Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14281
Título: Itinerário educacional de uma aluna cega e a busca pela imagem adaptada
Autor(es): Oliveira, Rubem Varela de
Palavras-chave: Inclusão escolar;Deficiência visual;Imagem adaptada;School inclusion;Visual disability;Adapted image
Data do documento: 18-Nov-2008
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: OLIVEIRA, Rubem Varela de. Itinerário educacional de uma aluna cega e a busca pela imagem adaptada. 2008. 171 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.
Resumo: The scope of this study directs an investigation in search of how the blind person learns knowledge at school mediated by the image in context of an inclusive education and how it can be (or is) triggered by the adaptation of images to the tactile seizure of the blind person and his correlative process of reading. To achieve this intent we choose a qualitative approach of research and opted for the modality of case study, based on the empirical field of a public school in the city of Cruzeta, RN and as a the main subject a congenitally blind female student enrolled in high school there, focusing, often, on the discipline of geography in its words mapping. Our procedures for construction of data are directly involved to the documentary analysis of open reflective interview and observation. The base guiding theory of our assessments is located in the current understanding about the human psychological development of its educational process inside an inclusive perspective, of contemporary conceptions about the visual disability as well of image as a cultural product. Accordingly, the human person is a concrete subject, whose development is deeply marked by the culture, historically built by human society. This subject regardless of his specific features, grasping the world in an interactive and immediate way, internalising and producing culture. In this thinking, we believe that the blind person perceives in multiple senses the stimuli of his environment and acts in the world toward his integration into the social environment. The image as a product of culture, historically and socially determined, appears as a sign conventionally used as an icon that in itself concentrates knowledge of which the student who does not realize visually himself and his surroundings cannot be excluded. In this direction, the inclusive educational process must build conditions of access to knowledge for all students without distinction, including access to the interpretation of the images originally intended for the seizure strictly visual to other perceptive models. Based in this theory and adopting principles of content analysis, we circulated inside the interpretation of the data constructed from the analysis of documents, from the subject speeches, from records of the observation made in the classroom and other notes of the field daily. In the search for pictures on the school contents, adapted to the tactile seizure of blind student, was seen little and not systematic in practice and teaching at the school. It showed us the itinerary of the student life marked by a succession of supports, most of the time inappropriate and pioneers in cooling the construction of her autonomy. It also showed us the tensions and contradictions of a school environment, supposedly inclusive, that stumbles in search of its intent, in the attitudinal and cumulative barriers brought, because of its aggravating maintenance. These findings arose of crossing data around of a categorization that gives importance to 1) Concepts regarding the school inclusion, 2) Elements of the school organization, educational proposal and teaching practice, 3) Meaning of the visual image as the object of knowledge, 4) Perception in multiple senses and 5) Development and learning of the blind person before impositions of the social environment. In light of these findings we infer that it must be guaranteed to the disabled person removal of the attitudinal barriers that are against his full development and the construction of his autonomy. In that sense, should be given opportunity to the student with visual disability, similarly to all students, not only access to school, but also the dynamics of a school life efficient, that means the seizure of knowledge in all its modalities, including the imagery. To that end, there is a need of the continued training of teachers, construction of a support network in response to all needs of students, and the opportunity to development of reading skills beyond a perspective eminently focused in the sight
metadata.dc.description.resumo: O escopo deste trabalho orienta uma investigação em busca de como a pessoa cega apreende saberes escolares mediados pela imagem em um contexto de educação inclusiva e como pode ser (ou é) desencadeada a adaptação das imagens para a apreensão tátil da pessoa cega e seu correlato processo de leitura. Para a obtenção deste intento avocamos uma abordagem qualitativa de pesquisa e optamos pela modalidade de estudo de caso, tomando como campo empírico uma escola pública da cidade de Cruzeta/RN e como sujeito principal uma aluna cega congênita ali matriculada no Ensino Médio, enfocando, amiúde, a disciplina de geografia em sua expressão cartográfica. Nossos procedimentos de construção de dados transitam pela análise documental, a entrevista reflexiva aberta e a observação. O embasamento teórico norteador de nossas apreciações localiza-se no entendimento atual acerca do desenvolvimento psicológico humano, do seu processo educacional, numa perspectiva inclusiva, e ainda, das concepções contemporâneas acerca da deficiência visual e da imagem como produto cultural. Nessa perspectiva, a pessoa humana é sujeito concreto, cujo desenvolvimento é profundamente marcado pela cultura, historicamente construída pela sociedade humana. Esse sujeito, independentemente de suas especificidades, apreende o mundo, interativa e mediatamente, internalizando e produzindo cultura. Nesse pensar, entendemos que a pessoa cega percebe multissensorialmente os estímulos de sua ambiência e age no mundo na direção de sua inserção no meio social. A imagem, como um produto da cultura, histórica e socialmente determinada, desponta como um signo convencionalmente icônico que em si mesma concentra conhecimento, do qual não pode ser alijado o aluno que não percebe visualmente a si e seu entorno. Nessa direção, o processo educacional inclusivo deve construir as condições de acesso ao conhecimento por parte de todos os alunos, indistintamente; inclusive o acesso à interpretação das imagens inicialmente destinadas à apreensão estritamente visual a outros modelos perceptivos. Firmados nessa fundamentação e adotando princípios da análise de conteúdo, decorremos à interpretação dos dados construídos a partir da análise dos documentos, dos discursos dos sujeitos, dos registros de observação realizadas na sala de aula e demais anotações no diário de campo. A busca pelas imagens nos conteúdos escolares, adaptadas para a apreensão tátil da aluna cega, que verificamos escassas e assistemáticas na prática pedagógica da escola, descobriu-nos o itinerário de vida da aluna marcado por uma sucessão de apoios, a maior parte das vezes, inadequados, deflagradores do arrefecimento da construção de sua autonomia. Revelou-nos também as tensões e contradições de uma ambiência escolar pretensamente inclusiva que tropeça, em busca de seu intento, nas barreiras atitudinais interpostas e cumulativas, em virtude de sua agravante manutenção. Essas constatações insurgiram do entrecruzamento dos dados em volta de uma categorização que releva 1) Concepções relativas à inclusão escolar, 2) Elementos da organização escolar, proposta pedagógica e prática docente, 3) Significação da imagem visual como objeto do conhecimento, 4) Percepção multissensorial, e 5) Desenvolvimento e aprendizagem da pessoa cega ante às injunções do meio social. Em face dessas constatações inferimos que deve ser garantida à pessoa com deficiência a remoção das barreiras atitudinais que se interpõem a seu pleno desenvolvimento, à construção de sua autonomia. Nesse sentido, deve-se oportunizar ao aluno com deficiência visual, semelhantemente a quaisquer alunos, não apenas o acesso ao espaço escolar, mas à dinâmica da vida escolar eficaz, que subtende a apreensão do conhecimento em todas as suas modalidades, inclusive a imagética. Para tanto, urge a formação continuada dos professores, a construção de uma rede de apoio em atendimento a todas as necessidades dos alunos, a oportunização do desenvolvimento de habilidades de leitura para além de uma perspectiva eminentemente visuocêntrica
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14281
Aparece nas coleções:PPGED - Mestrado em Educação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RubemVO.pdf776,24 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.