Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14654
Título: Uma intervenção educativa para profissionais de saúde na prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica
Título(s) alternativo(s): An educative intervention for the health-care workers to prevent ventilator-associated pneumonia
Autor(es): Melo, Cristiane Ribeiro de
Palavras-chave: Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV);Prevenção;Educação;Ventilator-associated pneumonia (VAP);Prevention;Education
Data do documento: 29-Mai-2008
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: MELO, Cristiane Ribeiro de. An educative intervention for the health-care workers to prevent ventilator-associated pneumonia. 2008. 142 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.
Resumo: Quasi-experimental study, prospective with quantitative approach, performed at the Hospital do Coração in Natal, aimed at verified the existence of difference between the care given by health professionals to the patients under mechanical ventilation (MV) in the Intensive Care Unit, before and after an educative intervention. The population was of 31 professionals, with data collected between november 05 of 2007 to march 27 of 2008. The results show a yong population, female gender, middle level of education, nursing technique, working between 05 and 09 years on nursing profession, and 01 to 04 years on Intensive Care Unit; almost all, never had an kind of training over prevent pneumonia associated to mechanical ventilation; from those that had training, occur on the work place with duration from 12 to 24 hours. About endotracheal intubation, the cuff was tested with a sterilized syringe had a positive change after a educative intervention, increased from 75,0% to 100,0%; the sterile guide was used on 75,0% before and 100,0% after an educative intervention. Regarding endotracheal suction procedure, was not informed to the patient on 72,7% before, however was informed on 56,7% after; the hands was not previously washed 68,5% before, however was 63,3% after the procedure; mask was used on 74,2 % opportunities before and 76,7% after; the aspiration catheter had adequated size on 98,9% observation before and 100,0% after; the gaze was sterilized on 95,7% before and 100,0% after; the ventilator was connected to the patient during the aspiration intervals on 94,4% observation before and 100,0% after; the ambu bag was clean and protected on 76,1% before and 85,7% after; the aspiration catheter was discarded after be used on 98,9% before and 100,0% after; FIO2 was turned to the begging value on 32,9% observation before and 12,0% after; before the procedure 71,9% professions washed their hands and 73,3% after; before, notes of aspiration results were performed on 70,8% observation and 86,7% after. Regarding devices used on respiratory tract, aspirator flasks were not swapped on 84,6% observations before and 71,0% after; daily látex extention change was not performed on 93,6% observation before and 87,1% after; the ambu bag change was not performed on 50,0% observation before even if was duty or unprotected and on 75,8% opportunities was changed, after; nebulization was not prepared with sterile fluids or manipulated aseptically on 65,2% observation before, perhaps was on 71,7% after; before nebulizers were not changed on 65,2% observations, perhaps were on 60,9% after. Concerning ventilator breathing circuits, condense fluids cumulated on circuits were removed on 55,0% opportunities before, and 64,0% after; moisturizer was not filled with sterile water when already had small amount of liquid inside on 78,4% observations before, and 90,2% after; MV circuits were changed on 97,0% observations on presence of visible duty or when presents some kind of failure, before and 98,4% after. About body position, on 51,3% observations the decubitus position change were done before and 78,2% after; fowler position was maitened on 95,5% observations before and 98,2% after; Regarding respiratory physiotherapy, enteral diet was not interrupted before respiratory physiotherapy on 94,9% before and 90,0% after; respiratory physiotherapy devices were not disinfected or sterile on 69,6% observations before but they re on 60,0% after; before the cateter was not tested before introduction enteral diet or medications on 100,0% but after was done on 15,2%. About enteral feeding, intestine motility and measure of stomach contents were not done on 100,0% observations before, but was 15,2% after. We conclude that 05 of 07 valuated procedures in relation to MV, had a significant improvement on quality of care given after educative intervention, when compared before intervention
metadata.dc.description.resumo: Estudo quase-experimental, com abordagem quantitativa, delineamento tempo-série e dados prospectivos, realizado no Hospital do Coração de Natal, objetivando verificar a existência de diferença entre a assistência prestada pelos profissionais de saúde aos pacientes sob ventilação mecânica (VM) internados na UTI, antes e após uma intervenção educativa. A população fo de 31 profissionais, com dados coletados entre 05 de novembro de 2007 e 27 de março de 2008. Os resultados mostram uma população jovem, entre 20 e 30 anos de idade, do sexo feminino, ensino nível médio completo, na maioria, técnicos de enfermagem, trabalhando entre 05 e 09 anos na profissão, e 01 e 04 anos em UTI; a maioria nunca realizou treinamento acerca da prevenção de PAV; dos que realizaram, participaram em eventos da instituição com duração entre 12 e 24 horas. Quanto à intubação endotraqueal, o teste do cuff com seringa estéril sofreu modificação positiva, após a intervenção educativa, aumentando de 75,0% para 100,0%; o fio guia estéril foi usado em 75,0% das ocasiões antes e em 100,0% após. Sobre aaspiração endotraqueal, não foi explicado ao paciente sobre esse procedimento em 72,7% das situações antes, mas foi em 56,7% das vezes após; a higienização das mãos não foi realizada previamente em 68,5% das vezes antes, mas foi em 63,3% após; a máscara foi utilizada em 74,2% das oportunidades antes e em 76,7% após; o cateter de aspiração tinha o tamanho adequado em 98,9% das observações antes e em 100,0% após; a gaze usada estava estéril em 95,7% antes e em 100,0% após; o ventilador foi conectado ao paciente durante os intervalos da aspiração em 94,4% das oportunidades antes e em 100,0% após; o ambu estava limpo e protegido em 76,1% das situações antes e em 85,7% após; o cateter de aspiração foi descartado após o uso em 98,9% das oportunidades antes e em 100,0% após; a extensão de látex foi limpa em 86,5% das observações antes e em 93,3% após; a FIO2 foi retornada ao valor inicial em 32,9% das vezes antes e em 12,0% após; a higienização das mãos ao término do procedimento foi feita em 71,9% das situações antes e em 73,3% após; as anotações referentes à aspiração foram feitas em 70,8% das observações antes e em 86,7% após. Quanto aos dispositivos, a troca diária dos frascos aspiradores não foi obedecida em 84,6% das oportunidades antes e em 71,0% após; a troca diária da extensão de látex não foi realizada em 93,6% das vezes antes e em 87,1% após; o ambu não foi trocado em 50,0% das observações, embora estivesse sujo e/ou desprotegido antes, mas em 75,8% das oportunidades esse dispositivo foi trocado após; a nebulização não foi preparada com fluídos não estéreis e/ou manipulada assepticamente em 65,2% das ocasiões antes; entretanto em 71,7% das vezes foram realizados após; os nebulizadores não foram trocados em 65,2% das situações antes, mas foram em 60,9% após. Acerca dos circuitos do VM, o condensado acumulado nos circuitos foi descartado em 55,0% das vezes antes e em 64,0% após; o preenchimento do umidificador com água, não foi feito em 78,4% das vezes em que possuía líquidos remanescentes antes e em 90,2% após; os circuitos do VM foram trocados em 97,0% das oportunidades em que apresentavam sujidade visível ou estavam defeituosos antes e em 98,4% após. Quanto à mudança de decúbito, em 51,3% das vezes antes foi realizada e em 78,2% após; a cabeceira do leito do paciente foi mantida elevada em 95,5% das observações antes e em 98,2% após. Sobre a fisioterapia, a dieta enteral não foi interrompida antes das manobras fisioterápicas em 94,9% das situações antes e em 90,0% após; os materiais usados durante a fisioterapia não estavam desinfetados e/ou estéreis em 69,6% das observações antes, mas estavam em 60,0% após. Quanto à nutrição enteral, o teste da sonda antes de iniciar a dieta enteral ou de administrar medicamentos não foi realizado em nenhuma das oportunidades antes, entretanto foi em 15,2% após; a motilidade intestinal e aferição do conteúdo (residual) gástrico não foram verificadas em nenhuma das observações, mas foi em 15,2%, após. Concluímos que, em 05 dos 07 procedimentos avaliados em relação à VM, houve melhora significativa na qualidade da assistência prestada quando comparados ao momento anterior à intervenção educativa
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14654
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CristianeRM.pdf5,12 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.