Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14806
Título: Automedicação e guarda de medicamentos por universitários das áreas de saúde e tecnologia
Título(s) alternativo(s): Self-medication and drug storage among undergraduate students in the areas of health and technology
Autor(es): Medeiros, Stephanie Barbosa de
Palavras-chave: Enfermagem. Uso de medicamentos. Automedicação. Armazenagem de medicamentos. Estudantes;Nursing. Drug utilization. Self-medication. Drug storage. Students
Data do documento: 28-Nov-2013
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: MEDEIROS, Stephanie Barbosa de. Self-medication and drug storage among undergraduate students in the areas of health and technology. 2013. 105 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.
Resumo: This study aimed to compare self-medication and domestic drug storage among undergraduate students in the areas of health and technology. This is a descriptive study of cross-sectional type and quantitative approach, conducted in a Public University of Natal, Rio Grande do Norte, Brazil. The sample consisted of 300 students of the third year of undergraduate courses at the Center for Health Sciences and Technology Center, selected through a simple random sample. The project was authorized by the Ethics Committee of Federal University of Rio Grande do Norte (CAAE 0137.0.051.000-10). Data collection lasted twelve months and was conducted during the period of study participants, in the university environment. The instrument for data collection was a structured questionnaire consisting of open and closed questions. For data analysis, we used descriptive statistics and applied Fisher s exact test and Chi-square test with adopted level of significance &#945;=5% and 10%. For the variables that correlated with self-medication (p<0.05), we subsequently calculated the odds ratios and confidence intervals. The prevalence of undergraduate students who performed self-medication in the 15 days prior to the collection accounted for 33.7% and, by analyzing each knowledge area, we verified was a higher prevalence of self-medication among students in the technological area (37.3%). The analysis of the socio-demographic characteristics of the participants in this practice revealed a significant difference between the knowledge areas in the income and self-medication variables (p=0.005). General analgesics and antipyretics (N02) represent the therapy group most used in self-medication (57.4%), especially acetaminophen (28.7%), and the main health situations that motivated this practice related to pain, especially headaches (48.5%). Regarding the indication of the drugs used, the majority of students self-medicated themselves on their own (71.3%). As regards to the in-home drug storage, most of the participants had a home pharmacy (88%). By analyzing the socioeconomic characteristics, the variables medical service and home medicine presented a significant difference (p=0.002). General 10 analgesics and antipyretics constituted the medicinal products most found in the home pharmacies, especially acetaminophen. The main room used for the drug storage was the kitchen (36.4%), most students kept these products in boxes of different materials (38.6%) and the medicines stored at home of most of the participants were not easily accessible to children (75%). The results reinforce the need to develop strategies, from the reality found, aiming to encourage and implement educational and preventive activities with undergraduate students on the importance of proper self-medication and in-home drug storage. Despite the sample in our study is relatively small, not representative for the whole country, we believe that, at national level, the panorama of the subject does not present major differences
metadata.dc.description.resumo: O estudo teve como objetivo comparar a prática da automedicação e do abastecimento doméstico de medicamentos entre os estudantes universitários das áreas de saúde e tecnologia. Trata-se de um estudo descritivo, com delineamento transversal e abordagem quantitativa, desenvolvido em uma Universidade Pública no município de Natal, Rio Grande do Norte. A amostra constituiu-se de 300 universitários do terceiro ano dos cursos de graduação do Centro de Ciências da Saúde e do Centro de Tecnologia, selecionados por meio de uma amostra aleatória simples. O projeto foi apreciado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, obtendo o parecer favorável (CAAE 0137.0.051.000-10). A coleta de dados teve duração de doze meses e foi realizada no turno de estudo dos participantes, em ambiente universitário. O instrumento de coleta foi do tipo questionário estruturado, composto por perguntas abertas e fechadas. Para a análise dos dados, foi realizada a estatística descritiva e aplicado os testes de Fisher e Qui-quadrado com nível adotado de significância &#945;=5% e 10%. Para as variáveis que se correlacionaram com o uso da automedicação (p<0,05) foram, posteriormente, calculadas as razões de chance e intervalos de confiança. A prevalência dos universitários que realizaram a automedicação nos últimos 15 dias antecedentes a coleta correspondeu a 33,7% e, ao analisar cada área de conhecimento, verificou-se uma maior prevalência da automedicação nos estudantes pertencentes à área tecnológica (37,3%). A análise dos aspectos sociodemográficos dos participantes com essa prática revelou diferença significativa entre as áreas de conhecimento nas variáveis renda e automedicação (p=0,005). Os analgésicos e antipiréticos gerais (N02) se configuraram como o grupo terapêutico mais usado na automedicação (57,4%), destacando-se o acetaminofeno (28,7%), e as principais situações de saúde que motivaram esta prática relacionaram-se com a dor, principalmente, as cefaleias/dores de cabeça (48,5%). Quanto à indicação dos medicamentos utilizados, a maioria dos universitários automedicou-se (71,3%). Em 8 relação ao abastecimento domiciliar de medicamentos, a grande maioria dos participantes possuía uma farmácia caseira (88%). Ao analisar as características socioeconômicas, as variáveis serviço médico e farmácia domiciliar apresentaram diferença significativa (p=0,002). Os analgésicos e antipiréticos gerais constituíram a especialidade farmacêutica mais presente nas farmácias domiciliares, destacando-se o acetaminofeno. O principal cômodo utilizado para a armazenagem dos medicamentos foi a cozinha (36,4%), a maioria dos universitários guardava esses produtos em caixas de diferentes materiais (38,6%) e os medicamentos estocados nos domicílios da maioria dos participantes não eram de acesso fácil para crianças (75%). Os resultados reforçam a necessidade do desenvolvimento de estratégias, a partir da realidade encontrada, com o objetivo de incentivar e implementar atividades educativas e preventivas junto aos estudantes universitários, quanto a importância de uma automedicação e guarda domiciliar de medicamentos de forma mais adequada. Embora a amostra em nossa investigação seja relativamente pequena, não sendo representativa para todo o país, acredita-se que a nível nacional o panorama da temática não apresente grandes diferenças
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14806
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
StephanieBM_DISSERT.pdf2,19 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.