Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/12686
Título: Influência da gipsita no surgimento de eflorescência em telhas cerâmicas
Autor(es): Monteiro, Celina Margarida de Oliveira Lima
Palavras-chave: Cerâmica vermelha;Gipsita;Telha cerâmica;Eflorescência;Red ceramic;Gypsum;Ceramic tile;Efflorescence
Data do documento: 22-Mai-2009
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: MONTEIRO, Celina Margarida de Oliveira Lima. Influência da gipsita no surgimento de eflorescência em telhas cerâmicas. 2009. 77 f. Dissertação (Mestrado em Processamento de Materiais a partir do Pó; Polímeros e Compósitos; Processamento de Materiais a part) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.
Resumo: The red ceramic industry is recognized as of major importance in Piauí State. The State capital, Teresina, is the greatest producer of this material ( production about 18 million peaces), which is used mainly for masonry sealing blocks. One of the most frequent problems in this kind of products is the efflorescence. This work has the main objective of studying the influence of gypsum addition on non-glazed tiles, by using the local industry production standards. The raw materials were characterized by FRX, DRX, TGA, DTA and AD. Extruded test specimens were made with the addition of 1, 3 and 5% of gypsum in the ceramic paste, burned at 850oC, 950oC and 1050oC and submitted to further technological tests and microestrutural analysis by the scanning electron microscope. In order to accelerate the aging of bodies of evidence, they were immersed in successive water baths and posterior drying. The reference ceramic paste showed tendency to efflorescence formation after drying and consolidated efflorescence after burning, but no affecting the technological results
metadata.dc.description.resumo: A indústria de cerâmica vermelha é referência no Estado do Piauí. Constitui o maior pólo produtor localizado na capital, Teresina, com produção média mensal de 18 milhões de peças, principalmente, de telhas cerâmicas. Uma das principais patologias observadas nesse tipo de produto é o surgimento de eflorescências. Este trabalho visa estudar a influência da gipsita no surgimento de eflorescências em telhas cerâmicas não esmaltadas, utilizando padrões de produção da indústria local. As matérias-primas foram caracterizadas por fluorescência de raios-X, análise mineralógica por difração de raios-X, ensaios térmicos e determinação de sais solúveis em sulfatos. Foram confeccionados corpos-de-prova por extrusão, adicionando-se percentuais de 1%, 3% e 5% de gipsita à massa cerâmica, queimados a 850oC, 950oC e 1050oC. Após sinterização, os corpos-de-prova foram submetidos a ensaios tecnológicos e caracterização microestrutural. Para acelerar o envelhecimento, os corpos-de-prova foram submetidos a sucessivos banhos de imersão em água e posterior secagem. As amostras com adição de 1% e 3% de gipsita não apresentaram eflorescência após queima. As amostras com adição de 1% e 3% de gipsita conduzem a resultados tecnológicos satisfatórios após queima a 950oC, porém a gipsita não reagente aflora à superfície dos corpos-de-prova logo após a primeira imersão em água.Os corpos-de-prova com 5% de gipsita apresentaram eflorescência de secagem que se consolidou após queima. Os resultados demonstram que o sulfato de cálcio, oriundo da gipsita, provoca o surgimento de eflorescência
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/12686
Aparece nas coleções:PPGCEM - Mestrado em Ciência e Engenharia de Materiais

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CelinaMOLMpdf.pdf4,37 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.