Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14581
Título: Ensinar/aprender a gostar de história: saberes docentes e construção do conhecimento histórico escolar com professores de Arez-RN
Título(s) alternativo(s): Teaching and learning to enjoy history: teachers wisdoms and construction of historical-school knowledge with teachers from Arez-RN
Autor(es): Chacon, Diego Firmino
Palavras-chave: Ensino de história. Professores interioranos. Saberes docentes. Conhecimento histórico praticado. Ensino médio;Teaching of history. Countryside teachers. Teachers knowledge. Historical knowledge in practice. High school
Data do documento: 6-Dez-2013
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: CHACON, Diego Firmino. Teaching and learning to enjoy history: teachers wisdoms and construction of historical-school knowledge with teachers from Arez-RN. 2013. 212 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.
Resumo: This dissertation aims to analyze the relevant knowledge in countryside History teachers practice in high school and understand how these teachers themselves construct school knowledge in History, from the mobilization of different knowledge that make up teaching practice. Tree teachers from State Jacumauma High School and the researcher himself worked together in order to carry out this survey. The main theoretical-methodological elements of this research are based on assumptions of a qualitative research in cooperation. This approach was used to make possible to construct knowledge between teachers and researcher considering a less oppressive relationship as well as to help a continuous school upbringing of the individuals what can make them to understand the professional practice as an aspect in which one can exercise autonomy and criticism. The empirical research procedures were oral individual interviews, reflexive sessions and cooperative observations. Individuals speeches have presented, in some moments, teachers concerns about the educational fragmented system in which there are few opportunities to dialogic interactions among educationalists making still more difficult the dialog between school and reality surrounds it. Their assertions pointed out that relevant knowledge can be identified during the daily educational work and that they find proper reasons from the aim that each knowledge exerts in relation to the construction of professional practice. Classroom connections points out to more intense interactions between teachers and students, by recognizing affection as an important tool in order to make the interactions not so authoritarian at all. Regarding the countryside teachers understanding, the school knowledge in History is produced by sharing concerns and senses assigned by the individuals who are involved in the teaching-learning process. The referential science knowledge pervade History teaching, however they take another meaning according to specific features of the school environment. The intense and complex dynamic of the educational context makes that historical knowledge acquires specific characteristics that are constantly changing. As they change, there are some marks of elaborations and re-elaborations not only the new but also the traditional
metadata.dc.description.resumo: Esta dissertação tem o objetivo de analisar os saberes que se tornaram referenciais nas práticas docentes de professores interioranos de História no Ensino Médio e compreender a constituição do conhecimento escolar de História por estes professores, a partir da mobilização dos diferentes saberes que compõem a prática docente. Os colaboradores desta pesquisa foram três professores da Escola Estadual Jacumaúma e o pesquisador. Os fundamentos teórico-metodológicos desta investigação se baseiam nos pressupostos da pesquisa qualitativa de tipo colaborativa. A utilização de tal abordagem teve como intenção propiciar a construção de conhecimentos entre docentes e pesquisador a partir de relações menos opressivas de poder e, também, de contribuir para uma formação contínua dos sujeitos, possibilitando-lhes o entendimento da prática profissional como espaço para exercício da autonomia e da criticidade. A pesquisa empírica teve como procedimentos entrevistas orais individuais, sessões reflexivas e observações colaborativas. Os discursos dos sujeitos apresentaram, em alguns momentos, as inquietações dos docentes com um modelo escolar fragmentado em que existe pouco espaço para interações dialógicas entre os educadores e que dificulta a consolidação de interlocuções da escola com a realidade que os envolve. Suas colocações apontaram que os saberes entendidos como referenciais são aqueles que podem ser identificados no cotidiano do trabalho educacional e que encontram justificativas próprias a partir da finalidade que cada um exerce na construção da prática profissional. As relações em sala de aula sinalizam para uma interação mais intensa entre professores e alunos, mobilizando a afetividade como um saber para oportunizar relações menos autoritárias. Na compreensão dos professores interioranos, o conhecimento histórico escolar se produz no compartilhamento de interesses e sentidos atribuídos pelos sujeitos envolvidos no processo de ensino-aprendizagem. Os saberes da ciência de referência perpassam o ensino escolar de História, mas eles são ressignificados de acordo com as especificidades próprias do espaço escolar. A dinâmica intensa e complexa do contexto educacional faz com que o conhecimento histórico praticado vá ganhando características específicas e que estão em constante movimento. Nestes movimentos existem marcas de elaborações e reelaborações do novo e do tradicional
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14581
Aparece nas coleções:PPGED - Mestrado em Educação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DiegoFC_DISSERT.pdf1,75 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.