Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13079
Título: Avaliação da atividade antimalárica de extratos obtidos de algas marinhas no litoral do Rio Grande do Norte
Autor(es): Dantas, Gracielle Rodrigues
Palavras-chave: Malária;Algas marinhas;Extratos brutos;Atividade antiplasmódica;Malaria;Seaweeds;Crude extracts;Antiplasmodial activity
Data do documento: 7-Mar-2012
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: DANTAS, Gracielle Rodrigues. Avaliação da atividade antimalárica de extratos obtidos de algas marinhas no litoral do Rio Grande do Norte. 2012. 72 f. Dissertação (Mestrado em Biodiversidade; Biologia Estrutural e Funcional.) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.
Resumo: Malaria is a major parasitic disease worldwide, accounting for about 500 million cases and causing 2 million to 3 million deaths annually. Four species are responsible for transmitting this disease to humans: Plasmodium falciparum, Plasmodium vivax, Plasmodium malariae and Plasmodium ovale. The parasite resistance to antimalarial drugs and the usual limitations of the vector control implications are contributing to the spread of the disease. The most of significant advances in the search for new antimalarial drugs is based on natural components, the main ones being currently used antimalarial drugs derived from plants. Research on natural products of marine origin (particularly algae) show that some species possess antiplasmodial activity. Knowing that the coast of Rio Grande do Norte is home to several species of algae, the present study was to evaluate, for the first time, the antimalarial activity of ethanolic extracts of seaweed Spatoglossum schroederi, Gracilaria birdiae and Udotea flabellum against Plasmodium falciparum 3D7 strain tests and in vitro using the murine model (Plasmodium berghei) for evaluation in vivo. These species were ground, macerated with ethanol for 24 hours and the extracts concentrated in rotaevaporador (45 ° C ± 5 ° C). For in vitro tests, the extracts were diluted and tested at concentrations between 100 and 1.56 μg/ml (seven concentrations in triplicate), in order to obtain IC50 of each extract. The cytotoxicity tests with macrophages and BGM were performed using the MTT colorimetric assay. BGM macrophages and cells were distributed in 96 wells per plate (1x 105 to macrophages and 1x104 cells per well for BGM) and incubated for 24h at 37 ° C. The ethanol extracts were diluted and tested at concentrations of 100 to 1,56 μg/ml (seven concentrations in triplicate). After periods of 24 hours of incubation with the extracts, 100 μg of MTT was added to each well, and 3 hours elapsed, the supernatant was removed and added 200 μl of DMSO in each well. The absorbance of each well was obtained by reading on a spectrophotometer at 570 nm filter. To evaluate the acute toxicity in vivo, Swiss mice received a single dose (oral) 2000 mg/kg/animal of each extract tested. The parameters of acute toxicity were observed for 8 days. For in vivo tests, Swiss mice were inoculated with 1x105 erythrocytes infected with P. berghei. The treatment was given first to fourth day after infection with 0.2 ml of the extracts in doses of 1000 and 500 mg//g animal. The negative control group received 0.2 ml of 2% Tween-20, whereas the positive control group received sub-dose of chloroquine (5 mg/kg/animal). The assessment of antimalarial activity was done by suppressing suppressing the parasitemia at 5 and 7 days after infection. The growth inhibition of parasites was determined relative to negative control (% inhibition = parasitaemia in control - parasitemia in sample / parasitemia control x 100), the mortality of animals was monitored daily for 30 days The results showed that algae Spatoglossum schroederi and Udotea flabellum showed antimalarial activity in vitro, with reduced parasitemia of 70.54% and 54, respectively. The extracts of the three algae tested showed moderate to high cytotoxicity. Algae S. schroederi and U. flabellum were active against P. berghei only at doses of 500 mg / kg with reduction ranging from 54.58 to 52.65% for the fifth day and from 32.24 to 47.34% for the seventh day, respectively. No toxicity was observed in vivo at the dose tested, over the 8 days of observation. Although preliminary data, the bioactive components in those possible seaweed may be promising for the development of new anti-malarial drugs
metadata.dc.description.resumo: A malária é a maior doença parasítica mundial, responsável por cerca de 500 milhões de casos e causando 2 a 3 milhões de mortes anualmente. Quatro espécies são responsáveis pela transmissão dessa doença ao homem: Plasmodium falciparum, Plasmodium vivax, Plasmodium malariae e Plasmodium ovale. A resistência do parasito aos antimaláricos usuais e as limitações existentes no combate ao vetor são implicações que contribuem para a expansão dessa parasitose. Os avanços mais significativos na busca de novos medicamentos contra a malária baseiam-se em componentes naturais, sendo os principais antimaláricos atualmente utilizados derivados de plantas. Pesquisas com produtos naturais de origem marinha (particularmente as algas) mostram que algumas espécies possuem atividade antiplasmódica. Sabendo que o litoral do Rio Grande do Norte abriga várias espécies de algas, o presente estudo consistiu em avaliar, pela primeira vez, a atividade antimalárica dos extratos etanólicos das algas Spatoglossum schroederi, Gracilaria birdiae e Udotea flabellum contra a cepa 3D7 Plasmodium falciparum em testes in vitro e utilizando o modelo murino (P. berghei) para avaliação in vivo. As algas foram trituradas, maceradas com etanol por 24 horas e os extratos concentrados em rotaevaporador (45° C ± 5°C). Para os testes in vitro, os extratos foram diluídos e testados nas concentrações entre 100 e 1,56 μg/ml (sete concentrações em triplicata), com a finalidade de obtenção da CI50 de cada extrato. Os testes de citotoxicidade com macrófagos e células BGM foram realizados usando o ensaio colorimétrico MTT. Macrófagos e células BGM foram distribuídas em 96 poços por placa (1x 105 para macrófagos e 1x104 células por poço para BGM), sendo incubadas por 24h a 37°C. Os extratos etanólicos foram diluídos e testados nas concentrações de 100 até 1,56 μg/ml (sete concentrações em triplicata). Após períodos de 24h de incubação com os extratos, 100 μl de MTT foi adicionado a cada poço, e decorridas 3h, o sobrenadante foi removido e adicionou-se 200 μl DMSO em cada poço. A absorbância de cada poço foi obtida através de leitura em espectrofotômetro com filtro de 570 nm. Para avaliar a toxicidade aguda in vivo, camundongos Swiss receberam dose única (oral) de 2000 mg/kg/animal dos extratos testados. Os parâmetros de toxicidade aguda foram observados durante 8 dias. Para os testes in vivo, camundongos Swiss foram inoculados com 1x105 hemácias infectadas com Plasmodium berghei. O tratamento deu-se do primeiro ao quarto dia após a infecção, com 0,2 ml dos extratos em doses de 1000 e 500 mg/kg/animal. O grupo controle negativo recebeu 0,2 ml de Tween-20 2%, enquanto que o grupo controle positivo recebeu sub-dose de cloroquina (5 mg/kg/animal). A avaliação da atividade antimalárica foi feita através da supressão da parasitemia no 5º e 7º dias após infecção. A inibição do crescimento dos parasitos foi determinada em relação ao grupo controle negativo (% inibição = parasitemia do controle parasitemia com amostra/ parasitemia do controle x 100); a mortalidade dos animais foi acompanhada diariamente por 30 dias. Os resultados mostraram que as algas Spatoglossum schroederi e Udotea flabellum apresentaram atividade antimalárica in vitro, com redução da parasitemia de 70,54 e 54%, respectivamente. Os extratos das três algas testadas mostraram citotoxicidade moderada a elevada. As algas S. schroederi e U. flabellum foram ativas contra o P. berghei apenas nas doses de 500 mg/kg com redução variando de 54,58 a 52,65% para o quinto dia e 32,24 a 47,34% para o sétimo dia, respectivamente. Não foi observada toxicidade in vivo para a dose testada, durante os 8 dias de observação. Embora sejam dados preliminares, os possíveis componentes bioativos presentes nessas algas marinhas podem ser promissores para o desenvolvimento de novas drogas antimaláricas
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13079
Aparece nas coleções:PPGCB - Mestrado em Ciências Biológicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
GracielleRD_DISSERT.pdf626,93 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.