Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16067
Título: Atividades experimentais no ensino de biologia em escolas públicas do estado do Rio Grande do Norte, Brasil: caracterização geral e concepção de professores
Autor(es): Oliveira, Kelvin Barbosa de
Palavras-chave: Atividades experimentais;Ensino de biologia;Concepções de professores;Experimental activities;Biology teaching;Teacher conceptions
Data do documento: 20-Ago-2010
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: OLIVEIRA, Kelvin Barbosa de. Atividades experimentais no ensino de biologia em escolas públicas do estado do Rio Grande do Norte, Brasil: caracterização geral e concepção de professores. 2010. 120 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.
Resumo: Recent research has revealed that the majority of Biology teachers believe the practice of experimental activities as a didactical means would be the solution for the improvement of the Biology teaching-learning process. There are, however, studies which signal the lack of efficiency in such practice lessons as far as building scientific knowledge is concerned. It is also said that despite the enthusiasm on the teachers‟ part, such classes are rarely taught in high school. Several studies point pedagogical difficulties as well as nonexistence of a minimal infrastructure needed in laboratories as cause of low frequency in experimental activities. The poor teacher performance in terms of planning and development of classes; the large number of students per class; lack of financial stimulus for teachers are other reasons to be taken into account among others, in which can also be included difficulties of epistemological nature. That means an unfavorable eye of the teacher towards experimental activities. Our study aimed to clarify if such scenario is generalized in high schools throughout the state of Rio Grande do Norte Brazil. During our investigation a sample of twenty teaching institutions were used. They were divided in two groups: in the first group, five IFRN- Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte schools. Two of those in Natal, and the other three from the country side. The second group is represented by fifteen state schools belonging to the Natal metropolitan area. The objectives of the research were to label schools concerning laboratory facilities; to identify difficulties pointed by teachers when performing experiment classes, and to become familiar with the conceptions of the teachers in regarding biology experiment classes. To perform such task, a questionnaire was used as instrument of data collecting. It contained multiple choice, essay questions and a semi-structured interview with the assistance of a voice recorder. The data analysis and the in loco observation allowed the conclusion that the federal schools do present better facilities for the practice of experimental activities when compared to state schools. Another aspect pointed is the fact that teachers of federal schools have more time available for planning the experiments; they are also better paid and are given access a career development, which leads to better salaries. All those advantages however, do not show a significantly higher frequency regarding the development of experiments when compared to state school teachers. Both teachers of federal and state schools pointed infra-structure problems such as the availability of reactants, equipments and consumption supplies as main obstacle to the practice of experiments in biology classes. Such fact leads us to conclude that maybe there are other problems not covered by the questionnaire such as poor ability to plan and execute experimental activities. As far as conceptions about experimental activities, it was verified in the majority of the interviewees a inductive-empiric point of view of science possibly inherited during their academic formation and such point of view reflected on the way they plan and execute experiments with students
metadata.dc.description.resumo: Recentes pesquisas têm revelado que boa parte dos professores de Biologia acredita que a utilização das atividades experimentais como instrumento didático seria a solução na melhoria do ensino-aprendizagem nessa disciplina. No entanto, existem alguns estudos que sinalizam a não eficácia dessas aulas práticas no que diz à construção do conhecimento científico. Afirmam ainda que, apesar desse entusiasmo dos docentes, elas são pouco utilizadas no Ensino Médio. Diversos trabalhos apontam como causa dessa baixa frequência dificuldades de natureza pedagógica, tais como ausência de infraestrutura razoável nos laboratórios (a falta de equipamentos, reagentes, vidrarias e insumos); o despreparo dos professores em relação ao planejamento e desenvolvimento das aulas; o grande número de alunos por turmas; insatisfação salarial por parte dos docentes, entre outras; apontam também dificuldades de natureza epistemológica, ou seja, os tipos de visão que professores trazem consigo acerca das ciências e das atividades experimentais. Nesse sentido, o nosso estudo objetivou elucidar se esse cenário perpassa em escolas de nível médio do estado do Rio Grande do Norte Brasil. No processo investigativo utilizamos um universo amostral constituído por vinte instituições de ensino, divididas em dois grupos: cinco escolas federais da rede do IFRN Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, sendo duas delas em Natal e três no interior do estado. O segundo grupo é representado por quinze escolas da rede estadual localizadas na Região Metropolitana do município de Natal. Os objetivos da pesquisa foram realizar a caracterização das escolas em relação aos espaços disponíveis para as atividades experimentais; identificar as dificuldades apontadas pelos professores na realização dessas atividades e conhecer a concepções dos docentes sobre atividades experimentais de Biologia. Foram utilizados como instrumento de coleta de dados um questionário que contemplava questões objetivas e subjetivas, e uma entrevista semiestruturada com auxílio de um gravador de voz. A análise dos dados e a observação in loco permitiram que se constatasse que as escolas federais apresentam melhores condições físicas em relação aos espaços destinados à execução das atividades experimentais, quando comparadas às escolas estaduais. Outro ponto sinalizado é o fato de que os professores das escolas federais dispõem de maior tempo para planejar as atividades experimentais; são mais bem remunerados e suas instituições estão contempladas com uma política de capacitação que possibilita ascensão salarial. Entretanto, todas essas vantagens e benefícios não se mostram numa frequência de maior expressividade em relação ao desenvolvimento das atividades experimentais quando comparados aos professores das escolas estaduais. Tanto os professores das escolas federais como os da rede estadual de ensino apontaram como sendo as principais dificuldades para a realização de atividades experimentais questões inerentes à infraestrutura como a falta de reagentes, equipamentos e matérias de consumo. Isso nos leva a inferir que existem outros problemas que talvez possam ter permanecido implícitos na pesquisa como a falta de habilidade tanto no planejamento como no desenvolvimento das atividades experimentais. Quanto às concepções sobre as atividades experimentais, verificamos em grande parte dos pesquisados uma visão empírico-indutivista de Ciência, possivelmente herdada durante toda sua formação acadêmica e obviamente essa ótica refletiu no modo como planejam e realizam as atividades experimentais com seus alunos
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/16067
Aparece nas coleções:PPGECNM - Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
KelvinBO_DISSERT.pdf1,27 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.