Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13128
Título: Mutagênese induzida por flavonóides presentes do decocto das cascas da aroeira (Schinus terebinthifolius, Raddi)
Autor(es): Barca, Francisco Napoleão Tulio Varela
Palavras-chave: Mutagenicidade;Flavonóides;EROs;Schinus terebinthifolius;Mutagenicity;Flavonoids;ROS;Schinus terebinthifolius
Data do documento: 28-Abr-2008
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: BARCA, Francisco Napoleão Tulio Varela. Mutagênese induzida por flavonóides presentes do decocto das cascas da aroeira (Schinus terebinthifolius, Raddi). 2008. 93 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.
Resumo: The decoction of Brazilian pepper tree barks (Schinus terebinthifolius, Raddi), is used in medicine as wound healing and antiinflamatory. Once extracts from this plant are used for acceleration of scar s process, it is important to study their mutagenic and genotoxic potential. In previous works in our laboratory, it was observed mutagenicity caused by the decoction when in high concentrations. Among the chemical compounds of this plant that could be able to induce mutation, the flavonoids were the only group that was referred to have either an oxidant or antioxidant potential. The flavonoids were isolated, purified and quantified by adsorptive column chromatography under silica gel, bacterial and in vitro genotoxic tests were realized to determine if the flavonoids were the responsible agents for this mutagenicity found. The tests realized with plasmidial DNA were indicative that the flavonoids are probably genotoxic, due to the presence of correlation between increase of the flavonoid concentration and in plasmidial DNA double strand breakage visualized in agarose gel, as well as they were capable to generated abasic sites shown by the in vitro treatment with exonuclease III. The same tests with plasmidial DNA in the presence of copper [10 µM] and of a Tris-HCl pH 7.5 [10 µM] buffer were realized with the isolated flavonoids to determine if there would be or not participation of reactive oxygen species (ROS). The transformation of plasmidial DNA in different bacterial strains proficient and deficient in DNA repair enzymes in the presence or not of a Tris-HCl buffer, suggests that the enzymes that repair oxidative lesions are necessary to repair the lesions generated by the flavonoids and that ROS are generated and are necessary to promote the lesions. Bacterial tests with Escherichia coli strains of the CC collection (deficient or not for DNA repair enzymes), showed that the flavonoids are able to increase the frequency of mutations, mainly in strains mutated in repair enzymes (MutM, MutY-glicosylases and double mutant), suggesting that these agents are responsible for the enhancement in the mutation rate. In order to determine the mutation spectrum caused by the flavonoids of the Brazilian pepper tree stem bark, plasmidial DNA previously treated with the flavonoids were transformed in bacterial strains deficient and proficient in the DNA repair enzymes, followed by a blue-white selection with X-gal, DNA amplification by PCR and sequencing the positive mutant clones. Analysis of the mutants obtained from strains CC104, CC104mutM, CC104mutY, CC104mutMmutY, BW9101, BW9109 indicated a predominance of some mutations like G:C to C:G that can be correlated with the origin of 8-oxoG, due to oxidative lesions caused by the flavonoids. So it can concluded that the flavonoid isolated or in fractions enriched on them are genotoxic and mutagenic, and their mutations are predominantly oxidative, mediated by ROS, and the lesions are recognized by the BER system. In this way it is proposed that the flavonoids can act in two different ways to generate the DNA lesion: 1. in a Fenton-like reaction, when the flavonoid are in the presence of metal ions and that together with the water generate ROS that promotes the DNA lesions; 2. in another way the lesions can be generated by the formation of ROS due to the internal chemical structure of the flavonoid molecule due to the quantity and location of hydroxyl groups, and so producing the DNA lesions, those lesions can be directly (suggested by the in vitro experiments) or indirectly done (supported by the experiments using the CC bacterial strains)
metadata.dc.description.resumo: O decocto feito de cascas da Aroeira (Schinus terebinthifolius, Raddi) é usado na medicina popular como cicatrizante e anti-inflamatório, mas, apesar de seu efeito medicinal, também foi demonstrado um efeito mutagênico. O objetivo deste trabalho foi determinar se os flavonóides da aroeira são os responsáveis pela mutagenicidade bem como propor um mecanismo de ação. Para tanto, diferentes frações enriquecidas em flavonóides foram preparadas e os flavonóides foram isolados, purificados e quantificados via cromatografia de adsorção em gel de sílica. Testes de genotoxicidade, in vitro e em sistemas bacterianos foram realizados a fim de determinar o mecanismo de ação. Testes realizados com DNA plasmidial In vitro foram indicativos de que as frações enriquecidas de flavonóides são capazes de gerar dupla quebra na fita do DNA, bem como são capazes de gerar sítios abásicos, evidenciados na presença da exonuclease III. O mesmo teste com DNA plasmidial, mas na presença de cobre [10 µM] e de tampão Tris-HCl pH 7.5 [10 µM], foi realizado, para determinar se haveria ou não participação de espécies reativas de oxigênio na indução de danos. A transformação do DNA plasmidial em diferentes cepas bacterianas, proficientes e deficientes em diferentes vias de reparo de DNA, na ausência e presença de tampão Tris-HCl pH 7.5 [10 µM], sugerem que enzimas de reparo de lesões oxidativas são necessárias para reparar as lesões geradas pelos flavonóides e que espécies reativas de oxigênio são geradas e necessárias para promover as lesões. Teste de mutagenicidade direta com diferentes cepas de Escherichia coli derivadas da linhagem CC104 sugeriram que os flavonóides aumentam a freqüência de mutação em cepas deficientes nas enzimas MutM e MutY glicosilases, principalmente na duplo mutante, sugerindo que as lesões predominantemente oxidativas, são substratos destas enzimas no DNA. A fim de determinar o espectro de mutação causado pelos flavonóides da aroeira, DNA plasmidial foi transformado previamente tratado com as frações enriquecidas em flavonóides em cepas deficientes em enzimas de reparo de DNA, seguido de seleção por coloração com x-gal (seleção azul-branco), amplificação de DNA por PCR e sequenciamento dos clones mutantes. Análise dos mutantes obtidos nas cepas CC104, CC104mutM, CC104mutY e CC104mutMmutY indicaram a predominância de mutações do tipo G:C para C:G, que pode estar correlacionada a origem de 8-oxoG, devido a lesões oxidativas causadas pelos flavonóides. Assim, pode-se concluir que os flavonóides isolados ou em frações enriquecidas nos mesmos são responsáveis pelo potencial mutagênico dos extratos da aroeira, que as lesões geradas são oxidativas, predominando a formação de 8-oxoG, devido à formação de EROs, e que são reconhecidas por enzimas do sistema de reparo por excisão de base. Desta forma, propõe-se que os flavonóides possam gerar espécies reativas de oxigênio de duas maneiras diferentes: i) em uma reação Fenton-like, quando os flavonóides estão na presença de metais e água ou ii) devido à estrutura interna da molécula de flavonóide pela disposição e quantidade de grupamento hidroxilas na própria molécula. As lesões podem ser geradas diretamente (sugerido pelos experimentos de tratamento in vitro) ou indiretamente (pelos experimentos obtidos com as linhagens CC)
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13128
Aparece nas coleções:PPGCSA - Doutorado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
FranciscoNTVB_TESE_PARCIAL.pdf101,47 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir
FranciscoNTVB_TESE.pdf4,59 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir    Solictar uma cópia


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.