Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13759
Título: As práticas educativas na saúde da família: uma cartografia simbólica
Autor(es): Fernandes, Suzana Carneiro de Azevedo
Palavras-chave: Educação em Saúde;Saúde da Família;Concepção Dialógica;Health Education;Family Health;Factual Design
Data do documento: 29-Nov-2010
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: FERNANDES, Suzana Carneiro de Azevedo. As práticas educativas na saúde da família: uma cartografia simbólica. 2010. 254 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional; Cultura e Representações) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.
Resumo: This qualitative research aimed to understand the educational activities carried out in Family Health Units, of the municipality of Mossoró-RN. It was used symbolic cartography to organize and present data from reality. It started on the approach of Health Education and knowledge transformation practice, aiming at the development of autonomy and responsibility of individuals and healthcare, publicized by the appreciation of the interpersonal relations area established in services, such as educational emancipator practices contexts. Individual and collective interviews were realized, conducted with health professionals and users of ESF, about themes, activities, membership, the difficulties, the potential and the design of health education that permeate everyday Family Health Strategy. From what was apprehended, thematic maps were done with the analysis of educational practices of professionals belonging to the Family‟s Health. Links are built with the wires of conceptions of education reflected on themes and activities of family health teams. The storylines are rebinded by voices about the difficulties and the potential of educational processes for emancipator postures. For users, health education means proper care and information on disease prevention. Professionals understand that it is all information that is given to users, about health, social well-being, economic and general condition of human being as a way of preventing and treating disease. Mark printed on voices denote that activities and themes worked don‟t motivate users enough for their participation, being that physicians and dentists also get excluded themselves from educational practices. Elderly groups are those who get most involved with the activities. The size of the contained area and its seclusion from community make harder the access of users, as well as diminishing the quality of educational actions and links users-professionals. Therefore, the searching for medicines, medical consultations and wish to be well served are trademarks of voices from the users that interconnect with enlightening information and guidelines offered by professionals to users. It brings out practices that need to incorporate the social, the subjective and act with practices of prevention and health promotion, on the basis of lifestyles. The dialogical model, which needs to be approached since planning phase of health education actions could arouse interest of involved groups; promoting a relationship of dialogue and listening; discussing the local reality; stimulating practical methodological dialetics; promoting processes of deconstruction of concepts, values and attitudes, as more necessary than construction, using multiple languages. The defended thesis denotes paths to other studies aimed at understanding a dialogical template committed to exchanges of knowledge, and discover strategies that encourage formation of critical consciousness and the discovery of how is the training of new generations of healthcare professionals to belong to the project of society, in its technical, scientific, pedagogical, ethical, political and humanistic dimensions
metadata.dc.description.resumo: Esta pesquisa qualitativa buscou compreender as atividades educativas, realizadas em Unidades de Saúde da Família, do Município de Mossoró-RN. Utilizou-se da cartografia simbólica para organizar e apresentar os dados da realidade. Partiu da abordagem da Educação em Saúde como prática de transformação de saberes, visando o desenvolvimento da autonomia e da responsabilidade dos indivíduos no cuidado à saúde, mediatizada pela valorização do espaço das relações interpessoais estabelecidas nos serviços, como contextos de práticas educativas emancipatórias. Realizou entrevistas individual e coletiva, com profissionais de saúde e usuários da ESF, sobre os temas, as atividades, a participação, as dificuldades, as potencialidades e a concepção da educação em Saúde que permeiam o cotidiano da Estratégia Saúde da Família. Do apreendido fez mapas temáticos com a análise das práticas educativas dos profissionais que integram a Saúde da Família. Constrói laços com os fios das concepções de educação refletidas nos temas e nas atividades das equipes de Saúde da Família. Religa os enredos das vozes sobre as dificuldades e as potencialidades dos processos educativos em prol de posturas emancipatórias. Para os usuários a Educação em Saúde significa bom atendimento e a veiculação de informações sobre a prevenção das doenças. Os profissionais entendem que é toda informação que se dá aos usuários, sobre a saúde, o bem estar social, econômico e o estado geral do ser humano, como forma do mesmo se prevenir e tratar a doença. As marcas impressas nas vozes denotam que as atividades e os temas trabalhados pouco motivam os usuários à participação, sendo que os médicos e dentistas também se excluem das práticas educativas. Os grupos de idosos são os que mais se envolvem com as atividades. O tamanho da área adstrita e seu distanciamento da comunidade dificultam o acesso dos usuários, bem como, diminuem a qualidade das ações educativas e os vínculos usuários-profissionais. Por conseguinte, a busca de medicamentos, a necessidade de consultas médicas e a vontade de serem bem atendidos são marcas das vozes dos usuários que se interligam com as informações esclarecedoras e orientadoras oferecidas pelos profissionais aos usuários. Disto decorre que as práticas necessitam incorporar o social, o subjetivo e atuar com práticas de prevenção e promoção a saúde, com base nos estilos de vida. O modelo dialógico a ser adotado desde a fase do planejamento das ações de educação em saúde poderia despertar o interesse dos grupos envolvidos; promover uma relação de diálogo e de escuta; problematizar a realidade local; estimular a prática metodológica dialética; promover processos de desconstrução de conceitos, valores e posturas, como mais necessários que o de construção, usando múltiplas linguagens. A tese defendida denota caminhos para outros estudos voltados para a compreensão de um modelo dialógico compromissado com as trocas de saberes e a descoberta de estratégias que favoreçam a formação da consciência crítica e a descoberta de como está a formação das novas gerações profissionais da saúde, de modo a pertencer ao projeto de sociedade, nas suas dimensões técnica, científica, pedagógica, ética, humanística e política
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13759
Aparece nas coleções:PPGCS - Doutorado em Ciências Sociais

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
SuzanaCAF_TESE.pdf4,36 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.