempo, a partir de entrevistas com os principais atores envolvidos no processo. O principal objetivo desta pesquisa é discutir as causas e porquês da rápida transformação e aceitação desses empreendimentos como ideal de bem viver, que os tornaram um fenômeno no mercado imobiliário brasileiro e em particular na nossa cidade
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/12395
Aparece nas coleções:PPGAU - Mestrado em Arquitetura e Urbanismo

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MariaFPSS_DISSERT.pdf13,23 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.