Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14044
Título: Ajudando os inimigos: espécies nativas facilitam a invasão do semiárido brasileiro por árvores exóticas
Autor(es): Fernandez, Laura Martina
Palavras-chave: Facilitação. Invasões biológicas. Semiárido. Caatinga. Espécies exóticas. Árvores nativas. Interações espécie-específicas
Data do documento: 30-Ago-2013
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: FERNANDEZ, Laura Martina. Ajudando os inimigos: espécies nativas facilitam a invasão do semiárido brasileiro por árvores exóticas. 2013. 50 f. Dissertação (Mestrado em Bioecologia Aquática) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.
metadata.dc.description.resumo: Interações positivas entre plantas nativas são forças fundamentais determinantes da estrutura e composição de comunidades em habitats estressantes. Em ecossistemas áridos e semiáridos, as condições microclimáticas fornecidas pelas árvores nativas ( enfermeiras ) são um fator chave, promovendo o estabelecimento de plântulas arbóreas. Escassos estudos avaliam se esse mecanismo beneficia também espécies exóticas. Este trabalho visou testar se árvores exóticas podem ser facilitadas por árvores nativas para invadir o bioma semiárido Caatinga. Realizou-se um experimento na Estação Ecológica do Seridó (RN, Brasil), com um desenho fatorial em blocos, incluindo duas espécies exóticas invasoras importantes Leucaena leucocephala e Prosopis pallida, assim como cinco espécies nativas dominantes Aspidosperma pyrifolium, Combretum leprosum, Croton sonderianus, Poinceianella pyramidalis e Mimosa tenuiflora. Quatro mil sementes das espécies exóticas (alvo) foram semeadas em presença e ausência das plantas enfermeiras. Nós encontramos evidencias de que árvores nativas podem facilitar a invasão de espécies exóticas neste bioma. A presença de enfermeiras reduziu a temperatura do solo incrementando tanto o número de sementes germinadas quanto a altura máxima das plântulas, assim como o número máximo de folhas e a sobrevivência das mesmas. A predação de sementes de L. leucocephala não variou com a presença das árvores nativas, enquanto que a herbivoria média das folhas foi maior dentro da copa, diminuindo a intensidade da facilitação. A intensidade do efeito facilitador foi maior para L. leucocephala do que para P. pallida. Os resultados indicam que a intensidade de facilitação na fase de germinação pode variar dependendo da espécie da planta enfermeira, enquanto que a herbivoria demostrou ser um processo espécie-específico. Todas as plântulas morreram passados sete meses do experimento devido a condições de extrema seca. Por fim conclui-se que as modificações microclimáticas associadas com espécies enfermeiras podem ser importantes para o sucesso de germinação e estabelecimento de plântulas de espécies exóticas em ambientes semiáridos, porém em anos secos a facilitação não é suficiente
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14044
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Ecologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LauraMF_DISSERT.pdf1,79 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.