Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16150
Título: Inscrição discursiva da subjetividade homoafetiva na G Magazine
Autor(es): Carvalho, Ana Maria de
Palavras-chave: Discurso;Modos de subjetivação;Homoafetividade;Speech;Modes of subjectivity;Homo affectivity
Data do documento: 18-Dez-2008
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: CARVALHO, Ana Maria de. Inscrição discursiva da subjetividade homoafetiva na G Magazine. 2008. 104 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada; Literatura Comparada) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.
Resumo: This thesis, which is entitled Registration discourse of subjectivity homo affective in G Magazine, is proposed to describe / interpret modes of subjectivity that is set in the discourse of homo affective confessions, recorded in letters addressed to G Magazine. The study is based on the theories of Discourse Analysis French, with a focus in the discussions Foucaultian remarkably discursive practices that produce meanings about the processes of subjectivity and sexuality. Methodologically, the research is of appreciative/qualitative character and falls in the field of Applied Linguistics (LA), at a press that the historical and cultural reality of the subject, establishing dialogues with many other fields of knowledge, which deal of the subject matter of speech and sexuality. Data analysis indicates that the magazine G Magazine works as a discursive space, where individuals on condition that homosexual, take it as the place that it gives security to talk to you, it's worrying, because the nature of the journal it suggests a belonging to the same discursive formation - that of homo affective . Thus, some of which are felt constructed for the investigation of the letters selected for this study showed that the forms of subjectivity of such homo affective are emerging in the game of the bans, the other is that as a subject of sexuality and to materialize in operation the confession. These homo affective, in a gesture of incessant registration of alternatives to be subject to its own truth of their sexuality, to seek his party in the case, the psychologist, a referral, a "light" that can guide them in an attempt to get rid of the forms of to subject. Installs itself in this way, as a point of resistance: the attempt to dissociate itself be of some states of submission, opening itself to other ways of being subject
metadata.dc.description.resumo: Esta dissertação, que tem como título Inscrição discursiva da subjetividade homoafetiva na G Magazine, se propõe a descrever/interpretar modos de subjetivação que se configuram discursivamente nas confissões de homoafetivos, inscritas em cartas endereçadas à G Magazine. O estudo fundamenta-se nas teorizações da Análise do Discurso francesa, com foco nas discussões foucaultianas notadamente práticas discursivas que produzem sentidos acerca dos processos de subjetivação e da sexualidade. Metodologicamente, a pesquisa é de caráter qualitativa/interpretativista e se insere no campo da Lingüística Aplicada (LA), situando-se em uma abordagem que prima pela realidade histórico-cultural dos sujeitos, estabelecendo múltiplos diálogos com outros campos do saber, os quais tratam da questão do sujeito, do discurso e da sexualidade. A análise dos dados indicia que a revista G Magazine funciona como um espaço discursivo, em que os indivíduos na condição de homossexual, toma-o como o lugar que lhe confere segurança para falar de si, do que lhe aflige, pois a natureza da revista lhe sugere um pertencimento a uma mesma formação discursiva a de homoafetivo. Assim sendo, alguns dos sentidos construídos são que a investigação das cartas selecionadas para este trabalho, revelou que as formas de subjetivação de tais homoafetivos são emergentes do jogo das interdições, os outros que os constituem como sujeito de uma sexualidade e que se materializam no funcionamento da confissão. Esses homoafetivos, em um gesto de inscrição incessante de alternativas para ser sujeito de sua própria verdade, de sua própria sexualidade, buscam do seu interlocutor, no caso, o psicólogo, um encaminhamento, uma luz que possa orientá-los, na tentativa de livrar-se das formas de assujeitamento. Instala-se, dessa forma, como um ponto de resistência: o ser tenta desvincular-se de certos estados de submissão, abrindo-se a outros modos de ser sujeito
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/16150
Aparece nas coleções:PPGEL - Mestrado em Estudos da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
AnaMC.pdf437,81 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.