Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14831
Título: Úlceras de pressão: um estudo com pacientes de unidade de terapia intensiva
Título(s) alternativo(s): Pressure Ulcers: a study with intensive care unit patients
Autor(es): Fernandes, Niedja Cibegne da Silva
Palavras-chave: Úlcera de pressão;Unidade de terapia intensiva;Paciente;Pressure ulcer;Intensive care unit;Patient
Data do documento: 22-Jul-2005
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: FERNANDES, Niedja Cibegne da Silva. Pressure Ulcers: a study with intensive care unit patients. 2005. 155 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2005.
Resumo: To characterize patients according to gender, age category, internment time, diagnostical hypothesis and location of the pressure ulcer; to identify the susceptibility conditions, intrinsical and extrinsical factors present on ICU patients and to verify on the existence of association between the susceptibility conditions and the intrinsecal and extrinsecal factors on the occurrence of PU. Methods: It is a descriptive study, of longitudinal design of the panel type, with quantitative approach, performed on two ICU s of a private hospital located in Natal/RN, with 40 patients interned at these units. The data collection was performed on all three shifts through a structured observation and physical exam of the patients' skin form seeking to identify the presence of PU. Results: The greatest occurence of PU was on individuals of the male gender (70%) when compared to the female gender (30%), that difference being statistically significant (p=0,0267), with the male gender presenting 4,3 times greater chance of developing PU than the female; the predominant age category was from 60 years of age on (85%), 60,0% presented 1 to 2 PU s after 7 (seven) days of permanence in the ICU s, the predominant diagnostical hypothesis on the patients with PU were the respiratory diseases (42,3%) and the most frequent locations of PU were the sacral region (40,0%) and heels (36,0%). 25 PU s of stage I were diagnosed on 50,0% of the followed patients, with general incidence of 50,0% on both ICUs. from the 88 variables researched, 75 were identified on the patients from the study, being the predominant conditions (anemia, hypotension, leukocytosis, other diseases hypertension blood pressure, cardiac insuffience, pneumonia - and ansiolythic), the intrinsecal factors (diminished muscular strenght and/or mass, discrete edema, totally compromised mobile coordination and total inability for movement on the bed) and the extrinsecal factors (inadequate mattress type, permanence on a single position for >2 hours, shearing/friction force, bed clothes with folds that leave marks on the body, pressure force) predominated on patients with PU. The male gender variables (p=0,0267,OR=4,3), sedation (p=0,0006,OR=4,1), psychomotive agitation (p=0,0375,OR=5,8) and leukocytosis (p=0,0285,OR=5,0) presented a significant statistical diference when analyzed independently. We verified an association of 17,3%, statistically significant (p=0,0384), between the susceptibility conditions (anemia, leukocytosis and hypotension), the intrinsecal factors (age equal or above 60 years, diminished/absent pain sensibility and smooth, fine or delicate skin) and the extrinsecal factors (inadequate mattress, pressure forces, shearing/friction force, permanence on a single position for more than 2 hours, elevation between 30 to 45 degrees and inadequate bed clothes' conditions), with a chance ratio of 4,6 times the risk of occurrence of PU on the patients that presented the referred association. Conclusion: The incidence of PU detected on the ICU-interned patients was high and we made evident the existence of association between the susceptibility conditions, the intrinsecal and extrinsecal factors on the occurrence of PU s on the ICUinterned patients, and thus we accept the alternative hypothesis proposed on the study
metadata.dc.description.resumo: Identificar a incidência de UP em pacientes internados nas UTIs, segundo sexo, faixa etária, tempo de internação, hipótese diagnóstica e localização de úlcera de pressão; identificar a incidência de úlcera de pressão (UP) nas Unidades de Terapias Intensivas (UTIs); identificar as condições predisponentes, fatores intrínsecos e extrínsecos presentes nos pacientes internados nas UTIs e verificar a existência de associação entre as condições predisponentes e os fatores intrínsecos e extrínsecos na ocorrência de UP. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo, com delineamento longitudinal do tipo painel, com abordagem quantitativa, realizado em duas UTIs de um hospital privado localizado em Natal/RN, com 40 pacientes internados nessas unidades. A coleta dos dados foi realizada nos três turnos por meio de um formulário estruturado de observação e exame físico da pele dos pacientes buscando identificar a presença de UP. Resultados: A maior ocorrência de UP foi em indivíduos do sexo masculino (70%) em relação ao feminino (30%), sendo esta diferença, estatisticamente significante (p= 0,0267), com sexo masculino apresentando 4,3 vezes mais chance de desenvolver UP do que o feminino; a faixa etária predominante foi a partir de 60 anos (85%), 60,0% apresentaram de 1 a 2 UPs após 7 (sete) dias de permanência nas UTIs, a hipótese diagnóstica predominante nos pacientes com UP, foram as doenças respiratórias (42,3%) e as localizações mais freqüentes de UP foram à região sacral (40,0%) e calcâneos (36,0%). Foram diagnosticadas 25 UPs em estágio I em 50,0% dos pacientes acompanhados, com incidência geral de 50% nas duas UTIs. Das 88 variáveis pesquisadas, 75 foram identificadas nos pacientes do estudo, sendo que as condições predominantes (anemia, hipotensão, leucocitose, outra doenças (HAS, ICO, PNM) e ansiolítico), os fatores intrínsecos (a força e/ou massa muscular diminuída, edema discreto, coordenação motora totalmente prejudicada e inabilidade total para movimentação no leito) e os fatores extrínsecos (tipo de colchão inadequado, posicionamento em um mesmo decúbito por >2 horas, força de cisalhamento/fricção, roupas de cama com dobras deixando marcas no corpo, força de pressão) predominaram nos pacientes com UP. As variáveis como sexo masculino (p=0,0267, RC=4,3), sedação (p=0,0015, RC=9,3), força de cisalhamento/fricção (p=0,0393, RC=3,3), força de pressão (p=0,0006, RC=4,1), agitação psicomotora (p=0,0375, RC=5,8) e leucocitose (p=0,0285, RC=5,0) apresentaram diferença estatística significante quando analisadas isoladamente. Verificamos uma associação de 17,3%, estatisticamente significante (p=0,0384), entre as condições predisponentes (anemia, leucocitose e hipotensão), os fatores intrínsecos (idade maior ou igual a 60 anos, sensibilidade dolorosa diminuída/ausente e pele lisa, fina ou delicada) e os fatores extrínsecos (colchão inadequado, forças de pressão, força de cisalhamento/fricção, posicionamento em um mesmo decúbito por mais de 2 horas, elevação de 30 a 45 graus e condições de roupas de cama inadequadas), com uma razão de chance de 4,6 vezes o risco de ocorrência de UP nos pacientes que apresentaram a referida associação. Conclusão: A incidência de UP detectada nos pacientes internados nas UTIs foi elevada e evidenciamos a existência de associação entre as condições predisponentes, os fatores intrínsecos e extrínsecos na ocorrência de UPs nos pacientes internados nas UTIs, portanto aceitamos a hipótese alternativa proposta no estudo
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14831
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
NiedjaCSF.pdf950,35 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.