Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13218
Título: Dos direitos da personalidade e a lei de doação de órgãos: o que há para cartografar?
Autor(es): Dantas, Herlaine Roberta Nogueira
Palavras-chave: Doação de órgãos;Diagnóstico de morte Encefálica e ética.;Organ donation;Diagnosis of brain death;Ethics
Data do documento: 10-Dez-2010
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: DANTAS, Herlaine Roberta Nogueira. Dos direitos da personalidade e a lei de doação de órgãos: o que há para cartografar?. 2010. 71 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.
Resumo: This study aimed at examining the representation and the level of knowledge as well as getting acquainted whether there had been significant divergence among three social groups of 3rd year Law students, 7th period Medical students at UFPB and a group of people from the Catholic Church in vila dos pescadores in João Pessoa - about organ donation, transplant law and ethical issues that raise questions. In order to accomplish the qualitative analysis, Bardin´s content analysis technique was applied in conjunction with the Chisquare test which was applied with significance level of 5% to quantitative data. The data revealed that most informants agree with organ donation, Although they are not acquainted with the law of transplants, and with the lack of confidence in the single list of recipients. The problem is that there is an encouragement to trades with organs and the possibility of any person legally authorized to donate organs in life. The statistically significant difference was observed in only two questions, ie, in response to the confidence in the diagnosis of brain death: 64% of 7th period Medical students at UFPB trust this diagnosis versus 12% of the evangelizing group of vila dos pescadores. The other difference refers to the answer about the confidence in the single list of recipients: 36% of the 7th period Medical students of UFPB said to trust the list versus 12% of the 3rd law students of UFPB. This is was a multidisciplinary study with Involvement of lawyers and doctors
metadata.dc.description.resumo: O presente estudo teve por objetivo analisar a representação, o nível de conhecimento, bem como saber se existia divergência significativa entre três grupos sociais estudantes de direito do 3º ano e de medicina do 7º período da UFPB e um grupo de pessoas da igreja católica na vila dos pescadores em João Pessoa-PB sobre a doação de órgãos, lei dos transplantes e temas que suscitam questionamentos éticos. Aplicou-se a técnica de análise de conteúdo de Bardin para a análise qualitativa e o teste Qui-quadrado com nível de significância de 5% para os dados quantitativos. Os dados mostraram que a maioria dos entrevistados é favorável a doação de órgãos, que não conhece a lei de transplantes, como também não confia na lista única de receptores. E que há um favorecimento ao comércio de órgãos, a possibilidade de qualquer pessoa autorizada judicialmente ser doador de órgãos em vida. A diferença estatisticamente significativa só foi observada em dois questionamentos, ou seja, na resposta sobre a confiança no diagnóstico de morte encefálica: 64% dos estudantes de medicina do 7° período da UFPB confiam nesse diagnóstico versus 12% do grupo evangelizador da vila dos pescadores. A outra diferença foi na resposta sobre a confiança na lista única de receptores: 36% dos estudantes do 7° período de medicina da UFPB afirmaram confiar na lista versus 12% dos estudantes de direito do 3° ano da UFPB. A realização desse estudo teve caráter multidisciplinar com envolvimento de advogados e médicos
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13218
Aparece nas coleções:PPGCSA - Doutorado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
HerlaineRND_TESE.pdf753,7 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.