Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13323
Título: Análise cintilográfica da deposição pulmonar de radioaerossol após associação da nebulização através dos dispositivos mesh e jato com a ventilação não invasiva em indivíduos normais e com pneumopatias obstrutivas crônicas
Autor(es): Galindo Filho, Valdecir Castor
Palavras-chave: Cintilografia pulmonar. Nebulizador. Radioaerossol. Volume residual. Asma. Doença pulmonar obstrutiva crônica
Data do documento: 14-Jun-2013
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: GALINDO FILHO, Valdecir Castor. Análise cintilográfica da deposição pulmonar de radioaerossol após associação da nebulização através dos dispositivos mesh e jato com a ventilação não invasiva em indivíduos normais e com pneumopatias obstrutivas crônicas. 2013. 249 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.
metadata.dc.description.resumo: A via inalatória tem sido comumente utilizada para a deposição de drogas broncodilatoras diretamente no trato respiratório, principalmente pelos efeitos de respostas imediatas e por minimizar os efeitos colaterais sistêmicos observados pela via oral nos pacientes com doença respiratória crônica (asmáticos e doença pulmonar obstrutiva crônica DPOC, dentre outras). Durante a fase de exacerbação, a ventilação não invasiva (VNI) tem sido utilizada na prática clínica nos pacientes com persistência do desconforto respiratório, tendo seus benefícios clínicos sido bem estabelecidos na literatura. O percentual de deposição pulmonar do radioaerossol utilizando o nebulizador de jato (NJ) durante o uso da pressão positiva atinge valores de 1 a 3%, porém uma nova geração de dispositivos para nebulização designado nebulizador de membrana (NM), têm mostrado resultados promissores em estudos com modelo animal e in vitro, pois a quantidade de radioaerossol depositada é duas vezes maior quando comparado ao NJ. Entretanto, nas bases de dados pesquisadas não foram evidenciados estudos in vivo envolvendo a associação da VNI com o NM em indivíduos normais, asmáticos e DPOC estáveis. Desta forma, os objetivos deste estudo foram: 1) quantificar a quantidade de radioaerossol depositado nos diferentes segmentos pulmonares (gradiente vertical terços superior, médio e inferior; gradiente horizontal regiões central, intermediária e periférica) e 2) analisar a deposição do radioaerossol nos diferentes compartimentos pulmonares (pulmonar e extrapulmonar) em indivíduo saudáveis, asmáticos e com DPOC, dispondo do NJ e NM associado à VNI. Desta forma, foram produzidos três artigos científicos, cujos desenhos de estudo foram ensaios clínicos do tipo crossover, envolvendo as diferentes amostras de sujeitos acima descritos. O método utilizado foi reproduzido semelhantemente em cada amostra através da randomização para eleição de qual dispositivo utilizar inicialmente e dividiu-se em duas fases: Fase 1 (VNI+NJ) e Fase 2 (VNI+NM). Para inalação utilizou-se o 99mTc-DTPA tecnésio) com radioatividade de 25 mCi, drogas broncodilatoras e solução salina (Soro fisiológico a 0.9%) até completar um volume de 3 mL dentro do nebulizador. Utilizou-se a VNI com dois níveis de 2 pressão (inspiratória = 12 cmH2O e expiratória = 5 cmH2O). Após a inalação, as imagens cintilográficas eram obtidas pela gama câmera e desenhadas as regiões de interesse (ROI), sendo de imediato realizada a análise nos diferentes compartimentos. Como resultados dos três artigos produzidos, observamos maior deposição do radioaerossol com o NM quando comparado ao NJ, sendo observado 972013±214459 contagens versus 386025±130363 (p=0.005) contagens nos indivíduos normais; 1198479±434174 contagens versus 426803±151758 contagens (p = 0.005) nos asmáticos e 1867044±456120 contagens versus 579729±312261 contagens (p=0.005) nos pacientes com DPOSC. Também foi observado nas três amostras analisadas, maior deposição da massa do aerossol inalada no NM em comparação ao NJ (23.07% versus 6.13%, p=0.005; 22.75% versus 7.27%, p=0.005; 19.90% versus 7.03%, p=0.008) nos indivíduos normais, asmáticos e com DPOC, respectivamente. Ainda, em termos percentuais, verificou-se maior deposição a nível pulmonar e menor volume residual no dispositivo NM comparado ao NJ. Concluindo, os três artigos tratam-se dos primeiros ensaios clínicos crossover envolvendo a VNI em associação ao NM, tendo evidenciado maior deposição do radiaerossol em comparação ao NJ em indivíduos saudáveis (depositou > 2,5 vezes mais), asmáticos (depositou > 2,8 vezes mais) e com DPOC (deposição > 3 mais). Estes resultados podem direcionar os profissionais da Área de Saúde que utilizam a prática inalatória, no momento de escolher qual dispositivo de inalação capaz de otimizar a deposição pulmonar dos aerossóis durante o tratamento das doenças respiratórias crônicas
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13323
Aparece nas coleções:PPGCSA - Doutorado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ValdecirCGF_TESE.pdf5,29 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.