Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16164
Título: O FRAGMENTO EM TUTAMÉIA E NO LIVRO SOBRE NADA
Autor(es): Lima, Robeilza de Oliveira
Palavras-chave: Fragmentação;Imagem;Ambiguidade;Barroco;modernidade;Fragmentation;Images;Ambiguity;Baroque;modernity
Data do documento: 28-Set-2009
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: LIMA, Robeilza de Oliveira. O FRAGMENTO EM TUTAMÉIA E NO LIVRO SOBRE NADA. 2009. 133 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada; Literatura Comparada) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.
Resumo: This study is connected to the research line Poéticas da Modernidade e Pós -Modernidade, of the Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, in the subarea: Comparative Literature - CCHLA/UFRN. Its main goal is to see fragmentation of writing as an aesthetic resource highlighted in the work of Tutaméia by Guimarães Rosa (1908-1967), and in Livro sobre nada by Manoel de Barros (1916). We undertake as a starting point the view that these works are allegorical expressions. We have as a basis the German philosopher Walter Benjamin (1984) conception about baroque allegory, that uses amorphous fragment and constitutes a dialectical expression, in which each person, each thing, each relation, may mean any other one (1984, p. 196). We see the stylistic features as used by Guimarães Rosa and by Manoel de Barros in the construction of poetics capable of breaking the boundaries between artistic genres, literary and discursive, adding oral, musical and plastic elements to writing. We also analyze the development of fragmentary poetics, in which the voice of the narrator/lyrical I, the characters, space, plot and time exhibit the fragment as a factor that contributes to the great ambiguity of the two works and to create a new language, performative and vibrant, rich in alluring images, allegories
metadata.dc.description.resumo: O presente estudo está vinculado à linha de pesquisa Poéticas da Modernidade e da Pós-Modernidade, do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, na área de Literatura Comparada - CCHLA/UFRN. Seu objetivo principal é observar a fragmentação da escritura como recurso estético privilegiado em Tutaméia, de Guimarães Rosa (1908-1967), e no Livro sobre nada, de Manoel de Barros (1916). Na pesquisa, adotamos como ponto de partida a visão de que essas obras são expressões alegóricas. Tomamos como base a concepção do filósofo alemão Walter Benjamin (1984) sobre a alegoria barroca, a qual se vale do fragmento amorfo e se constitui numa expressão dialética, em que cada pessoa, cada coisa, cada relação, pode significar qualquer outra (1984, p. 196). Observamos os recursos estilísticos usados tanto por Guimarães Rosa quanto por Manoel de Barros na construção de poéticas capazes de romper com os limites entre os gêneros artísticos, literários e discursivos, agregando à escrita elementos orais, musicais e plásticos. Analisamos ainda a elaboração de poéticas fragmentárias, em que a voz do narrador/eu-lírico, as personagens, o espaço, o enredo e o tempo exibem o fragmento como elemento que contribui para a grande ambiguidade das duas obras e para a criação de uma linguagem nova, performática e vibrante, rica em sedutoras imagens, alegorias
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/16164
Aparece nas coleções:PPGEL - Mestrado em Estudos da Linguagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RobeilzaOL.pdf891,39 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.