Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14713
Título: Acompanhando o crescimento e o desenvolvimento da criança : uma intervenção integrada entre enfermagem e família
Autor(es): Macedo, Isabelle Pinheiro
Palavras-chave: Atenção primária em saúde;Enfermagem pediátrica;Saúde da criança;Educação em saúde;Primary health attention;Pediatric nursing;Child health;Health education
Data do documento: 17-Dez-2010
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: MACEDO, Isabelle Pinheiro. Acompanhando o crescimento e o desenvolvimento da criança : uma intervenção integrada entre enfermagem e família. 2010. 121 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.
Resumo: The accompanying the growth and development of the child is the guiding line of basic health measures directed at this public, acting within the scope of health monitoring and inferring positively in the rate of infant morbidity and mortality, which are still a preoccupation worldwide and in Brazil. However, mostly, this practice is based on the biomedical model of care, individualized, with emphasis on the medicalization and complaints, favoring the passivity of users. Given this issue, aim to develop accompanying the growth and development of the child in a Basic Unit Family Health, through a collective approach of medical care next to a health team, especially nurses and caregivers. This is a qualitative study, with the research-action method. Involved the four nurses and twenty-six of children's caregivers of the area of Basic Unit Family Health of Cidade Nova, in Natal, in the period from February to July 2010. The results were analyzed following the direction of the thematic analysis of Freire. In the situation analysis of the current reality of the accompanying the growth and development the children in the Basic Unit Family Health, through participant observation and applying a questionnaire to the nurses, we realize that despite these professionals have a knowledge tied to the paradigm of health promotion, in practice the monitoring of child is done through individual consultations in outpatient room, based on complaints brought by caregivers, with little solvability in actions employed. Given the need for change in medical care model, we decided jointly, in the focal group, for the collective monitoring of children's the growth and development, featuring then this proposal to the multidisciplinary team, discussing the participation of professional categories and planned collectively the actions. In the implementation stage of collective action, we contemplate the execution by the caregivers of anamnesis and physical examination, recording data in the Child Health Handbook and discussion of clinical findings, under the supervision of nurses and facilitators. In the evaluation, we found that this collective accompanying strategy allowed to caregivers learn new knowledge, exchange experiences, assistance in home care, beyond reduce the waiting time for medical care and creating opportunity of more time for debate about the children‟s health situation, differing of ambulatory care. As difficulties, we face with a high rate of defaulters (53.8%), lack of motivation and passivity of the users, little participation of other health professionals and nurses' involvement in other activities, technical and bureaucratic in the moment of care. Thus, we note also a strong rooting of individual clinical model on the way of thinking and acting of nurses and caregivers
metadata.dc.description.resumo: O acompanhamento do Crescimento e do Desenvolvimento (CD) da criança é o eixo norteador das ações básicas em saúde voltadas para essa clientela, atuando no âmbito da vigilância à saúde e inferindo positivamente nos índices de morbidade e de mortalidade infantil, que ainda hoje são uma preocupação no mundo e no Brasil. Porém, na maioria das vezes, essa prática é pautada no modelo biomédico de atendimento, individualizado, com ênfase nas queixas e medicalização, favorecendo a passividade dos usuários. Diante dessa problemática, objetivamos desenvolver o acompanhamento do CD da criança em uma Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF), através de uma abordagem coletiva de atendimento junto à equipe de saúde, em especial as enfermeiras, e cuidadoras. Trata-se de um estudo qualitativo, tendo como método a pesquisa-ação. Envolveu as quatro enfermeiras e vinte e seis cuidadoras de crianças da área de abrangência da UBSF de Cidade Nova, no município de Natal, no período de fevereiro a julho de 2010. Os dados foram analisados seguindo o direcionamento da análise temática freireana. No diagnóstico situacional da realidade atual de acompanhamento do CD das crianças na referida UBSF, através da observação participante e aplicação de questionário junto as enfermeiras, percebemos que apesar dessas profissionais terem um conhecimento atrelado ao paradigma de promoção à saúde, na prática o acompanhamento da criança é feito através de consultas individuais em sala ambulatorial, pautado nas queixas trazidas pelas cuidadoras, com pouca resolubilidade nas ações empregadas. Vista a necessidade de mudança no modelo de atendimento, decidimos conjuntamente, no grupo focal, pelo acompanhamento coletivo do CD das crianças, apresentando, em seguida, essa proposta à equipe multiprofissional, sendo discutida a participação das categorias profissionais e planejadas coletivamente as ações. Na etapa de implementação da ação coletiva, contemplamos a execução pelas cuidadoras da anamnese e exame físico, registro dos dados na Caderneta de Saúde da Criança e discussão dos achados clínicos, sob supervisão das enfermeiras e facilitadoras. Na avaliação, constatamos que essa estratégia de acompanhamento coletivo permitiu às cuidadoras a aprendizagem de novos conhecimentos, a troca de experiências, o auxílio nos cuidados domiciliários, além de diminuir o tempo de espera pelo atendimento e oportunizar maior tempo de discussão sobre a situação de saúde das crianças, diferenciando-se do atendimento ambulatorial. Como dificuldades, deparamos-nos com o alto índice de faltosos (53,8%), falta de motivação e passividade das usuárias, pouca participação de outros profissionais de saúde e envolvimento das enfermeiras em outras atividades técnicas e burocráticas no momento do atendimento. Assim, constatamos ainda um forte enraizamento do modelo clínico individual no modo de pensar e agir das enfermeiras e das cuidadoras
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14713
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
IsabellePM_DISSERT.pdf1,81 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.