Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13523
Título:  Imagens e contra-imagens do estado": considerações sobre a sociedade civil em Gramsci e Habermas
Autor(es): Rocha, Sandra Damasceno da
Palavras-chave: Sociedade civil;Estado;Ação política;Antônio Gramsci;Habermas;Civil Society;State;Political action;Gramsci;Habermas
Data do documento: 30-Nov-2007
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: ROCHA, Sandra Damasceno da. Imagens e contra-imagens do estado": considerações sobre a sociedade civil em Gramsci e Habermas. 2007. 136 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional; Cultura e Representações) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2007.
Resumo: The theme of civil society has resonated significantly in the analysis of social science studies and has long been the center of public opinion, applied to a vast range of contexts, significances and political ideological connotations. Starting with such an unstable theoretical scenario, our research proposal scrutinized two civil society analysis traditions. Embodied by Antonio Gramsci and Jürgen Habermas, these politically conceptual differences are significantly divided into distinct interpretations of the relationship between the state and civil society. On one side, in Gramsci's work, we observe civil society as historically constituted through "molecular expansion of the state", organizing itself during its obligatory constitutive moment. On the other, Habermas shows us a civil society instituted from the structural differentiation process of society developed due to the contradiction existing between the different ways the state administration is organized, the economy and daily social interaction (in which it is found). As a consequence, civil society is no longer seen as a political arena and the hegemonic catalyst of the state, but as a social arrangement destined to increase the viability of the ethical and dialogical reconstruction of social life. It follows that the understanding of the distinctions between both models of civil society become crucial in the measure that they are divided in relation to the delineation of acting agents, fighting strategies, and to the objective of their actions.Despite the existence of analytical dissonance, we intend to outline the common points between both these civil society analysis traditions whose conflicting political action models lead us to a greater understanding of our contemporary political scene. This will be done starting with the systematization of both selected authors' principal categories, and through the introduction of the "contra-hegemonic public sphere" concept
metadata.dc.description.resumo: O tema da sociedade civil tem tido bastante ressonância nas análises dos estudiosos das ciências sociais e tem estado no centro dos debates da opinião pública, aplicado a uma vasta gama de contextos, significados e conotações político-ideológicas. Partindo de um cenário teórico tão instável, nossa proposta de pesquisa se dirigiu no sentido de perscrutar duas tradições de análise do conceito de sociedade civil corporificadas nas obras de Antonio Gramsci e Jürgen Habermas cujas diferenças político-conceituais se desdobram, de maneira bastante evidente, em interpretações distintas acerca das relações entre Estado e sociedade. Se, por um lado, observamos na obra de Gramsci uma sociedade civil constituída historicamente a partir de um processo de expansão molecular do Estado , e se organizando enquanto seu ineliminável momento constitutivo; por outro, nos é apresentada por Habermas uma sociedade civil que, contrariamente, se instituiu a partir do processo de diferenciação estrutural da sociedade e se desenvolveu como resultado da contradição entre as formas administrativas de organização do Estado, da economia e da interação social cotidiana (na qual ela se localiza). Como conseqüência, transitou-se de uma imagem de sociedade civil como palco de lutas políticas e empenhos hegemônicos dentro do Estado em sentido amplo, para uma imagem que a converte em um arranjo societal destinado a viabilizar a reconstrução ética e dialógica da vida social. Neste sentido, o entendimento das distinções entre os dois modelos de sociedade civil torna-se crucial na medida em que eles se desdobram em projetos políticos díspares, seja no delineamento de seus atores, nas estratégias de lutas ou no alcance de suas ações. Pretendemos, portanto, a partir da sistematização das principais categorias dos dois autores selecionados, e através da introdução do conceito de esfera pública contra-hegemônica , perceber, além das dissonâncias analíticas, as possibilidades reais de articulação entre estas duas tradições de análise da sociedade civil, cujos modelos de ação política tão conflitantes nos ajudam a entender melhor nosso cenário político contemporâneo.
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13523
Aparece nas coleções:PPGCS - Mestrado em Ciências Sociais

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
SandraDR.pdf533,44 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.