Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14721
Title: Representações sociais sobre a prática do cuidado para enfermeiros da saúde indígena: um estudo transcultural
Authors: Fernandes, Maria Neyrian de Fátima
Keywords: Enfermagem;Saúde indígena;Cuidado transcultural;Representação social;Nursing;Indigenous health;Transcultural care;Social representations
Issue Date: 16-May-2011
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: FERNANDES, Maria Neyrian de Fátima. Representações sociais sobre a prática do cuidado para enfermeiros da saúde indígena: um estudo transcultural. 2011. 125 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.
Portuguese Abstract: A realização deste estudo surgiu a partir da experiência como enfermeira na saúde indígena, ao observar que muitos profissionais oriundos das mais diversas regiões do Brasil optavam por esta área de atuação. Era notória a dificuldade que o enfermeiro tinha em fixar-se por muito tempo em um único local de serviço. Provavelmente porque o cuidado de saúde na área indígena acontece a partir de um confronto de culturas diversas, pois traz o profissional, de um lado, com todo o seu conhecimento acadêmico e cultura própria e, do outro lado, o índio com seus ritos, usos e costumes peculiares. Neste contexto, o enfermeiro deve definir e negociar a realidade através de representações simbólicas da vida, para, em seguida, questionar a nova realidade. Assim, este estudo busca apreender as representações sociais sobre o cuidado transcultural na saúde indígena para os profissionais enfermeiros. Conhecimento, este, importante para evitar possíveis conflitos, choques, dificuldades e incongruência do cuidado nesse contexto. A coleta de dados foi realizada através de entrevista não-estruturada guiada por um roteiro contendo quatro questões norteadoras e elaboração de um desenho que fosse relacionado ao cuidado do enfermeiro na saúde indígena. A pesquisa contou com a participação voluntária de 17 enfermeiros do Distrito Sanitário Indígena de Manaus, no Estado do Amazonas. Para o tratamento dos dados foi utilizada a Técnica de Análise do Discurso do Sujeito Coletivo, sendo os resultados apresentados em três momentos, a saber: caracterização dos participantes do estudo, discussão das categorias predominantes nos discursos e representação social do cuidado de enfermagem através de infográficos. A análise revelou que o cuidado na saúde indígena é desafiador porque o indígena e seu mundo são percebidos e processados de acordo com a lente cultural dos enfermeiros, levando ao surgimento de alguns estranhamentos e dificuldades de adaptação, principalmente nos primeiros contatos. A RS da prática de enfermagem na saúde indígena, em muitos casos, é projetada e idealizada com base nas crenças disseminadas e nas percepções originadas do senso comum. Percebe-se, pois, que o trabalho de representar é essencial em atenuar as estranhezas iniciais e ajudar o enfermeiro a situar-se melhor no novo universo. A prática de enfermagem na saúde indígena deve ser a fusão das culturas do indígena e do enfermeiro. A partir da Representação Social reconhece-se que a assimilação, a compreensão do sistema de saúde indígena e o uso dos conhecimentos dessas práticas são elementos essenciais para o desenvolvimento de estratégias que podem melhorar o acesso e a qualidade do cuidado aos povos indígenas. Após a análise dos discursos e desenhos realizados pelos enfermeiros, pode-se representar a prática de enfermagem na saúde indígena através do antropofagismo, no qual o enfermeiro deve literalmente devorar a cultura dos seus pacientes, digeri-la e apoderar-se dela para prestar um cuidado culturalmente congruente. No entanto, ressalta-se a necessidade urgente do preparo e treinamento desses profissionais para uma atuação mais eficaz com os povos indígenas
Abstract: The desire to research on this subject arisen from the experience as nursing in the indigenous health, where I observed that many professionals from all regions of Brazil chose to work within this zone. It was notorious the nurse s difficult to settle in only one place for a long length of time. Probably due to health care in indigenous zones happens from a cultural confront. This confront materialize because both sides are imbued with their own culture: in one hand the nurse professional with its scientific knownledgment on the other the indigenous with their rituals and peculiars habits. In this context nurses should delineate and negotiate the reality through symbolic representations of life, and then make questions on the new reality. In this way, this study set out with the aim of apprehends the nurse s social representations of transcultural care in indigenous health. This knownledgment is important to avoid possible conflicts, shocks, difficulties and health care incongruence within this context. The data collect was carried out on a range of non structured interview guided by a pre-elaborated questionnaire with four questions and a hand drawing related to nurse s health care in the indigenous health. This research had a sample of 17 nurses from the Indigenous Sanitary District of Manaus in the Amazon State. To interpret data we used the Discourse of the Collective Subject, which findings were presented in three chapters: characterization of participants, discussion on themes prevalent in discourse; social representation of nursing care through infographics. The analysis revealed that the care in the indigenous health is challenging because the native people imbued in its world are perceived and processed according to the nurse s cultural lens, leading to materialize of some strangeness and adaptation difficulties, especially in the first contacts. The Social Representation on nursing practice, in many cases, is projected and contrived on the basis of scattered believes and on perception derived from common sense. The findings shows that representions are essential to mitigating the initial strangeness and help nurses to better situate themselves in the new universe. The nurse s practice in the indigenous health care should merge into each other. From the Social Representations is possible to perceive that assimilation, also comprehension on indigenous health system and its traditional knowledge are important to developing strategies to improve access and quality of care for indigenous peoples. After analysis the nurse s discourses and drawings, it is possible to represent the nurse s practice in the indigenous health as anthropophagism, since nurses should literally consuming its patients culture, digesting it and seize it as means to provide culturally congruent care. We highlight the urgent need for preparation and training of professionals to work more effectively with indigenous peoples
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14721
Appears in Collections:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MariaNFF_DISSERT.pdf2,64 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.