Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14749
Título: Representações sociais do comportamento agressivo do homem sob a ótica da mulher em situação de violência
Autor(es): Nóbrega, Vannucia Karla de Medeiros
Palavras-chave: Violência contra a mulher;Masculinidade;Saúde do homem;Gênero;Violence against women;Masculinity;Gender
Data do documento: 16-Dez-2011
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: NÓBREGA, Vannucia Karla de Medeiros. Representações sociais do comportamento agressivo do homem sob a ótica da mulher em situação de violência. 2011. 172 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.
Resumo: We aim to understand the social representations of man's aggressive behavior from the perspective of women in situations of domestic violence. This is a descriptive, exploratory and representational study, whose methodological approach falls into the qualitative category. We chose as a scenario for research, by the Reference Center for Citizen Women (CRMC), Natal / RN. The criteria for selection of participants were women who lived/live in situations of domestic violence, with affective or relationship bonding with the assailant, in psychological and emotional positions appropriated to the reality; that are being protected or assisted by the service listed above; whose aggressor is male. We adopted as data collection instruments: questionnaire, Drawing-Story (DE) and a field diary. For analysis of textual data, we decided to use the ALCESTE software conjugated to editing analyze and initial reading. Were investigated 20 women victims of domestic violence, whose author of the attacks was the husband/partner. We identified, from the respondents, that 70% (n = 14) of men with aggressive behavior also had a family history of violence and fragile family relationships. About the physical and emotional condition of the assailant at the time of violence, 50% (n = 10) of these men, regardless the use of alcohol, had often quarrelsome and/or nervous behavior, impatient and unpredictable humor facing a setback, worry or annoyance. Regarding the nature of violence, we observed that women were victims of all types of violence, however, the psychological prevailed in 100% of cases. The corpus "Men" has three classes, whose focuses are, respectively: resignation, denounce and violence/aggression, being possible categorizing them as well: Category 1: The imprisonment of women; Category 2: Violence and its meanings; Category 3: Breaking the violent cycle. We show that the social representations of man s aggressive behavior, from the women in situations of violence, are anchored in the social roles of men in family and society, becoming a dominant model of masculinity. It is aimed, on one hand, from the reproduction of what is already known and/or experienced by male aggressors in the family, as repetitions of behavior. And on the other, present themselves as a state of illness, addiction or psychopathy
metadata.dc.description.resumo: Objetivamos apreender as representações sociais do comportamento agressivo do homem sob a ótica da mulher em situação de violência intrafamiliar. Trata-se de um estudo de caráter descritivo, exploratório e representacional, cuja abordagem metodológica se insere na categoria qualitativa. Optamos, como cenário da investigação, pelo Centro de Referência à Mulher Cidadã (CRMC), Natal/RN. Os critérios de seleção das participantes foram: mulheres que viveram/vivem situações de violência intrafamiliar; com vínculo afetivo ou de parentesco com o agressor; que estejam em condições psicológicas e emocionais adequadas à realidade; que estejam sob proteção ou atendidas pelo serviço acima relacionado; cujo agressor seja do sexo masculino. Adotamos um enfoque multimetodológico a partir dos seguintes instrumentos de coleta: questionário, Desenho-Estória (DE) e diário de campo. Dessa forma, foi possível caracterizar as mulheres investigadas, seus agressores e a violência sofrida, bem como categorizar os discursos do corpus Homens . Para analise dos dados textuais, optamos pelo uso do software ALCESTE conjugado à análise de edição e leitura flutuante. Foram investigadas 20 mulheres vítimas de violência intrafamiliar, cujo autor das agressões era o marido/ companheiro. Identificamos, a partir das entrevistadas, que 70% (n=14) dos homens com comportamento agressivo apresentavam igualmente histórico familiar de violência e relações familiares fragilizadas. No que tange às condições físicas e emocionais do agressor na hora da violência, 50% (n=10) desses homens, independente do uso do álcool, apresentavam frequentemente comportamento briguento e/ou nervoso, impaciência e humor imprevisível, frente a uma contrariedade, preocupação ou aborrecimento. Quanto à natureza da violência, observamos que as mulheres foram vítimas de todos os tipos de violência, todavia, a psicológica prevaleceu em 100% dos casos. O corpus Homens gerou três classes, cujo foco são, respectivamente: renúncia, denúncia e violência/agressão. Sendo possível assim categorizá-las: Categoria 1: O aprisionamento da mulher; Categoria 2: A violência e suas significações; Categoria 3: A ruptura do ciclo violento. Evidenciamos que as representações sociais do comportamento agressivo do homem, a partir da mulher em situação de violência, estão ancoradas nos papéis sociais do homem na família e na sociedade, configurando-se num modelo de masculinidade dominante. E objetivam-se, de um lado, a partir da reprodução do que já é conhecido e/ou vivenciado pelos homens agressores no âmbito familiar, como repetições de comportamento. E, de outro, apresentam-se como um estado de doença, vício ou psicopatia
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14749
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
VannuciaKMN_DISSERT.pdf2,67 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.