Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/12506
Título: Avaliação espaço-temporal do zooplâncton da laguna estuarina de Guaraíras (RN, Brasil)
Autor(es): Almeida, Laura Ribas de
Palavras-chave: Zooplâncton;Laguna de Guaraíras;Variação espaço temporal
Data do documento: 1-Dez-2006
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: ALMEIDA, Laura Ribas de. Avaliação espaço-temporal do zooplâncton da laguna estuarina de Guaraíras (RN, Brasil). 2006. 74 f. Dissertação (Mestrado em Bioecologia Aquática) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2006.
metadata.dc.description.resumo: O objetivo do presente estudo foi caracterizar as variações espaciais e sazonais do microzooplâncton (20-200µm) e mesozooplâncton, (0,2 20mm), incluindo espécies de Copepoda, em uma laguna estuarina rasa (laguna de Guaraíras, RN). O zooplâncton e alguns parâmetros ambientais foram amostrados nas estações seca e chuvosa, em quatro pontos amostrais ao longo da laguna, enumerados da zona costeira (P1) para a porção mais interna da laguna, sob maior influência fluvial (P4). O microzooplâncton foi dominado por Tintinnina, Foraminifera e náuplios de Copepoda, enquanto que os copépodas Oithona spp, Parvocalanus crassirostris, Paracalanus quasimodo e Acartia lilljeborgi foram os mais abundantes do mesozooplâncton. As correlações positivas e significativas entre o microzooplâncton e a salinidade sugerem que as mudanças sazonais na comunidade microzooplanctônica são fortemente guiadas pela dinâmica salina na laguna. A densidade do microzooplâncton foi maior na estação seca (média±DP= 297,96±111,6org.l-1) do que na estação chuvosa (média±DP = 140,58±72,7org.l-1). De modo geral foram observados altos valores de salinidade nesta laguna costeira (média±DP= 34,25±4,8 ), caracterizando uma configuração marinho-costeira. A concentração de clorofila a apresentou uma variação espacial e temporal, com maiores valores na estação chuvosa e um gradiente típico de aumento a partir da região marinha da laguna (P1) para a porção interna (P4). Baseado na concentração de clorofila a para uma classificação do estado trófico, a laguna de Guaraíras apresentou um gradiente trófico, com tendência meso-eutrófica na sua porção continental e regiões mais oligotróficas na região mais próxima às águas costeiras. A comunidade mesozooplanctônica teve uma densidade média de 18,28 ± 8,7org.l-1, sendo que a variação sazonal da densidade indicou maiores valores em condições mesotróficas. Como era esperado para um ambiente altamente variável, foram registrados reduzidos valores dos ìndices de Diversidade (H ) e Equitabilidade (J). O Índice de Similaridade de Bray-Curtis reforçou a variabilidade espacial na laguna, diferindo os pontos P3 e P4, com maiores abundâncias de Tintinnina, náuplios de Copepoda, Oithona spp, larvas de Polychaeta e Acartia lilljeborgi, dos demais. A análise de agrupamento e a análise de componentes principais (PCA) indicaram que as larvas de Polychaeta e Acartia lilljeborgi tiveram boa similaridade, principalmente por coexistirem em locais rasos, com baixas transparências e altas concentrações de clorofila a. A PCA mostrou ainda uma relação positiva entre Oithona spp e a concentrações de clorofila a e fósforo total, explicando a alta abundância destas espécies na porção continental da laguna. Foraminifera mostrou uma associação positiva com a salinidade e uma associação negativa com a concentração de clorofila a e de fósforo total, indicando que este grupo é característico de áreas marinhas oligotróficas, tal como os pontos P1 e P2, com condições marinhas costeiras
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/12506
Aparece nas coleções:PPGBA - Mestrado em Bioecologia Aquática

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LauraRA.pdf453,62 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.